Volume 22 - Novembro de 2017
Editores: Giovanni Torello e Walmor J. Piccinini

 

Outubro de 2008 - Vol.13 - Nº 10

France - Brasil- Psy

Coordenação: Docteur Eliezer DE HOLLANDA CORDEIRO

Quem somos (qui sommes-nous?)                                  

France-Brasil-PSY é o novo espaço virtual de “psychiatry on  line”oferto aos  profissionais do setor da saúde mental de expressão  lusófona e portuguesa.Assim, os leitores poderão doravante nela encontrar traduções e artigos em francês e em português abrangendo a psiquiatria, a psicologia e a psicanálise. Sem esquecer as rubricas habituais : reuniões e colóquios, livros recentes, lista de revistas e de associações, seleção de sites.

Qui sommes- nous ?

France-Brasil-PSY est le nouvel espace virtuel de “psychiatry on line”offert aux professionnels du secteur de la santé mentale d’expression lusophone et française. Ainsi, les lecteurs pourront désormais y trouver des traductions et des articles en français et en portugais  concernant la psychiatrie, la psychologie et la psychanalyse. Sans oublier les rubriques habituelles : réunions et colloques, livres récentes, liste de revues et d’associations, sélection  de sites

SOMMAIRE (SUMÁRIO):

 

  • 1.DRAMA DOS AUTISTAS NEGLIGENCIADOS
  • 2. MEDICINA É UMA CIÊNCIA HUMANA
  • 3. REVISTAS
  • 4. ASSOCIAÇÕES
  • 1.O DRAMA DOS AUTISTAS NEGLIGENCIADOS

    Eliezer de Hollanda Cordeiro

    No suplemento Télé OBS ( Le Nouvel Observateur, n° 2292 de  15 de outubro), lí um interessante artigo de Marjolaine Jarry sobre o autismo, tema de um  documentário apresentado na cadeia de televisão, M6,  em seu programa,  Zone Interdite.O documentário, intitulado: Autismo, o escândalo das crianças esquecidas,  foi dividido em duas partes: a primeira apresentou uma entrevista de Antoine,  um rapaz de 21 anos que passa o dia num hospital psiquiátrico e volta de noite à sua casa. Ele cessou de falar após uma depressão e, desde então, nunca mais pronunciou uma palavra. Segundo  seu pai, ‘’Antoine vai mal porque  não sabe mais para onde ir.Seu olhar é fugidio porque não  sabe mais olhar o futuro’’. Antoine, como Sabine,  cuja história evocamos  no artigo  Ela se chama Sabine,  revelam  muito bem a ausência de estruturas suficientes e especializadas capazes de oferecerem  alternativas às dramáticas situações  em que se encontram os autistas.

    A segunda parte do documentário, mostra  pessoas que apresentam  uma forma de autismo comportando distúrbios graves da comunicação, embora não  sofram de um  retardo mental importante, como  ocorre no autismo de Kanner.

     

    Uma das formas do autismo, a SÍNDROME DE ASPERGER , tornou-se muito conhecida pelos livros, autobiografias e filmes  feitos sobre ela, como por exemplo o filme intitulado‘’Rain Man’’, onde o herói,  interpretado por Dustin Hoffman, apezar das dificuldades relacionais e de comunicação que apresenta,possui  uma prodigiosa e enciclopédica memória.

    O documentário apresentado em Zone Interdite sobre a Síndrome de Asperger se refere a duas pessoas vítimas desta síndrome:

    -Josef,  26 anos, está fazendo uma tese na École de hautes Études en Sciences sociales.Diagnosticado, sem razão, esquizofrênico, fez brilhantes estudos que levaram-no até  ao Institut de Sciences Politiques (Sciences-Po). Capaz de guardar uma certa distância emocional, não somente quando fala da  instituição mas também  de seus próprios sintomas, ele descreve  sua experiência estudantil,  evocando   atitudes  de exclusão que sofreu durante este período. Lúcido e até mesmo com humor,  disse ‘’ ter também tendência a se comportar  como um pequeno professor pedante’’.

    -Emmanuel, 33 anos,especialista em informática, vive em Bruxelas, é poliglota e um gênio em cálculo mental,  capaz de encontrar as raizes cúbicas de números com doze cifras. A jornalista que fez a reportagem lhe diz:” mas ir buscar o pão é   fácil, tanto  para o senhor  como para mim”! Emmanuel, com vago sorriso, responde :’’Eu me perdi  muitas vezes indo  buscar o pão”!

    Para Josef e Emmanuel, ’’o mais difícil é enfrentar o cotidiano e escapar à rotina permanente que eles edificaram, como  um escudo, para se  proteger do mundo’’, escreveu a jornalista. Mas quando eles conseguem entrar em contacto com os outros,  a ‘’troca se torna um enriquecimento  recíproco’’.Como disse o diretor de tese de Josef : ‘’Graças a você, adquiri novos conhecimentos”.

