Volume 22 - Novembro de 2017
Editor: Giovanni Torello

 

Maio de 2006 - Vol.11 - Nº 5

História da Psiquiatria

APONTAMENTOS PARA A HISTÓRIA DA PSIQUIATRIA MINEIRA Á LUZ DAS SUAS PUBLICAÇÕES. (II)

Walmor J. Piccinini


A História da Psiquiatria Brasileira pode ser estudada a partir de alguns marcos bem definidos.

1. O período pré-psiquiátrico que começa com o Hospício Pedro II e vai até sua transformação em Hospital Nacional de Alienados e a posse de Juliano Moreira na sua direção em 1903.
2. A transformação do Hospital Nacional de Alienados seguindo a orientação de Juliano Moreira que trouxe do seu estágio na Europa, o modelo germânico de atuar em psiquiatria. Laboratório de Anatomia Patológica, Unidades especializadas, humanização do atendimento e formação de profissionais.
3. A determinação do governo de Getúlio Vargas, em 1937, determinando a opção funcional, não poderia existir acumulação de cargo estadual com cargo federal. Isso determinou a saída de Pacheco e Silva do Juqueri, de Henrique Roxo do Hospital Nacional de Alienados e a criação do IPUB. O mesmo aconteceu no Rio Grande do Sul, com o Professor Luiz Guedes saindo da Direção do Hospital São Pedro..e sua opção pela faculdade de medicina, assumindo no São Pedro o Dr. Jacinto Godoy.
4. O fim da segunda guerra mundial, a difusão da psicanálise, o surgimento dos psicotrópicos e um novo modelo de assistência psiquiátrica dentro de moldes americanos, cujo maior expoente foi o Professor Marcelo Blaya e a Clínica Pinel de Porto Alegre. Em Juiz de Fora, Minas Gerais, o Dr. Jorge Paprocki criou um serviço de ambulatório para tratamento de doentes mentais.
5. Nos anos de 80 do século XX, os cursos de pós-graduação em psiquiatria e toda uma nova geração de psiquiatras com mestrado e doutorado que vem colocando a psiquiatria brasileira em nível comparável com o que melhor se faz no mundo.

