Volume 11 - Março de 2006
Editor: Giovanni Torello


Junho de 1999 - Vol.4 - Nº 6

ALGUMAS IDÉIAS SOBRE A FAMÍLIA
("Dia das Mães", comentários sobre os filmes "Festa em Família" e "Happiness", terapia de família)

Dr Sérgio Telles

1) Chamou-me a atenção a notícia publicada na "Folha de São Paulo" (5/5/99), a respeito de uma campanha na internet lançada em função do "Dia das Mães" pela norte-americana Vicki L., uma programadora de computadores de Nova York de 38 anos. A campanha se chama "Turn your web page black for Mother's Day" (Deixe sua web page negra pelo Dia das Mães). Vicki L. acredita que é grande o número de pessoas que, como ela, vêem este dia como uma data triste por fazer lembrar um relacionamento difícil e traumático com a mãe. Em seu site (www.asarian.org/~vickis/mday_why.htm) ela diz: "Esta página está de preto para o Dia das Mães. Essa data comemorativa é difícil e dolorosa para aqueles de nós que foram ou ainda são maltratados pelas próprias mães. Há mães que maltratam os filhos fisicamente, há mães que ofendem seus filhos verbalmente, há mães que abusam emocionalmente de seus filhos, há mães que abusam sexualmente de seus filhos. A sociedade glorifica e idealiza a maternidade. Não quer que nós acreditemos que as mães possam maltratar as crianças. Quer fazer crer que isso não é natural e que é incrivelmente raro. Isso não é tão raro quanto se pensa. Queremos declarar nossa solidariedade com aqueles que sofreram muas tratos por parte de suas mães."

É uma atitude corajosa a de Vicki L. Expressa uma triste realidade, vista correntemente por qualquer analista ou terapeuta individual ou de família. Sabemos como são complexos e ambivalentes os vínculos que ligam filhos e mães, como são cheios de ódios e amores, permeados por culpas, configurando uma realidade muito mais complexa e conflitiva do que aquela edulcorada e idealizada sob a rubrica de "Dia das Mães".

O amor dos filhos pelas mães e seu correlato, o ódio dos filhos pelas mães, configuram aspectos fundamentais de sua estruturação como sujeito. Ambos se estabelecem nas relações primárias duais, organizadoras do narcisismo primário, com sua conotação fusional geradora da mônada mãe-filho. Essa relação tem uma posterior reorganização com a estrutura triangular do Complexo de Édipo, quando ingressa a figura do pai, também objeto de intensos afetos.

Estudos psicanalíticos com a família levam em conta não só a família nuclear, mas também o parentesco alargado, incluindo duas ou três gerações ascendentes, o que permite reconhecer o narcisimo primário e o complexo de Édipo dos pais. Tal inclusão permite ver como eles - os pais - revivem com os filhos, neles projetando, situações mal resolvidas que envolvem suas identidades e suas castrações simbólicas. Assim, muitas vezes o filho está vivendo uma situação cujo início deu-se duas gerações anteriores.

 

2) Dois filmes recentemente exibidos, o dinamarquês "Festa em Família", de Thomas Vinterberg, e o americano "Happiness", de Todd Solondz, abordam conflitos familiares e deveriam ser vistos por todos que se interessam por cinema e por psicoterapias individuais ou familiares. "Festa em Família" mostra o esforço para desvelar um segredo familiar feito pelo membro da família considerado "louco", "neurótico", "artista". Este, na festa de 60 anos do pai, estando toda a família reunida, denuncia os estupros que o pai infligia a ele e à irmã, que teria se suicidado anos depois por isso. Vemos como a família resiste intensamente frente a emergência desta verdade ameaçadora, que, se reconhecida, mudaria para sempre os padrões de relacionamento familiar. O filho que faz a denúncia é sistematicamente desqualificado, desautorizado, expulso, espancado, chamado de "louco". Tudo é feito para calá-lo. Quando finalmente a verdade se impõe, há uma benéfica catarse, um grande alívio para todos, personagens e espectadores.

Vintenberg, na feitura de seu filme, assume os pressupostos do grupo "Dogma", que propugna pela volta aos valores tradicionais do cinema, ignorando os grandes artifícios dos efeitos especiais e do "design" eletrônico, apanágio dos mega-estudios de Hollywood, que nisso são imbatíveis.