     

    PLANO DO GOVERNO FRANCÊS EM PROL DOS AUTISTAS

    O Portal do Premeiro Ministro do Governo Francês, no artigo ‘’Mieux connaître et prendre en charge l’autisme’’, apresenta  o plano  elaborado  pelo Ministério da Saúde em prol dos autistas. O plano comporta,  entre outros, os seguintes  pontos: 1)Criação de 4100 lugares   suplementares para autistas em 5 anos, sendo  1500 para crianças 2) Atribuição de 187 milhões de euros para o projeto 3)Elaboração dos procedimentos visando melhorar o diagnóstico e o acompanhamento individual dos pacientes 4)Construção de internatos e estruturas especiais  para adolescentes 5)Experimentação de novos métodos de tratamento 6)Formação suplementar de profissionais de saúde.

    O  governo francês explica que estas iniciativas respondem   às reivindicações das associações de pais de autistas, como por exemplo a influente  Autisme, Agir e Vaincre , da qual falamos no artigo :”Pais de crianças autistas criam um banco genético’’. Os responsávies do  governo declararam ainda que  a finalidade do plano era  de tirar os autistas do gueto em que se encontravam e fazer com que ninguém ignorasse este problema.

    Existe um grande número de associações que defendem a causa dos autistas na  França. Em Orléans, por exemplo,  duas associações atuam para que sejam construidas residências para autistas. Uma delas, “Dialogue autiste”  contou com  o apoio do prefeito da cidade de Saran,  para quem o projeto elaborado será  ‘’o primeiro na França que permitirá a adultos autistas de  viver  tranquilamente  em estruturas residenciais adaptadas’’, como escreveu o  jornal La République du Centre (edição de 23/10/2008).O projeto  vai custar 5 milhões de euros.O plano prevê lugares para  24 adultos autistas.

    O outro projeto, denominado ‘’Hameau de Julien’’,   se situa em Boigny-sur-Bionne, perto de Orléans. Ele é também  o  resultado da colaboração entre organismos do Estado  e a associação Sésame Autisme . A construção   começou em 17 de outubro e será a primeira estrutura específica para 45 adultos autistas do Loiret. O custo total será em torno de tres milhões e quinhetos mil euros.

    Nos dois projetos, as estruturas previstas levarão em conta o nível de autonomia dos futuros hóspedes. Serão construidos: casas; prédios para atendimentos,  diversas atividades e administração;  pequenas casas suplementares para aqueles   que desejarem se isolar, etc.Os dois centros citados não são concorrentes mas complementares, dizem os responsáveis públicos.

    A SITUAÇÃO DOS AUTISTAS NO BRASIL

    O que estaria sendo feito no Brasil em prol dos autistas? Haveria um plano especial do governo neste domínio? Ou os autistas estão sendo negligenciados? Numa longa e interessante  entrevista dada à Record News,  o psiquiatra Estevão Vadasz evocou,  entre outras coisas, as particularidades do  acompanhamento dos autistas-trabalho médico, psicológico, educativo e social-, o que já foi feito por eles em São Paulo mas  também o que ainda falta ser feito.  Ele salientou  o papel  desempenhado pela   Associação de Amigos do Autismo (AMA), que tem parceria, no Hospital das Clínicas de São Paulo, com o Instituto de Psiquiatria. De seus propósitos deduzi que, mesmo contando com muitos parceiros, a AMA ainda precisa de  verbas para  desenvolver os seus  projetos.

    Procurando saber se existia um plano do governo brasileiro para os autistas,  lí o Programa Mais Saúde, publicado no site do Governo do Brasil. Trata-se de um plano cuja filosofia é  ‘’a  promoção e atenção à saúde’’ , no qual ‘’a família é o centro da mudança’’. Li também que ‘’Em Saúde Mental, serão abertos novos centros de atenção psicossocial (CAPs) e que o Programa prevê 200 novas unidades de pronto-atendimento de urgência e emergência (UPAs) bem como  ações de internação domiciliar executadas por 500 novas equipes devidamente capacitadas’’.

    Mas não encontrei no Programa Mais Saúde nenhuma referência  ao autismo.Contudo, como  a família é considerada o centro das futuras ações,   o Programa poderia sustentar, para começar,  associações como a AMA, que lutam por ume melhor  atendimento dos autistas.Para que estes e suas famílias não se sintam negligenciados.  

     

    2.A MEDICINA É UMA CIÊNCIA HUMANA

    Eliezer de Hollanda Cordeiro

     

    Leio na revista da Ordre National des Médecins,n°1, setembro 2008, uma entrevista da médica  generalista francesa, Catherine Armessen  sobre o exercício da medicina em meio  rural.Ela diz  ‘’orgulhar-se de  ser uma médica de base(...) que começou sua atividade clínica em 1985, numa pequena cidade de Seine e Marne. E que, ‘’ apesar das longas jornadas de trabalho e dos cansativos trajetos nas estradas caóticas do campo, não trocaria sua atividade médica por nada no mundo’’.

