Volume 11 - Março de 2006
Editor: Giovanni Torello


Maio de 1999 - Vol.4 - Nş 5

"O que é científico?" (V)

Rubem Alves

Fico logo arrepiado quando ouço alguém afirmar: " Estou convencido de que..." Digo logo para mim mesmo: "Cuidado! Lá vai um inquisidor em potencial!" Convicções são entidades mais perigosas que os demônios. E o problema é que não há exorcismo que seja capaz de expulsá-las da cabeça onde se alojaram, pela simples razão de que elas se apresentam como dádivas dos deuses. Os recém-convertidos estão sempre convictos de que, finalmente, contemplaram a verdade. Daí a transformação por que passam: seus ouvidos, órgãos de audição, se atrofiam, enquanto as bocas, órgãos da falam, se agigantam. Quem está convicto da verdade não precisa escutar. Por que escutar? Somente prestam atenção nas opiniões dos outros, diferentes da própria, aqueles que não estão convictos de serem possuidores da verdade. Quem não está convicto está pronto a escutar - é um permanente aprendiz. Quem está convicto não tem o que aprender - é um permanente ( eu ia dizer "professor". Peço perdão aos professores. O professor verdadeiro, acima de todas as coisas que ensina, ensina a arte de desconfiar de si mesmo...) mestre de catecismo. " Boca de forno! Forno! Furtarm um bolo! Bolo...". Dizia Nietzsche que "as convicções são piores inimigos da verdade que as mentiras." Estranho isso? Não. Absolutamente certo. Porque quem mente sabe que está mentindo, sabe que aquilo que está dizendo é um engano. Mas quem está convicto não se dá conta da própria bobeira. O convicto sempre pensa que a sua bobeira é sabedoria.

As inquisições se fazem com pessoas convictas. O Inquisidor não está interessado em ouvir as razões daquele que está sendo inquirido. Interessa-lhe uma coisa apenas: " As idéias dessa pessoa são iguais ou diferentes das minhas?" Se forem iguais, está absolvido. Se forem diferentes, vai para a fogueira.

As consequências mortais e paralizantes das convicções se espalham por todos os campos. É bem sabido o que as convicções religiosas fizeram na Idade Média. A igreja católica e as igrejas protestantes, convictas de serem possuidoras de verdades que lhes haviam sido diretamente reveladas por Deus, mataram nas fogueiras milhares de pessoas inteligentes e boas simplesmente pelo crime de pensarem diferente: João Huss, Savonarola, Giordano Brunno, Miguel Serveto. Galileo escapou por pouco, graças à mentira.

Mas os demônios das convicções tem atributos dos deuses: são onipresentes. Escorregam da religião. Emigram para a política. Milan Kundera, em A insustentável leveza do ser, escreveu esse parágrafo luminoso sobre a relação entre as convicções e os crimes políticos. " Aqueles que pensam que os regimes comunistas da Europa Central são obra exclusiva de criminosos deixam na sombra uma verdade fundamental: os regimes criminosos não foram feitos por criminosos, mas por entusiastas convencidos de terem descoberto o único caminho para o paraiso. Defendiam corajosamente esse caminho, executando, por isso, centenas de pessoas. Mais tarde ficou claro que o paraiso não existia, e que, portanto, os entusiastas eram assassinos."

As igrejas ditas cristãs, para proteger suas verdades se valiam de meios que elas mesmas lamentavam. "Os fins justificam os meios", alegavam. A mesma coisa pode ser dita dos governos dos ditadores, convencidos de que eles estavam a caminho do paraiso. " Que pena que temos de usar a violência! Mas são eles mesmos que nos obrigam! Querem desviar o povo da caminho verdadeiro!"

Nenhuma instituição está livre dos demônios das convicções. Nem mesmo a ciência. As instituições científicas são movidas pelas mesmas leis sociológicas, políticas e psicanalíticas que movem as igrejas e os governos. Para se entender bem as instituições científicas há de se ler Maquiavel, Freud e Foucault.

