Volume 22 - Novembro de 2017
Editores: Giovanni Torello e Walmor J. Piccinini

 

Agosto de 2009 - Vol.14 - Nº 8

France - Brasil- Psy

Coordenação: Docteur Eliezer DE HOLLANDA CORDEIRO

Quem somos (qui sommes-nous?)                                  

France-Brasil-PSY é o novo espaço virtual de “psychiatry on  line”oferto aos  profissionais do setor da saúde mental de expressão  lusófona e portuguesa.Assim, os leitores poderão doravante nela encontrar traduções e artigos em francês e em português abrangendo a psiquiatria, a psicologia e a psicanálise. Sem esquecer as rubricas habituais : reuniões e colóquios, livros recentes, lista de revistas e de associações, seleção de sites.

Qui sommes- nous ?

France-Brasil-PSY est le nouvel espace virtuel de “psychiatry on line”offert aux professionnels du secteur de la santé mentale d’expression lusophone et française. Ainsi, les lecteurs pourront désormais y trouver des traductions et des articles en français et en portugais  concernant la psychiatrie, la psychologie et la psychanalyse. Sans oublier les rubriques habituelles : réunions et colloques, livres récentes, liste de revues et d’associations, sélection  de sites

SOMMAIRE (SUMÁRIO):

 

  • 1. A GLOBALIZAÇÃO DAS DOENÇAS MENTAIS
  • 2. LIVROS RECENTES
  • 3. REVISTAS
  • 4. ASSOCIAÇÕES
  • 1. A GLOBALIZAÇÃO DAS DOENÇAS MENTAIS

    Referência : « Quand les maladies se mondialisent », artigo de Philippe Petit[http://www.champ-vallon.com/Pages/PagesTotalite/Godin0c.html],  revista  Marianne,  n°235,  juin  2009.

    Tradução e resumo : Dr. Eliezer de Hollanda Cordeiro, psiquiatra inscrito na Ordem dos Médicos da França.

     

    A globalização  continua seguindo seu rumo inexorável em todos os domínios.O domínio da saúde não constitue uma exceção : que se trate de  doenças do corpo ou do espirito, pode-se constatar um duplo processo em ação : o aumento  da propagação viral, responsável das novas epidemias planetárias e  a uniformização globalizada dos comportamentos no caso das  doenças mentais. 

    Mas se as epidemias (gripes aviária, bovina, suina…) continuam dando  lugar a uma avalanche de comentários,  poucas pessoas se inquietam   diante dos rumos tomados pela psiquiatria quando ela procura estabelecer um paralelo entre os distúrbios mentais e as afecções médicas gerais, como isto é proposto pelo DSM, a classificação internacional das doenças mentais vinda dos EEUU e que conseguiu se impor ao mundo inteiro.

    A mundialização desta classificação conseguiu até contaminar a linguagem da psiquiatria, por exemplo ao fazer dos distúrbios da personalidade, outrora reservados a uma nosologia restrita, os agentes responsáveis pela  propagação da desordem pública. Ou então quando ela suscita  novas  normas sociais em nome do bem-estar. Ora,  existe uma diferença fundamental entre o fato de estar doente (ser doente) e o de se ter uma doença.

    O CASO DA DOENÇA MENTAL

    Para compreendermos como  a doença mental se mundializou é necessário explicarmos  a encenação das crises sanitárias.

    A partir de 1990, notadamente sob a impulsão dos laboratórios farmacêuticos, se desenvolveu a generalização de um novo vocabulário psiquiátrico por meio de uma nova tabela diagnóstica vinda dos EEUU, aproximando  o vocabulário sanitário e o vocabulário da psiquiatria.

    Com o DSM, explica o psicanalista Jean Cooren, ‘’a idéia é que seria enfim possivel se livrar  das antigas  marcas nosográficas da escola francesa de psiquiatria. Desde  então,  a comunicação se faria no mundo inteiro pelos computadores,  graças a palavras chaves oriundas de uma nova e única língua. Desta forma,o enfoque fenomenológico  psicanalítico do sofrimento seria  expulso do campo psiquiátrico  ou se tornaria um anexo. Ao mesmo tempo,  o enfoque neurofisiológico seria considerado mais sério por dispor da etiqueta científica.’’

    Com a nova nomenclatura, basta se preencher uma  casa para  se tomar a decisão de que há ou não há  doença, por conseguinte de que se deve  ou não se deve  tratá-la.

    Conclusão, se antigamente lidávamos  com  um doente que se exprimia por meio de uma queixa, hoje, esta mesma pessoa é vista comoportadora de signos de  uma doença, devendo ser tratada quimicamente, até mesmo contra a sua vontade.