O grupo "Dogma" luta por um cinema humano, onde bons atores, bons roteiros e os recursos próprios da linguagem cinematográfica são suficientes para produzir um bom filme. Assim, "Festa em Família" tem uma narrativa clássica, que se desenvolve linearmente no tempo e no espaço, com poucos flashbacks. É o que se chama de uma história bem contada.

Comparado com "Festa em Família", "Happiness" é muito mais radical, tanto na forma como no conteúdo, em sua denúncia da desagregação familiar. Aqui a própria narrativa parece não ter um centro específico, há uma fragmentação propositada, não há "protagonistas" enquanto personagens centrais que captem uma força maior e decisiva na trama. Todos tem mais ou menos o mesmo peso e valor, todos se equiparam sem hierarquias. Se quizermos seguir um mínimo de estrutura, podemos acompanhar o personagem "Joy" (em inglês "alegria") em suas perambulações através de sua família, vizinhos e trabalho, para vermos o desfile desse amontoado de misérias humanas, de solidão, de incompreensão, de loucuras as mais tenebrosas, que vão desde abusos sexuais de crianças (pedofilia) a assassinatos e mutilações (castrações). O filme não faz nenhuma concessão ao "happy-ending", o que não deixa de acontecer no "Festa em Família".

Aqui a loucura, a deseperança, são simplesmente constatadas e, por mais grotescas e impactantes, o diretor consegue mostrá-las com uma tocante compaixação. Solondz parece querer dizer que, apesar de tudo, a vida continua. Mas a loucura cobra seu preço. Os personagens entram numa progressiva dissociação, num afastamento de seus próprios sentimentos, em negações as mais violentas, em fechamentos narcísicos, na anulação da dor, do luto e do sofrimento.

Em "Festa em Família" Vintenberg parece fustigar a velha e tradicional família patriarcal, rigidamente estruturada. Em "Happiness", aparece a família mais "moderna", onde a estrutura patriarcal desaparece, se dilui, se desmancha. Não há a figura poderosa de um pai, todos estão mais ou menos no mesmo plano, em grande confusão. É interessante como isso se evidencia, como já disse, na própria estrutura formal dos dois filmes - "Festa em Família" seguindo um roteiro mais convencional, "Happiness" optando por uma estrutura mais fragmentária e descentrada.

Por outro lado, essa polaridade evidencia importante problema referente às vicissitudes enfrentadas pela família em nossos tempos. Se a rigidez patriarcal é superada, nem por isso a atual organização parece trazer menos problemas.

Talvez para atrair maior bilheteria, "Happiness" está classificado nos jornais como "comédia", quando está muito mais para "tragédia", na melhor das hipóteses para "drama". Isso não impede alguns toques de humor, que se insinua nas situações as mais desesperadas, especialmente as que cercam Joy, uma moderna Pangloss. As risadas nervosas e deslocadas ouvidas na platéia são sintomas da angústia que está sendo levantada.

 

3) Quer seja no amargo depoimento de Vicki L., quer seja na trama dos dois filmes, estamos lidando com o importante papel que a família desempenha no aparecimento da loucura, do sofrimento psíquico. Essa visão tem importantes desdobramentos teóricos, fazendo parte da vertente psicogênica da etiologia dos transtornos psiquiátricos, tributária dos aportes psicanalíticos.

Na medida em que a psicanálise considera que o sujeito humano se constitui a partir de identificações com figuras primitivas, advindas das relações primeiras com os pais, a perturbação destas relações estaria na gênese da psicose e das doenças mentais em geral.

Entretanto, a abordagem psicanalítica da família, que poderia parecer um desdobramento natural e imediato de suas descobertas, teve uma evolução um tanto problemática e ambígua. Não há, ainda hoje, na formação do analista um estudo específico sobre a família e, de certa forma, os analistas que a ela se dedicaram, a começar com Nathan Ackermann nos anos 50 nos Estados Unidos, o fazem de forma um tanto marginal dentro da comunidade analítica.

Acredito que esta visão um tanto reticente da abordagem psicanalítica da família ainda persiste em função de elementos históricos.

Como sabemos, Freud abandonou sua "teoria da sedução", que enfatizava, na constituição dos sintomas, a importância da realidade externa (na maioria das vezes, uma realidade familiar, como mostrava a denúncia de sedução sexual atribuida aos pais pela histérica), substituindo-a pela realidade interna, pelas fantasias derivadas do Complexo de Édipo.

