Volume 19 - Março de 2014
Editor: Giovanni Torello

 

Fevereiro de 2012 - Vol.17 - Nº 2

France - Brasil- Psy

Coordenação: Docteur Eliezer DE HOLLANDA CORDEIRO

Quem somos (qui sommes-nous?)                                  

France-Brasil-PSY é o novo espaço virtual de “psychiatry on  line”oferto aos  profissionais do setor da saúde mental de expressão  lusófona e portuguesa.Assim, os leitores poderão doravante nela encontrar traduções e artigos em francês e em português abrangendo a psiquiatria, a psicologia e a psicanálise. Sem esquecer as rubricas habituais : reuniões e colóquios, livros recentes, lista de revistas e de associações, seleção de sites.

Qui sommes- nous ?

France-Brasil-PSY est le nouvel espace virtuel de “psychiatry on line”offert aux professionnels du secteur de la santé mentale d’expression lusophone et française. Ainsi, les lecteurs pourront désormais y trouver des traductions et des articles en français et en portugais  concernant la psychiatrie, la psychologie et la psychanalyse. Sans oublier les rubriques habituelles : réunions et colloques, livres récentes, liste de revues et d’associations, sélection  de sites

SOMMAIRE (SUMÁRIO):

 

  • 1. RAÍZES MÉDICAS DA PSIQUIATRIA
  • 2. CRÍTICA DOS CENTROS DESTINADOS AOS BIPOLARES
  • 3. QUESTÃO AOS DEFENSORES DA CIÊNCIA COGNITIVA
  • 4. REVISTAS
  • 5. ASSOCIAÇÕES
  • 1) RAIZES MÉDICAS DA PSIQUIATRIA

    Dr. Eliezer de Hollanda Cordeiro(Tradução e resumo)

    A doutora Martine GIRARD, psiquiatra e psicoterapeuta no CHU de Toulouse , publicou   na Lettre de Psychiatrie Française (N° 204, 12/ 2011), um artigo que me chamou a atenção.Neste trabalho, ela  cita os seguintes autores:

    I)Jean-Jacques KRESS,  para quem ‘’a psiquiatria  contemporânea está  dividida em duas partes:um  modelo médico centrado na neurobiologia  e os modelos   das ciências humanas que levam em conta  a pessoa. Tudo se passa  como se a questão da relação intersubjetiva fosse definitivamente excluida do modelo médico’’.

    II)Michel PATRIS, professor no CHU de Strasbourg : ‘’além dos   sintomas, o objetivo verdadeiro do trabalho terapêutico do psiquiatra é o de refazer e manter  os laços entre os doentes e as outras pessoas. A psiquiatria é humanista e  combate a alienação. É daí que vem  sua dimensão psicoterápica: a deconstrução  dos mecanismos que  a vida psíquica encerra.A psicoterapia apoia-se na confiança que o paciente tem no terapeuta’. Num tal contexto,diz ainda  Michel PATRIS  ‘’reenviar a palavra do  paciente a ele mesmo (…) possibilita um alívio ilusório’’. Com efeito,   ‘’não é o discurso  contado pelo paciente que é terapêutico mas o fato de endereçá-lo  a um outro. O uso inapropriado  da neutralidade silenciosa pelo psicanalista pode até prejudicar sua escuta;’’

    III) Jean GUYOTAT, psiquiatra autor de vários livros, especialmente   Psychothérapies médicales (Psicoterapias médicas):  ‘’se é verdade que o efeito terapêutico consiste em obter o desaparecimento do sofrimento permanente de um individuo, isto também   implica  seu desejo de se livrar desse sofrimento  e o apoio dos  parentes  no mesmo sentido’’Devemos também levar em conta a noção de  aliança  criada entre o terapeuta e o paciente ou  entre o terapeuta e uma parte de seu paciente’’. Percebemos aqui  o paradoxo  inscrito no âmago de todo projeto terapêutico: ‘’os psicoterapeutas,inclusive os que tratam somente com medicamentos, têm de enfrentar   os benefícios individuais que acompanham o estado patológico do paciente,’’ lembrou  Martine GIRARD.