    Como entender a expressão ‘’orgulhar-se de ser uma médica de base?’’Base vem do grego ‘básis’’, que significa ‘’planta do pé’’.O Aurélio nos diz que base é tudo quanto serve de fundamento, apoio, sustentáculo.  Entendo então que a base de toda medicina é esta  medicina de base, a clínica geral, aquela que estudámos e aprendemos e  que não podemos nem devemos esquecer. E ainda menos desprezar.

    Porque a doutora Catherine Armessen  deixou  Paris,  a cidade onde nasceu,renunciando à diversidade  dos contactos, ao conforto e  aos estímulos intelectuais  desta grande cidade,  para ir exercer a clínica geral  numa pequena cidade rural? Por duas razões:

    -‘’gosto da maneira como as pessoas julgadas simples confiam em mim’’;

    - ‘’amo esta atividade que me permite considerar o paciente em todas as dimensões: científica, mas também psicológica e social.

    Para ela, escuta e informação, conselho e empatia, história individual(a anamnese)  constituem a base desta relação que o médico generalista procura construir com o paciente. A conclusão que ela tira é que, no domínio dos cuidados, ‘’a personalização  se revela realmente  eficaz , permitindo  ao doente uma melhor  aceitação de sua patologia e facilitando sua aceitação  dos cuidados’’.

    A generalista julga que a sua maneira de exercer a medicina é também muito preciosa no domínio da prevenção.Aliás, esta experiência inspirou-lhe a idéia de escrever o livro intitulado Dérapage, onde aborda a questão  do alcoolismo feminino. E Catherine Armessen resume sua concepção da medicina:  ‘’Para mim, ela é  uma ciência humana.’’

    É o que dirá também  um psiquiatra que, sem renuncaiar aos progressos da ciiência,pratica uma psiquiatria da pessoa, considera o paciente não como um anônimo consumidor de cuidados mas como uma pessoa portadora ou sofrendo de uma doença.Não perde de vista que  esta psiquiatria é também exercida por uma pessoa e que seu exercício comporta uma implicação pessoal que interroga assim sua própria formação de  psiquiatra.

    Por fim, trata-se de uma psiquiatria com  pessoas : toda as dimensões  do setor, das relações com as famílias do doente serão reinvestidas, como escreveu Simon-Daniel Kipman, em Uma psiquiatria voltada para a pessoa.

     

    Referência:  Le Magazine de L’Ordre National des Médecins,n°1, septembre-octobre 2008: Entrevista de Stéphane Boumendit com Catherine Armessen.

     

    3.REVISTAS

    * L’Évolution pychiatrique,

    *L’Information Psychiatrique

    *Impacte medecine

    *La revue française de psychiatrie et de psychologie medicale *L’encephale

    *Neuropsy

    *Psychiatrie française

    *Evolution psychiatrique

     

    4. ASSOCIAÇÕES

    *Mission Nationale d’Appui en Santé Mentale

    *Association française pour l’approche integrative et eclectique en psychotherapie (afiep)

    *Association française de psychiatrie et psychologie legales (afpp)

    *Association française de musicotherapie (afm)

    *Association art et therapie

    *Association française de therapie comportementale et cognitive (aftcc)

    *Association francophone de formation et de recherche en therapie comportementale et Cognitive (afforthecc)

    *Association de langue française pour l’etude du stress et du trauma (alfest)

    *Association de formation et de recherche des cellules d’urgence medico-psychologique (aforcump)

    *Association nationale des hospitaliers pharmaciens et psychiatres (anhpp)

    *Association scientifique des psychiatres de secteur (asps)

    *Association pour la fondation Henri Ey

    *Association internationale d’ethno-psychanalyse (aiep)

    *Collectif de recherche analytique (cora)

    *Ecole parisienne de gestalt

    *Ecole française de sexologie

    *Ecole de la cause freudienne

    *Groupement d’études et de prevention du suicide (geps)

    *Groupe de recherches sur l’autisme et le polyhandicap (grap)

    *Groupe de recherches pour l’application des concepts psychanalytiques a la psychose (grapp)

    *Société française de gérontologie

    *Société française de thérapie familiale (sftf)

    *Société française de recherche sur le sommeil (sfrs)

    *Société française de relaxation psychotherapique (sfrp)

    *Fédération française d’adictologie

    *Société ericksonienne

    *Société de psychologie medicale et de psychiatrie de liaison de langue française

    *Société médicale Balint

    *Union nationale des amis et familles de malades mentaux (unafam)

    *Association Psychanalytique de France (apf)

    *Société Psychanalytique de Paris (spp)

     

    *Coordination (coordenador):Doutor  Eliezer de HOLLANDA CORDEIRO

    [email protected]

     

     

     

     

     


    TOP