Aquilo que era uma relação intersubjetiva passa a ser entendida como uma relação intrasubjetiva. Desde então o foco da psicanálise está centrado no mundo interno, no psiquismo do paciente e na relação transferencial que estabelece com o analista. A realidade da relação do paciente com sua família foi considerada irrelevante, desde que já interiorizada e reformulada em funcão de desejos e fantasias inconscientes.

Freud afastou-se do enfoque individual no final de sua obra, ao analisar a sociedade em "O Futuro de uma Ilusão", "O Mal-estar na Cultura". Mas, ao fazê-lo, não levou em conta a questão do parentesco, ou seja a organização familiar.

O enfoque analítico da família tem sido retomado mais recentemente, levando em conta "o lugar, o papel e a função do parentesco alargado na sobredeterminação do Complexo de Édipo", como diz Pierre David ("Psicanálise e Família" – Prefácio de Françoise Dolto – Martins Fontes – 1977).

Diz ele: "É a prática psicanalítica das crianças e das psicoses que nos leva a perscrutar a genealogia. Nas crianças somos muitas vezes confrontados com a presença de duas ou três gerações (o filho, os pais, os avós). E a genealogia não é indiferente na gênese das psicoses. Em contrapartida, no tratamento clássico das neuroses, o parentesco alargado às vezes só muito pouco surge no discurso do paciente. É assim que a extensão das investigações e do leque terapeutico nos leva cada vez mais a examinar a complexidade das relações familiares e de parentesco. Por este caminho chegamos à convicção da sobredeterminação da situação edipiana de um indivíduo pela de seus ascendentes. Assim, o Complexo de Édipo assume novo relevo. Na realidade aparente da família contemporânea o parentesco alargado só indiretamente intervém. Acontece com bastante frequencia uma família nuclear não manter qualquer relação com o parentesco alargado. Mas, em profundidade, o Édipo mal resolvido de um ou dos dois progenitores traz consigo a entrada em jogo desse parentesco. Veremos (...) que existe ruptura do triângulo edipiano quando um progenitor faz entrar o filho no jogo das suas próprias relações interiorizadas com os pais, escotomizando o cônjuge. A relação de parentesco alargado deveria ser apenas longínqua na vida do casal e permanecer somente enquanto respeito simbólico e laços afetuosos. Isso deveria estar garantido pela resolução do Édipo dos pais. É ao que chamo de "subjetivização" da relação de parentesco alargado. Raramente acontece".(pg. 56)

A relação intrínseca entre o Complexo de Édipo dos pais com o dos filhos é assim posta por Françoise Dolto: "Na verdade são adultos (os pais) cuja relação pré-edipiana e edipiana com seus (próprios) pais não foi ultrapassada e cujos impulsos arcaicos recalcados despertaram em contactos com sua prole (filhos). Interdizem verbalmente à criança o prazer que continuam a obter a custa dela" (pg. 17).

Ainda, na opinião de David, Laing e Cooper, ao criticarem o "isolacionismo psicanalítico no tratamento das psicoses e das crianças", forçou uma retomada do interesse dos psicanalistas no estudo da família.

 4)A corrente organicista entende que o psicótico é o "portador" de uma doença que não é compartilhada com sua família. Esta necessita apenas aprender a conviver, a lidar, a ter instrumentos para enfrentar momentos de crise e agravamentos, etc, tal como faria com um queimado, com um hemiplégico, com um altzheimer, com um diabético.

Essa postura teórica muito se afasta da visão que Vicki L., os filmes citados e os trabalhos analíticos sobre a família sustentam. Deles se depreende a existência de um complexo relacionamento familiar que é responsável pela nossa constituição como sujeitos. A família é o palco onde o drama edipiano se realiza com todas suas consequências normativas ou desviantes, podendo produzir diversas patologias, como a psicose.

Aqui o psicótico não é apenas o "portador" dentro de uma família sã. Aqui se pensaria em todo um padrão de relacionamentos conflitivos, onde os édipos de diferentes gerações se confundem e misturam, com resultados desastrosos.

O estudo das famílias é um campo imenso e muito importante, que levanta grandes questões teóricas e práticas tanto para a psicanálise como para a psiquiatria.


TOP