Utilizando essa abordagem para situar a psiquiatria em Minas Gerais, podemos examinar alguns indicativos.
O primeiro é que Minas Gerais entrou mais tarde nessas transformações. Quando os asilos estavam sendo desativados e transformados, Minas Gerais construiu o seu asilo em Barbacena. Sua inauguração ocorreu em 12 de outubro de 1903, com o nome de Hospital Colônia de Barbacena. Seu primeiro diretor foi o Dr. Joaquim Antonio Dutra, sua qualificação para o cargo foi ter visitado o hospício de Juqueri em São Paulo e ter realizado estágio no Hospital de Alienados do Rio de Janeiro. Um velho hospital para tuberculosos foi adquirido e remodelado para receber 300 doentes mentais. Com o decorrer dos anos, recebeu nova área de terras, foi progressivamente ampliado até se transformar num "depósito de loucos", chegou a ter 3 mil doentes internados.
Em 1911 foi fundada a Faculdade de Medicina de Minas Gerais e, subordinado a ela, 11 anos mais tarde foi construído, sob a direção do Professor Álvaro Barros, o Instituto Neuro-Psychiátrico, inaugurado em 1922. Em 1924 seu nome foi mudado para Instituto Neuropsiquiátrico Raul Soares ou Instituto Raul Soares como é conhecido nos dias atuais.
Em 1927 foi inaugurado o Hospital de Oliveira. Em 1947 esse hospital foi transformado em Hospital Infantil.
Em 1929 foi fundado o Manicômio Judiciário de Barbacena.
Em 1932, cria-se a Inspetoria Geral de Assistência Hospitalar de Alienados do Estado de Minas Gerais, com a atribuição de superintender os serviços de assistência hospitalar e de alienados e demais serviços de assistência médica público ou privados. Não estavam incluídos os serviços destinados a doenças contagiosas. No mesmo decreto foi nomeada uma comissão para elaborar parecer técnico, dela faziam parte os Drs. Zoroastro Passos, Galba Veloso (1889-1952), Lopes Rodrigues, Cunha Lopes e diretores dos hospitais existentes. A comissão apresentou seu relatório em 1933 e o mesmo foi aprovado em 1934, pelo Interventor Federal do Estado, Benedito Valadares Ribeiro. Segundo Paprocki (apud Alvim), "A reforma preconizada pela comissão, além de ampliar os serviços existentes, aparelhando-os devidamente, integrou-os em um plano harmônico, abrindo novas perspectivas para o tratamento e prevenção das doenças mentais. Ao lado das melhorias das condições materiais, a comissão preocupou-se com o aprimoramento cultural dos assistentes, médicos, internos, enfermeiros, estabelecendo concursos para sua admissão; criaram-se laboratórios de pesquisas clínicas, anátomo-patológicas, psicologia experimental; organizou-se a biblioteca e deu-se início a publicação dos Arquivos de Assistência Hospitalar do Estado de Minas Gerais; estabeleceram-se as bases de uma escola profissional para enfermeiros; criaram-se os serviços abertos, os ambulatórios de higiene mental, e foi instituída a assistência hétero-familiar".
Em 1934, o Governo Federal promulga decreto, modificando o nome do "Serviço de Assistência a Psicopatas" para o de "Assistência aos Doentes Mentais e Profilaxia Mental". Em 1937, o governo amplia sua atuação e o Serviço transforma-se em Divisão de Assistência Nacional de Saúde Pública. Em 1941, há nova reorganização e é criado o Serviço Nacional de Doenças Mentais. Sua função era a de controlar a lei de 1934, proteger os doentes mentais e dar assistência técnica, material e financeira aos serviços estaduais e municipais.
As leis que nortearam e norteiam a assistência psiquiátrica em Minas Gerais foram descritas na primeira parte desse artigo.
Em 1961, no Índice Bibliográfico Brasileiro de Psiquiatria (www.biblioserver.com/walpicci) estão registradas duas teses para o concurso de livre-docente da cadeira de clínica psiquiátrica da Faculdade de Medicina de Minas Gerais;
Jorge Paprocki. "Tratamento de Doentes Mentais em Ambulatório" e a de Paulo Saraiva. "O Teste de Rorschach em Psiquiatria Infantil".
Em 1962 foi inaugurado o Hospital Galba Veloso.
Em 1966, foi fundada a Associação Brasileira de Psiquiatria. Nessa ocasião, o presidente da Associação Médica Brasileira era o ilustre médico mineiro, Dr. Fernando Megre Veloso(1918-1986). Em 1971, Veloso assume a presidência da Associação Brasileira de Psiquiatria, foi seu quarto presidente.
Em 1969, todos os hospitais públicos de Minas Gerais passaram a fazer parte de uma Fundação, a FHEMIG.
Os hospitais públicos sofreram de uma "doença", comum a todos existentes no país, superlotação, ausência de médicos com formação mínima no cuidado dos doentes mentais, carência de pessoal, falta de investimento, cronificação, abandono.
S.B.Wortis, analisando a situação do Rio de Janeiro e São Paulo, publica no Yearbook of Neurology, Psychiatry & Neurosurgery de 1956-57 (segundo J.Paprocki), uma crítica contundente a forma como encontrou a assistência psiquiátrica naqueles estados. Vamos reproduzi-las:
1. O Hospital Psiquiátrico da Universidade do Brasil, anacrônico e dilapidado, em contraste com o Instituto de neurologia moderno, bem equipado e decorado.
2. A assistência psiquiátrica privada, feita em cerca de dez pequenos sanatórios, desde aqueles que anunciam "curas" para frigidez e impotência, a dois ou três de padrão algo melhor.
3. Os Psicanalistas divididos, entre as usuais escolas dissidentes, entre as quais a única mantendo ligação com a Universidade é a liderada por Iracy Doyle.
4. O Instituto Psiquiátrico da USP, bem construído e excelentemente equipado, para o ensino e pesquisa, mas ainda com celas fechadas, grades e mirantes para observação indireta dos pacientes. Somente uma seção desse Instituto achava-se em funcionamento, devido á falta de fundos.
5.O Hospital de Juqueri, cercado de arame farpado, os pacientes amontoados em celeiros escuros, recebendo alimentação fria, distribuída em panelas aberta. O corpo clínico de 50 médicos para atender 14.000 pacientes. Estes acabam sendo examinados 2 a 3 meses após a admissão. Todos são submetidos á punção raquiana e a exame de fezes. A medicação é feita na base de umas 400 fórmulas existentes na antiquada farmácia, havendo um programa indiscriminado de eletrochoque.
6.O grupo psicanalítico de São Paulo, não sendo bem aceito pela Universidade, isolou-se de qualquer contato acadêmico. E conclui melancolicamente o autor dos comentários acima: "e este é o cerne da região mais próspera da América Latina".

