Volume 11 - Março de 2006
Editor: Giovanni Torello


Julho de 1997 - Vol.2 - Nº 7

Metanálise e Psiquiatria

Ana C. Chaves*, Karla V.S.Soares** Denise Razzouk*** Jair de Jesus Mari****
* Doutora em Medicina e Psiquiatra do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP
** Doutora em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da UNIFESP e Membro do Cochrane Schizophrenia Group (Oxford) e do Centre for Evidence-Based Medicine (Oxford University)
*** Psiquiatra Pós-graduanda do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP
**** Professor Titular do Departamento de Psiquiatriada UNIFESP e Vice-diretor do Centro Cochrane do Brasil e Editor do Cochrane Schizophrenia Group.

A Metanálise ou Revisão Sistemática da Literatrura tem sido utilizada para avaliar os resultados de estudos originais sobre um determinado tema. Consiste em um método mais avançado do que o tradicional artigo de revisão, porque além de resumir os resultados de vários estudos de uma área de pesquisa e de propôr recomendações com implicações clínicas, a metanálise permite, também, minimizar os vieses das revisões, através de critérios padronizados para a seleção, avaliação e análise dos estudos.

A Metanálise avalia mais objteivamente uma dada questão clínica e a sua relação com o tratamento, causalidade e acurácia de um teste diagnóstico.

O termo Metanálise foi introduzido em 1976 por Gene Glass da Universidade do Arizona. Em Psiquiatria, porém, as Revisões Sistemáticas de Literatura apresentam maior notoriedade a partir da década de 90, com alguns estudos sobre a eficácia das intervenções terapêuticas como os trabalhos de Mari &Streiner (1994) e Bollini (1994).

Os princípios em que se apóia a Metanálise são os seguintes:

  • definição de uma hipótese inicial;  
  • descrição dos procedimentos a serem adotados (elaboração de um protocolo com critérios de avaliação dos artigos bem definidos).

A Metanálise se processa em duas fases: uma qualitativa e outra quantitativa.

fase qualitativa: elaboração de um protocolo com as principais questões do estudo, critérios de inclusão, técnicas de análise estatística). Pesquisar em dois ou mais bancos de dados (MEDLINE, PsychoInfo, Excerpta Médica, Science Citation Index) é muito importante porque a relação de artigos varia muito de acordo com a fonte pesquisada. Um outro aspecto fundamental é a investigação dos resultados negativos (quando a hipótese de nulidade não for rejeitada). Além disso, é importante a inclusão de um segundo revisor para testar a aplicabilidade dos critérios adotados.

fase quantitativa: é a análise estatística dos estudos selecionados. São usados vários testes estatísticos para se avaliar a homogeneidade entre os estudos, isto é, verificar se os estudos são suficientemente semelhantes para serem agrupados, e caracterizá-los de forma detalhada segundo as variáveis estudadas (sociodemograficas, gravidade de condição clínica) e a análise estatística propriamente dita.

As limitações da Metanálise estão relacionadas à comparação entre estudos que diferem quanto às medidas e às definições das variáveis que podem comprometer a validade do estudo. A inclusão de estudos metodologicamente inadequados constitui um ponto importante na avaliação dos estudos. E finalmente, o viés de publicação, isto é, o favorecimento de estudos com resultados postivos é uma outra limitação.

As Metanálises têm sido desenvolvidas em colaboração com os Centros Colaborativos do Cochrane (1992). Estes centros, em colaboração com 13 países (Inglaterra, Canadá, Austrália, França,etc) se direcionam para promover o desenvolvimento de metanálises e disseminar Revisões Sistemáticas de ensaios clínicos randomizados controlados em cuidados de saúde. Contribuem, também, para a melhora da qualidade das metanálises desenvolvidas. A difusão do banco de dados do Cochrane (Cochrane Library) é feita através da Web e de CD-ROM. O Brasil tem o seu primeiro centro do Cochrane (São Paulo) desde 1996 e na área de Saúde Mental, o Grupo de Revisão sobre Esquizofrenia* tem realizado diversos trabalhos.

A Metanálise representa atualmente uma disciplina científica voltada para a análise de resultados de estudos inconclusivos, conflitantes e não definitivos.

Desta forma, a Metanálise constitui um instrumento importante na síntese e análise criteriosa e científica do conhecimento atual.

Links na Internet sobre Metanálise
 

* Metanálises completas já desenvolvidas em Esquizofrenia e protocolos em desenvolvimento

An overview of family interventions and relapse on schizophrenia:meta-analysis of research findings. / Mari J.J. & Streiner, D. Psychological Medicine (1994)24:565-578.

 
Referências Bibliográficas

  1. Chaves,A.C.; Soares, K.V.S.; Mari, J.J (1995) - Metanálise e suas implicações para a pesquisa em Psiquiatria. Revista ABP-APAL 17:1:21-25.
  2. Mari,J.J. & Streiner,D.L. (1994) - An overview of family interventions and relapse on schizophrenia:meta-analysis of research findings. Psychological Medicine 24: 565-678.
  3. Saks,H.S.; Berrier,j.; Reitman,D; Ancona-Berk,V.A.; Chalmers, T.C. (1987) - Meta-analysis of randomized controlled trials. The New England Journal of Medicine 316: 450-455.
  4. Streiner, D.L. (1991) - Using meta-analysis in psychiatric research. Canadian Journal of Psychiatry 36: 357-362.

TOP