Volume 22 - Novembro de 2017
Editor: Giovanni Torello

 

Janeiro de 2011 - Vol.16 - Nº 1

France - Brasil- Psy

Coordenação: Docteur Eliezer DE HOLLANDA CORDEIRO

Quem somos (qui sommes-nous?)                                  

France-Brasil-PSY é o novo espaço virtual de “psychiatry on  line”oferto aos  profissionais do setor da saúde mental de expressão  lusófona e portuguesa.Assim, os leitores poderão doravante nela encontrar traduções e artigos em francês e em português abrangendo a psiquiatria, a psicologia e a psicanálise. Sem esquecer as rubricas habituais : reuniões e colóquios, livros recentes, lista de revistas e de associações, seleção de sites.

Qui sommes- nous ?

France-Brasil-PSY est le nouvel espace virtuel de “psychiatry on line”offert aux professionnels du secteur de la santé mentale d’expression lusophone et française. Ainsi, les lecteurs pourront désormais y trouver des traductions et des articles en français et en portugais  concernant la psychiatrie, la psychologie et la psychanalyse. Sans oublier les rubriques habituelles : réunions et colloques, livres récentes, liste de revues et d’associations, sélection  de sites

SOMMAIRE (SUMÁRIO):

 

  • 1. BORIS CYRULNIK E A RESILIÊNCIA
  • 2. DEPRESSÃO PÓS-PARTO OU O ESTRANGEIRO EM MIM
  • 3. REVISTAS
  • 4. ASSOCIAÇÕES
  • 1) Boris cyrulnik e a resiliência

    Eliezer de Hollanda Cordeiro

    Desde a primeira edição de France-Brasil-Psy, publicada  na Polbr de novembro de 2003, referi-me  a Boris Cyrulnik , um neuro-psiquiatra, psicólogo, psicanalista e etologista francês. Na época, ainda pouco conhecido em seu país, ele já havia entretanto publicado vários livros importantes, eruditos, pedagógicos e originais. Desde então,o caminho percorrido pelo autor foi excepcionalmente rápido, crescendo ao ritmo de um ou dois livros publicados a cada ano,  muitos traduzidos em diversas línguas, inclusive a portuguesa.Como  se uma fecunda produção científica não lhe bastasse para preencher sua vigorosa energia moral e física,  ele  começou a dar conferências, a ensinar,  criar e ajudar associações, aliando teoria e prática, discurso e ação num  engajamento concreto sobre questões de importância política e social.Foi assim que ele se tornou, por exemplo,‘’uma   das 43 personalidades que integraram a commission Attali, criada pelo Presidente da República francesa em 2007, encarregada  de elaborar um relatório com proposições concretas para reativar a economia francesa’’, como podemos ler em sua  biografia na  Wikipédia francesa.

    O  sucesso de um conceito

    Boris Cyrulnik tornou-se sobretudo conhecido por haver desenvolvido o conceito de résilience, palavra que  significava até então ‘’a característica mecânica da resistência de um material aos choques’’. Ele deu ao velho conceito, uma significação psicológica nova: “atitude de um indivíduo a se construir e a viver de maneira satisfatória apesar de circunstâncias traumáticas’’(diconário Le Petit Robert). Mas a nova acepção criada por Cirulnik, que chegou ao Brasil quando seus livros começaram a ser traduzidos em português, ainda não aparece no dicionário brasileiro Houaiss, o que é lamentável.  

    Ele é um excelente comunicante e pedagogo. Quando se exprime em rádios e televisões, sua voz grave e serena, seu humor natural e permanente facilitam a demonstração de suas teorias, reforçando o impacto de sua comunicação oral. A recepção de seu discurso pelos ouvintes é também  facilitada por  uma retórica que se nutre de sua história pessoal, marcada por traumatizantes  acontecimentos  familiares que pertubaram-lhe  a infância: a deportação dos pais para um campo de concentração na Alemanha, onde morreram, e seu encontro com pessoas que o recolheram e educaram-no como um filho. Foi a partir deste encontro que o menino Boris poude se  construir uma personalidade, superar os traumatismos que sofreu, elaborar uma resiliência bem sucedida. Saudemos o homem cortês, sua elegância natural, sua modéstia, que mesmo  o sucesso de seus escritos  não conseguiu alterar.

    A etologia humana como uma encruzilhada de disciplinas?

    Resta saber se sua ambição de colocar a etologia na encruzilhada, como ponto de encontro de  várias disciplinas constitui  ou não  um avanço importante para o conhecimento do ser humano.

    O filósofo e editor francês  Dominique Lecourt, autor do prefácio do livro  de Cyrulnik: La naissance du sens(O nascimento do sentido), pensa que o  excepcional interesse  das pesquisas de Cyrilink é o seu combate contra os  deslizes antropomórficos de Darwin. Por isso, não surpreende  que ‘’ as reflexões de Cyrulnik  se coordenem de maneira frutifera e se estendam, direta ou indiretamente, à etologia animal, à psicologia da criança, à embriologia e às neuro-ciências’’(...) inventando o domínio da etologia humana(...) produzindo um choque que começou a abalar muitas idéias preconcebidas e a incomodar as certezas de disciplinas como a psicologia, a antropologia ou mesmo a sociologia’’.