Voltando a história da psiquiatria. Em Minas Gerais, os problemas eram similares ou, talvez piores ". O Asilo Colônia de Barbacena" tornou-se uma referência do que não se deveria fazer em termos de assistência psiquiátrica. Superpopulação, poucos médicos, e enfermeiros, pessoal auxiliar analfabeto ou semi-analfabeto, sem treinamento e reagindo fisicamente aos sintomas dos pacientes. Para se livrar do estigma, foi criado em Barbacena o Museu da Loucura
(www.cultura.mg.gov.br/museu/museus_mineiros/loucura.htm)
A falência dos hospitais públicos propiciou a criação de hospitais e clínicas particulares. A primeira surgiu em Uberaba em 1933, de orientação espírita. Seguiu-se a Casa de Saúde Santa Clara em 1937 e, depois dela, muitas outras.
O historiador da psiquiatria mineira, Joaquim Affonso Moretzshon, utilizou uma maneira particular de enquadrar essas transformações da psiquiatria mineira ao longo do tempo. Ela a dividiu em períodos históricos assim descritos; 1
1) Período Antigo (anterior á criação da assistência psiquiátrica em Barbacena, antes de 1900).
2) Período Medieval - Asilar - Hospital Colônia de Barbacena.
3) Período Renascentista (Hospitalar) Instituto Raul Soares: 1922.
4) Período Moderno (Casa de Saúde). Casa de Saúde Santa Clara em 1937.
4) Período Contemporâneo - ambulatorial - Introdução das drogas psicotrópicas e dos conceitos psicanalíticos: 1960 (pág.7).
Em outro momento (História da Psiquiatria Mineira, pág.142) escreve:
"A evolução do Hospital Psiquiátrico tem acompanhado as fases pelas quais tem passado a psiquiatria. Assim, as concepções asilo-prisão, hospital-hospício, hospital aberto, hospital geral, ambulatório psiquiátrico, correspondem, respectivamente, aos ciclos psiquiátricos místicos, orgânicos, psicológicos, psicosocial".
A essas idéias gostaria de acrescentar uma observação objetiva da história do atendimento ao doente mental. Os doentes eram colocados em asilos, junto aos deserdados da terra, pobres, mendigos, criminosos e indesejados de qualquer forma. As bases da psiquiatria, propostas por Philippe Pinel foram: observação cuidadosa, descrição dos sintomas, diagnóstico, classificação e tratamento. Pinel só conseguiu entrar na Salpetrière devido a Revolução Francesa, acho correto afirmar que a psiquiatria é filha dessa revolução e graças a ela, milhares de pessoas passaram a receber atenção, tratamento e terem esperança de um destino melhor. Com o passar do tempo, com altos e baixos, a psiquiatria foi se instrumentalizando e atingindo seu objetivo de libertar os doentes, não só dos seus grilhões, mas da própria estrutura asilar a que estavam submetidos. Nos dias atuais, são poucos os pacientes que necessitam hospitalização, mas eles existem. Os velhos hospitais voltaram a sua condição de asilo, pois os que lá permaneceram, não tem família, não tem para onde ir. As novas estruturas, como os CAPS, por exemplo, tendem a repetir o mesmo ciclo de exclusão e cronificação, muda-se apenas o espaço físico. As ruas se tornaram um grande hospital, onde, a história se repete, os doentes são maltratados, abandonados, passam fome, andam sujos e desgrenhados. Mesmo com todo o progresso dos psicotrópicos, nos deparamos com pessoas sem acesso aos mesmos. A pressão recai novamente sobre as famílias. Chamo isso de "socialismo neoliberal". O Estado economiza, diminui sua presença e joga os pacientes para as famílias e dali, para as ruas e prisões. Nos E.U.A, quem coloca a questão nesses termos são os chamados conservadores de direita, no Brasil, isso se tornou objeto de ideologização de uma corrente política que é estatizante em muitas áreas e capitalista no atendimento ao doente mental. O resultado é que nos Estados Unidos o número de leitos psiquiátricos caiu de 550 mil em 1960, para 55 mil em 2004 (números arredondados). Nos dias de hoje, temos 500 mil presidiários com doença mental grave. Vale a pena conferir on-line em:
(http://www.pbs.org/wgbh/pages/frontline/shows/asylums/ )
(The new Asylums).
Além da História da Psiquiatria Mineira (JJ.Moretzsohn) utilizamos como fonte de dados as publicações de artigos, teses, monografias recolhidos no nosso Índice Bibliográfico Brasileiro de Psiquiatria (www.biblioserver.com/walpicci) , inúmeras publicações existentes on-line sobre o tema.
Partindo desse material publicado, formulamos algumas idéias. Um período protopsiquiátrico que compreende o atendimento da época colonial até 1929 quando Lopes Rodrigues assumiu o Instituto Raul Soares.
O primeiro psiquiatra a marcar a história da psiquiatria mineira, foi um baiano, Lopes Rodrigues, discípulo de Juliano Moreira, Livre-Docente da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, e que em 1926, foi aprovado no concurso para professor de psiquiatria na Faculdade de Medicina de Belo Horizonte. Empossado na cadeira de psiquiatria, em substituição ao Professor Álvaro de Barros, não a assumiu imediatamente. Foi convocado por Juliano Moreira, voltou para o velho Hospital da Praia Vermelha, onde permaneceu mais três anos.
A falta de psiquiatras, com formação adequada, tornara o Instituto Raul Soares uma cópia do asilo de Barbacena. Castigos corporais, celas fortes, camisas de força e todo um arsenal repressor seguiram seu curso. O Governador Antonio Carlos Ribeiro de Andrada, ao assumir o governo, resolveu mudar a história do Instituto Raul Soares e foi buscar no Rio de Janeiro o Professor Lopes Rodrigues. Este, veio a Minas com uma orientação bem clara de Juliano Moreira, como iria enfrentar muitos inimigos e uma estrutura arcaica, devia documentar tudo que encontrasse. Isso foi feito e, uma série de fotografias dos instrumentos de castigo encontrada no Instituto Raul Soares, foi fotografados e estão reunidos num livro, editado por amigos e admiradores de Lopes Rodrigues, no Rio de Janeiro, em 1959. O título é "O Louco". Era uma forma de desmanchar a fama que Lopes Rodrigues deixara em Belo Horizonte. Daquele livro extrai o trecho:
"O Louco do Instituto"
No dia em que Lopes Rodrigues tomou posse do cargo de Diretor do Instituto Raul Soares, cinco minutos após a cerimônia de sua investidura, tranqüilo e sem articular uma só palavra, com fisionomia serena de quem levava na alma uma decisão resoluta, encaminhou-se para o interior do Hospital, em direção aos Pavilhões, onde os doentes jaziam encarcerados. Da maioria dos quartos, funcionando como prisões, partiam os gritos dos insanos, trancados, atados e imobilizados. Os esgares ecoavam pelos corredores, em cujos lajedos, outros tantos pacientes jaziam com os punhos amarrados. Outros, enrodilhados sobre os próprios corpos, envoltos nos célebres "manquitos" de couro e lona, peados, arquejavam.
Cordas, correias, tiras, manchões, argolas, lonas e coleiras, formavam o arsenal patético. O Instituto tomara o aspecto de feras enjauladas. O mau cheiro e os gritos completavam o cenário de escuridão dos cubículos e corredores, onde as lâmpadas inutilizadas agravavam o aspecto das noites intransitáveis ali dentro. Os braços livres que restavam, fora dos manquitos célebres, eram para atirar montões de fezes pelas paredes, que iam até os tetos.