    A CLÍNICA, CONDIÇÃO  INDISPENSÁVEL A TODA PSICOTERAPIA

    IV)Martine Girard cita  Monique Thurin, psicóloga clínica e psicoterapeuta: ‘’a clínica é a base  que se deve  levar em conta no momento  da avaliação preambular  a uma terapia. A maneira como o diagnóstico é feita e os elementos nos quais ele se apoia vão condicionar  a possibilidade  e a escolha do enfoque psicoterápico. O diagnóstico nosográfico, segundo a categoria  (DSM, CIM), pode mostrar o que um paciente tem de comum com outros,  porém não nos permite a escolha  dum tratamento psicoterápico em função da história individual desse paciente.’’

    ‘’Que um ensino universitário de clínica psiquiátrica tome como base apenas o DSM  não quer dizer que   ele seja inútil, mas ele mostra seus limites   com relação a um projeto psicoterápico(...) Lawrance HARTMANN ,desde 1998,  denunciou a falta de abertura  do discurso objetivista em ‘’conversações  entre DSM-IV e DSM-IV’’( Child and adolescent Psychiatry research remains a challenge. AM. J. Psychiatry, 155 ; 4, 1998, 453-454.) . E Nancy ANDREASEN, corredatora do DSM, mostrou-se inquieta com o   desaparecimento ‘’da boa velha clínica da tradição européia; somos também médicos e devemos procurar entender como aqueles que queremos ajudar se sentem, pensam e mudam subjetivamente’’(N. ANDREASEN(1998), Editor’s Comment: The Crisis in Clinical Research,Am. J. Psychiatry,155: 4, 1998, 455).

    Duas posições extremas poderiam ser delineadas, escreve Martine Girard: ‘’o excesso de objetivação  que  elimina o sujeito clínico e a falta de objetivação do outro  que torna o sujeito clínico passivo(...) paralisando o seu olhar e a sua escuta.’’

     

    REFERÊNCIAS

    *Jean-Paul VALABREGA : La relation thérapeutique, malade et médecin, Flammarion, Ed. 1962.

    *J.-J. KRESS (2011), L’avenir de la psychiatrie : La Lettre de Psychiatrie Française, février 2011,198, 5-6.

    *M. PATRIS (2010), L psychiatrie à la recherche de ses racines psychothérapiques, La Lettre de Psychiatrie Française, juin  2010,193, 1-3.

    *J.GUYOTAT(1978), Psychothérapies médicales, Aspects théoriques, techniques et de formation, tome I, Masson Éd, 1978 et Psychothérapies médicales, Situations de pratique médicale, tome II, Masson Éd.,  1978

    2) CRÍTICA DOS CENTROS DESTINADOS AOS BIPOLARES

    Dr. Eliezer de Hollanda Cordeiro(Tradução e resumo)  

    La République du Centre ( 27 de Janeiro de 2012)

    O artigo  detalha a inauguração de 9  centros especializados no acompanhamento de pacientes bipolares.A finalidade principal desses centros é  a de ‘’facilitar o trabalho dos acompanhantes, evitando  ao mesmo tempo  a agravação dos distúrbios e o aparecimento de patologias relacionadas.’’ 

    ‘’Estes  centros-experts recebem pacientes somente  enviados  por psiquiatras ou clínicos gerais’’, explica a professora e doutora  Chantal Henry, psiquiatra do hospital Albert Chenevier (Grupo hospitalar Henri Mondor, em Créteil).  

    Eles pretendem  propagar o mais rápido possivel ‘’as boas práticas inovadoras bem como  novidades terapêuticas eficazes mas não ensinadas  durante a formação  dos médicos.’’ PROTOCOLO

    Ao término dos  exames, o paciente recebe um protocolo explicitando os cuidados que lhe serão dados e explicando  o seu   perfil familiar e cognitivo. Por sua vez, os experts aconselham o futuro  terapeuta sobre a maneira como devem  acompanhar o paciente.Eles também informam  que irão   examinar   o paciente duas vezes por ano,  verificar  se as recomendações foram realmente seguidas  e avaliar a eficiência dos tratamentos.

    Atualmente, 1.000 pacientes já foram enviados aos centros para bipolares. 