Os sacerdotes da ciência me responderão: "Peguei-te! Porque um dos dogmas centrais da ciência é que não estamos nunca de posse da verdade final. As conclusões da ciência são sempre provisórias. A ciência não tem dogmas!.

Certo, certíssimo! A ciência não tem dogmas quanto aos seus resultados. Pelo menos oficialmente, em sua declaração de intenções. Mas essa pretenção é constatada por Thomas Kuhn, autor de A estrutura das revoluções científicas . Ele afirma, baseando-se em dados históricos, que a ciência tem dogmas sim. E os seus dogmas são mantidos pelos cientistas que se agarram às suas teorias e não admitem jamais que a verdade possa ser diferente. Diz Kuhn que, frequentemente, é só com a morte desses papas que os dogmas caem do seu pedestal.

Mas, deixando isso de lado, há um dogma sobre o qual todos estão de acordo: o dogma do método. O que é o dogma do método ? Já expliquei: o método é a rede que os cientistas usam para pegar os seus peixes. E está certo: é preciso rede para pegar peixe. O dogma aparece quando se diz que real é somente aquilo que se pega com as redes metodológicas da ciência. Foi isso que fizeram com o meu augusto amigo: ele foi mostrar aos os seus amigos os pássaros que ele havia encantado tocando flauta e todos disseram: " Não foi pego com as redes metodológicas da ciência! Não é real! Não merece respeito!"

A loucura chega ao ponto do ridículo. Recebi uma carta de uma jovem que estava fazendo uma tese científica sobre minhas estórias infantis. A pobrezinha me escreveu uma carta, pedindo que eu respondesse um questionário. Ela, certamente nas mãos de um orientador científico, possuido pelo dogma do método, me colocava duas perguntas que me fizeram sorrir/chorar. Primeira pergunta: "Qual a teoria que o senhor usa para escrever suas estórias?" Segunda pergunta: "Qual o método que o senhor usa para escrever suas estórias?" Aí eu tive de contar para ela que muitas coisas nesse universo, muitas mesmo, nos chegam sem que as pesquemos com as redes da ciência. O que dizia Picasso: " Eu não procuro. Eu encontro." As estórias são assim. A gente vai vagabundando, fazendo nada, com uma coceira no pensador, e de repente a estória chega - nas palavras do Guimarães Rosa - como a bola chega nas mãos do goleiro: prontinha. Sem teoria. Sem método. É só ir para casa e escrever. Uma coisa é certa: a estória não me chega quando estou trabalhando, quando estou procurando. E é assim que acontece com a poesia, a música, a literatura, a pintura e, inclusive a ciência. As boas idéias não são pescadas nas redes metodológicas. Não há método para se ter idéias boas. Se houvesse método para se ter idéias boas, bastaria aplicar o método que seríamos inteligentes. Frequentemente o resultado do uso do método é o oposto da inteligência. O tipo está lançando suas redes, as redes voltam sempre vazias, e ele não se dá conta dos pássaros que se assentaram no seu ombro. A obsessão com o método entope o caminho das boas idéias.

Entenderam agora a razão para essa série de crônicas com o título O que é científico ? É que eu estou preocupado com a devastação que o dogma do método pode fazer na inteligência e no caráter das pessoas, especialmente os jovens pretendentes a um lugar nos templos da ciência, coroinhas a serviço dos bispos. Na inteligência porque ele pode produzir cegueira: só é real o que cai na rede ortodoxa. (Veio-me agora uma idéia - chegou-me gratuitamente, sem método: o livro do Saramago, sobre a cegueira, não será uma parábola? Vou investigar...) No caráter porque ele pode tornar as pessoas intolerantes e inquisitoriais. Há sempre o perigo de que a ciência - coisa tão boa - se torne uma convicção religiosa, um dogma sobre a única via metodológica de se conhecer a realidade.


TOP