Diariamente, o chamado carro-forte da polícia despejava á porta do Instituto, com guia dos Delegados, magotes de loucos de todo gênero. E toda aquela massa indiscriminada de infelizes abarrotava os quartos que se haviam transformado em cubículos hermeticamente fechados a tranca de ferro. As relações mentais dos pacientes eram obstadas por meios mecânicos de contenção, inclusive castigos corporais. Os loucos, com pés e mãos atadas, quando não envolvidos em aparelhos de força, eram castigados por um calabrote de couro, com uma argola de ferro na ponta, denominado o "relho-mestre", vibrado por braços de guardas habituados a tratá-los por meio de todo aquele instrumental mecânico de repressão e sevícias."
Lopes Rodrigues, silencioso, sozinho e indômito, pois acompanhado de um franzino auxiliar que recrutara para sua façanha, penetrou naquele mundo dantesco. Contemplou aquele quadro e convocou imediatamente alguns funcionários do estabelecimento, aos quais ordenou, com voz firme e pausada, que retirassem naquele mesmo minuto, todas as trancas ou derrubassem todas as portas. Acompanhado de um auxiliar, sem dizer a sua intenção, começou a libertar os loucos dos cubículos e a retirar dos seus pulsos, dos seus braços e dos seus pés, a muito deles com as próprias mãos, os aparelhos de suplício. Alguns loucos, ao ganharem a liberdade, saíam correndo pelos corredores, como feras enjauladas, às quais se houvesse aberto as portas das jaulas. Os funcionários do Instituto, apavorados, moviam-se de um lado para outro, nas dependências administrativas, e bradavam: "O Homem é doido!... O homem é doido! (apud Lopes Rodrigues, O Louco).
Numa homenagem prestada a Lopes Rodrigues em 1959, Francisco de Sá Pires comparou-o a Pinel e o chamou de "Pinel brasileiro".
Esse relato, acompanhado de fotografia dos instrumentos de maus tratos, correntes, relhos, camisas de força não deixam dúvida da atuação de Lopes Rodrigues.
Podemos considerar sua atuação como a Cena Inaugural da Psiquiatria de Minas Gerais. Isso ocorreu em 1929, 135 anos depois de Pinel.
A psiquiatria começo a entrar, nos asilos mineiros em 1929.
O segundo período poderia ser o de 1930 até 1960. Foram inauguradas várias clínicas psiquiátricas e estão relacionados no livro de Moretzsohn.
Já referimos a tese de Paprocki. Formado em 1955 pela Faculdade de Medicina de Minas Gerais, no mesmo ano organizou um serviço destinado ao tratamento ambulatório de doentes mentais e, em 1958 um hospital geral, aberto, destinado à internação de casos clínicos e psiquiátricos. Sua tese foi resultado de um trabalho de cinco anos nessa modalidade de atendimento e pode ser considerado seu período de treinamento psiquiátrico.
Os fatos nos mostram que a Universidade, através da sua Faculdade de Medicina, nunca conseguiu criar condições de um desenvolvimento científico para a psiquiatria praticada em Minas Gerais. Ela foi se pulverizando em diferentes serviços e com diferentes linhas de atuação. É possível deduzir-se que a ausência de um serviço universitário de bom nível acadêmico seja responsável pela pouca produção científica. Esse fenômeno começa a ser revertido, alguns pesquisadores mineiros, ligados a Universidade, estão marcando presença nas revistas psiquiátricas nacionais. Reunindo toda a produção coletada nas revistas especializadas, chegamos aos seguintes números: 370 artigos (Acho importante lembrar que muitos artigos em jornais e revistas não indexadas não foram incluídos. O mesmo para capítulos de livros que não pude registrar na totalidade. Artigos publicados em revistas psicanalíticas, também ficaram de fora, pois nosso registro é psiquiátrico).