    INTERROGAÇÕES

    Quais as razões que levaram o DSM IV a inventar esta nosografia psiquiátrica e a  categoria ‘’distúrbio bipolar’’?Porque  levar em conta exclusivamente os medicamentos quimioterápicos? Porque abandonar a antiga  categoria  Maníaco- Depressiva?  Que ganha  a clínica psiquiátrica se as noções de melancolia e de mania  forem desprezadas, o que implica, ipso facto, o abandono de suas respectivas psicopatologias?  Quais as vantagens  do tratamento dos ‘’bipolares’’ por estes centros especializados que ignoram totalmente  a relação médico-paciente? Como se fosse possivel estabelecr uma tal relação  sem levar am conta  a subjetividade  dos respectivos protagonistas neste encontro singular?

    DISTÚRBIOS BIPOLARES E PSICANÁLISE

    Leio os argumentos das jornadas  de estudos organizadas pelo  Espace Analytique nos dias   10 e 11 de Março de 2012. Intitulada :"Ces troubles qu’on appelle bipolaires et la psychanalyse", as jornadas  têm por objetivo o estudo  destes distúrbios. Os analistas , constatando a existência duma distância cada vez maior entre a clínica psiquiátrica farmacológica  e a clínica psicanalítica, perguntam se  eles não deveriam aproveitar a ocasião e  assumir a  rutura completa com o discurso duma psiquiatria negadora   da subjetividade e da transferência?  Donde a idéia consistindo em  interrogar os destinos da melancolia e sua  relação com o  laço social e a sublimação.

    3) QUESTÃO AOS DEFENSORES DAS CIÊNCIAS COGNITIVAS

    Dr. Eliezer de Hollanda Cordeiro(Tradução e resumo)

    No jornal satírico Le Canard Enchaîné (8 de Feveiro 2012), leio um artigo de Jean-Luc Porquet intitulado: ‘’Pensées  Sécrètes’’.

    Destaco a passagem :’’Existe uma anedota contada por Ralph Messenger, especialista das ciências cognitivas: dois especialistas do comportamento acabam de fazer o amor.Um deles diz ao outro: ‘’p’rá tu foi magnífico e p’rá mim, como foi?’’. Messenger explicou então à jovem Helen, romancista com quem sonhava dormir, que esta anedota resumia muito bem o problema que a consciência coloca aos científicos: se eles sabem observar o comportamento do outro e tirar conclusões ‘’objetivas’’, como é que podem descrever cientificamente,  um fenômeno que se passa dentro deles? Como passar do ‘’eu’’ subjetivo ao ‘’ele’’?

    Tudo é dito.

    4. REVISTAS

    L’évolution pychiatrique

    L’INFORMATION PSYCHIATRIQUE

    IMPACTE MEDECINE

    LA REVUE FRANÇAISE DE PSYCHIATRIE ET DE PSYCHOLOGIE MÉDICALE 

    L’ENCEPHALE

    PSYCHIATRIE FRANÇAISE

    L’AUTRE, CULTURE ET SOCIÉTÉS

     

    5. ASSOCIAÇÕES

    MISSION NATIONALE D’APPUI EN SANTE MENTALE

    *ASSOCIATION FRANÇAISE DE PSYCHIATRIE ET PSYCHOLOGIE LEGALES (AFPP)

    *ASSOCIATION FRANÇAISE DE MUSICOTHERAPIE (AFM)

    ASSOCIATION ART ET THERAPIE

    *ASSOCIATION FRANÇAISE DE THERAPIE COMPORTEMENTALE ET COGNITIVE (AFTCC)

    *ASSOCIATION FRANCOPHONE DE FORMATION ET DE RECHERCHE EN THERAPIE COMPORTEMENTALE ET COGNITIVE (AFFORTHECC)

    *ASSOCIATION DE LANGUE FRANÇAISE POUR L’ETUDE DU STRESS ET DU TRAUMA (ALFEST)

    *ASSOCIATION DE FORMATION ET DE RECHERCHE DES CELLULES D’URGENCE MEDICO  PSYCHOLOGIQUE (AFORCUMP)

    *ASSOCIATION POUR LA FONDATION HENRI EY


     

     

     

     


    TOP