Graziela Stein

 

Poesia dedicada ao Professor João Romildo Bueno que nos deixou em 17 de agosto e que recebeu expressivas homenagens no Congresso Brasileiro de Psiquiatria do Rio de Janeiro

Graziela Stein de Vargas é psiquiatra em Porto Alegre

 

Cheira à Buenos Aires, à Rio, à Minas Gerais

Mas também cheira à Porto Alegre, São Paulo, Lisboa e muitos outros lugares

Cheira a limão

Não por ser cítrico

Mas pela acidez de suas doces palavras

E digo doces

Apesar da aparente ambiguidade

Porque no máximo ele era agridoce

Ainda que sua doçura parecesse muitas vezes imperceptível

Pois se dizia rebelde e muitas vezes se comportava de maneira ácida

Suas palavras

Nem sempre suaves e muito menos acolhedoras

Escondiam o real aventureiro e humilde do próprio saber

Nunca trilhou o caminho do descobrir e encobrir

Ao contrário, sempre esteve aberto o eterno libertino

Eu diria explícito

Entretanto, foi mestre no caminho do saber

E percebeu que saber não é possuir, mas entregar-se

Em sua estrada entregou-se à vida

Às paixões

Aos amigos

Aos sabores e saberes

Aos dissabores e aos inimigos

Ainda que nada simples

Eu diria complexo

Era ultrajantemente interessante

Possuidor de jargões e neologismos

Por hora doce

Por outras vezes ácido aos ouvidos

Mas sempre autêntico

E por assim o fazer parecia mais ser um menino rebelde

Um doce menino

Que jamais envelheceu

Que nunca soube antes o que é cansar dos outros

Desconheceu o verbo esquecer

E muito menos o verbo emudecer

Cabe agora dizer-te

Tu não jazes

Ao contrário, tua consciência viva faz dentro de cada um de nós

As mesmas provocações

E seguirás assim

Portanto, para sempre em nossos corações

Nosso doce e velho menino

Cabe agora dizer-te

Não te esqueceremos jamais

[23:38, 28/10/2019] Graziela: Se chama Romildo Bueno…