    O QUE É A DOENÇA ?

    ‘’Parece até fácil se definir a doença de maneira pragmática. Portanto, uma tal tentativa encontra  dificuldades insuperáveis. Em primeiro lugar, existe uma diferença fundamental entre ser   doente e  ter uma doença’’, salientou o historiador da medicina Mirko Grmek[http://fr.wikipedia.org/wiki/Mirko_Grmek] (1924-2000), em sua História do pensamento médico no Ocidente(Seuil).

    Philippe Petit comenta esta passagem lembrando que  ‘’ a história da medicina está repleta desta indecisão : ela  não cessou de oscilar entreuma visão natural, biológica e social da doença, por um lado, e , por outro lado, uma visão metafísica As doenças são pragas, mas elas são também mistérios que exigem sem cessar novas interpretações’’.

    O que caracterisa  esta dramática  evolução de uma psiquiatria  unificadora dos critérios e do protocolo de tratamento dos transtornos psíquicos é que ela procede exatamente como um médico suspeitando que seu  paciente está com a gripe suina : nos dois casos o médico privilegia a idéia de um protocolo único e de uma ação única norteando a avaliação  dos médicos, que se trate de distúrbio psíquico ou somático.

    Se o grande  Hipócrates(460-377 A.C.) pudesse ver o que se passa hoje, ele  viraria no seu túmulo. Ele não havia dito, há 2460 anos,  que  ‘’a arte médica se compunha  de tres termos : a doença, o doente e o médico’’ ? 
    2. LIVROS RECENTES

    *La terreur d’exister: fonctionnements limites à l’adolescence

    Maurice CORCOS

    Paris : Dunod, 2009—23 €

    *Manifeste pour une psychiatrie de la personne : pour une personne, par une personne, avec des personnes 

    Direction : Simon-Daniel KIPMAN

    Rueil-Malmaison(Hauts-de-Seine) : Doin, 2009—27 €

    *Handicap mental profond et musique

    Annie STAMMLER

    Paris : Campagne première, 2009—16 €

    *La sexualité féminine

    Jacques ANDRÉ

    Paris : PUF, 2009—9 €

    *Crise et contre-transfert

    Pierre FÉDIDA

    Paris : PUF, 2009—15 €

    *Le site de l’étranger

    Pierre FÉDIDA

    Paris : PUF, 2009—15 €

    *Les 1000 mots de la psychanalyse

    Jacques ANDRÉ

    Paris  PUF, 2009—9 €

    *Les phobies : agoraphobie, phobies sociales, phobies simples

    Jean-Louis PEDINELLI , Pascale BRETAGNE

    Paris :Armand Colin, 2009—9,40 €

    *La névrose infantile de la psychanalyse

    Gérard  POMMIER

    Ramonville-Saint Agne(Haute Garonne) : Erès, 2009 – 12 €

    *L’amour en plus : histoire de l’amour maternel, XVII-XX siècle

    Elisabeth BADINTER

    Paris : LGE, 2009—6,50€

    *L’insertion en question—Sécret et Signalement

    Stéphene LELONG

    Collection Études psychanalytiques

    Paris : L’Harmattan, mars 2009—29,50 €

    3. REVISTAS

    * L’Évolution pychiatrique,

    *L’Information Psychiatrique

    *Impacte medecine

    *La revue française de psychiatrie et de psychologie medicale *L’encephale

    *Psychiatrie française

    *Evolution psychiatrique

    4. ASSOCIAÇÕES

    *Mission Nationale d’Appui en Santé Mentale

    *Association française de psychiatrie et psychologie legales (afpp)

    *Association française de musicotherapie (afm)

    *Association art et therapie

    *Association française de therapie comportementale et cognitive (aftcc)

    *Association francophone de formation et de recherche en therapie comportementale et Cognitive (afforthecc)

    *Association de langue française pour l’etude du stress et du trauma (alfest)

    *Association pour la fondation Henri Ey

    *Association internationale d’ethno-psychanalyse (aiep)

    *Ecole parisienne de gestalt

    *Ecole française de sexologie

    *Ecole de la cause freudienne

    *Groupement d’études et de prevention du suicide (geps)

    *Groupe de recherches sur l’autisme et le polyhandicap (grap

    *Société française de thérapie familiale (sftf)

    *Société française de recherche sur le sommeil (sfrs)

    *Société française de relaxation psychotherapique (sfrp)

    *Société de psychologie medicale et de psychiatrie de liaison de langue française

    *Société médicale Balint

    *Union nationale des amis et familles de malades mentaux (unafam)

    *Association Psychanalytique de France (apf)

    *Société Psychanalytique de Paris (spp)


    TOP