    Dominique Lecourt, precisa ainda que as teorias de Cyrulnik ‘’insistem sobre a epigênese, levando-o a enfrentar a questão  do sentido (...), ‘’os acidentes que prejudicam o seu nascimento nos homens a partir  do que a psiquiatria e a psicanálise nos ensinam sobre o corpo, o desejo, o significante’’. Com efeito, ‘’muitas são as tragédias que impedem os pequenos seres humanos de terem acesso à aventura da palavra’’.

    Enfim suas teorias  anunciam o fim  do behaviorismo,  que havia se revigorado com a sociobiologia: jamais alguém será capaz de  explicar o comportamento humano através de um esquema reduzindo-o a um jogo de estimulos e respostas. Muitos animais misturam consideravelmente  as cartas  do jogo, desde suas atividades perceptivas mais simples’’.

    Boris Cyrulink, por sua vez, afirma que ‘‘  o novo ponto de vista  etológico modifica o estatuto da palavra, que deixa de cair do céu para se enraizar no corpo, no afetivo e no laço social’’(idem pg 116). E termina seu livro se perguntado ‘’se a etologia humana [que ele defende] não seria, em última análise, uma ética, mas que isto deve ser debatido’’.

    2) Depressão pós-parto ou o estrangeiro em mim

    Sobre o filme de Emily Atef: L’étranger en moi, visto na televisão Arte.

    Eliezer de Hollanda Cordeiro

    Baby blues é o conjunto de sinais e sintomas, uma síndrome que atinge a maioria das jovens mamães poucos dias após o parto.O bebê nasceu, ela parece contente,tranquila e segura, mas,  de repente tudo lhe faz chorar,  parece-lhe dificil e acima de suas forças. E ela se angustia, se deprime. O baby blues designa a síndrome do terceiro dia.

    Contudo, estatísticas francesas indicam que a verdadeira depressão pós-parto atinge cerca de 8% das parturientes, necessitando hospitalização e cuidados especialisados. E que, entre os  sintomas importantes  da depressão pós-parto, alguns são bastante negligenciados e esquecidos, como os perigos encorridos pelo bebê, as perturnbações que podem surgir na vida do casal e os problemas que podem atingir a vida de toda a família.

    Foi esta questão do desencadeamento de uma depressão grave numa jovem mãe que levou  a cineasta franco-iraniana, Emily Atef,  a realizar o filme dramático intitulado L’étranger en moi (O estrangeiro em mim), transmitido por Arte, televisão franco-alemã.

    Mathilde Blottière, jornalista da revista Télérama, nos diz de maneira muito poética: ‘’Quem disse que o nascimento de uma criança é o dia mais bonito da vida de uma mulher?Grávida, Rebecca regozijava-se com a perspectiva da chegada do bebê.Mas  ao se tornar mãe,ela não ressentiu nenhuma afeição pelo recém-nascido e não soube como cuidar dele.A criança causava-lhe aborrecimento e a incomodava...

    Tocando no mito da maternidade esplêndida a partir da depressão pós-parto(...), a diretora Emily Atef perturba nossas certezas e denuncia a pressão social que hoje pesa nas jovens mães.Assim, a jovem mãe ,heroina do filme,  não poude contar com a ajuda dos parentes, tendo inclusive de enfrentar, sozinha,   o aumento gradativo de suas  reações: perplexidade,desconfiança e hostilidade.

    Mathilde Blossière elogia a interpretação da atriz alemã Susanne Wolff, [que] vive intensamente  o personagem perdido que interpreta, passando, repentinamente, de um excesso de emotividade à violência.”

    A lição do filme é clara: a depressão pós-parto pode atingir qualquer mulher, mas, se ela recebe os cuidados apropriados, ele cura. A jornalista descreve a mais bonita cena do filme: uma terapeuta fazendo uma massagem na  jovem mãe, que reproduz o mesmo gesto agradável e afetuoso  em seu bebê.

    3. REVISTAS

    L’évolution pychiatrique

    L’information psychiatrique

    Impacte medecine

    La revue française de psychiatrie et de psychologie medicale 

    L’encephale

    Psychiatrie française

    L’autre, culture et societes

    4. ASSOCIAÇÕES

    Mission nationale d’appui en sante mentale

    Association française de psychiatrie et psychologie legales (afpp)

    Association française de musicotherapie (afm)

    Association art et therapie

    Association française de therapie comportementale et cognitive (aftcc)

    Association francophone de formation et de recherche en therapie comportementale et cognitive (afforthecc)

    Association de langue française pour l’etude du stress et du trauma (alfest)

    association de formation et de recherche des cellules d’urgence medico  psychologique (aforcump)

    Association pour la fondation Henri Ey

     

     


    TOP