No período de 1901-1959 conseguimos coletar apenas 37 artigos de autores mineiros.

1. Abdo, Nagib. Tratamento da Esquizofrenia pelo choque hipoglicêmico (Método de Sackel). Arq. Neur. Psiquiat. B.H. 1938; 1:61-98.
2. Almeida Júnior, A. A embriaguez habitual do funcionário público: crime ou doença. Rev.Penal e Penitenciária. 1941; 2(1/2):245-250.
Notes: Também publicado nos Archivos da Sociedade de Medicina Legal e Criminologia de São Paulo,8:429-443,1937
3. Almeida Júnior, A. A embriaguez no teatro de Shakespeare. Rev.Da Fac.De Direito Da USP. 1939; 35(1):97-164.
4. Alvim, Clóvis F. Assistência ao Doente mental. Rev. AMMG. 1956; 8(3-4):119.
5. Alvim, James Ferraz. Centros de malarioterapia e de prevenção da sífilis nervosa. Rev.De Neurologia e Psiquiatria De São Paulo. 1935; 1(2):253-254.
6. Alvim, James Ferraz. Contribuição ao estudo do suicídio em São Paulo. Arq.Soc.De Medicina Legal e Criminologia De São Paulo. 1927; 25:158-60 e 174-176.
7. Alvim, James Ferraz. Contribuição ao estudo do suicídio em São Paulo. São Paulo.Edit.Impressora Ltda.-In:Estudos neuropsiquiátricos. 1931.
8. Alvim, James Ferraz. A detenção dos loucos nas cadeias (estatística policial de 1937). Atas Do 1 Congresso De Psicol.Neurol.,Psiquiatria,Med.Legal e Criminologia. 1938; 341-342.
9. Antipoff, Helena. A função social da assistência às crianças excepcionais. Rev. Neurobiologia, Recife. 1946; 9(4):279-285. Notes: Conferência realizada na Liga de Higiene Mental de Pernambuco em homenagem à memória do prof. Ulysses pernambucano e, 5.12.1946
10. Bastos, Aureliano Tavares. Consultório médico pedagógico da Soc. Pestalozzi . Archivos Da Assistência Hospitalar Do Estado De Minas Gerais. 1935; 1 e 2:45-72.
Notes: Relatório de agosto de 1934
11. Bessa, Halley Alves. Personalidade e Crime. Livre-Docência, Tese. Fac. De Direito Da UFMG. 1958.
12. Bini, Lucio. Subdivision clinique du groupe des Schizophrenies. J.Bras.Psiquiat. 1951; 1(9-12):379-391.
13. Cançado, A. L. Em torno do alcoolismo. Imprensa Médica. 1946; 1:73-79.
14. Cançado, A. L. Toxicomanias de substituição. Imprensa Médica. 1946; 2:71-72.
15. Cunha, Silvio Pereira da. Idéias modernas sobre a histeria. Belo Horizonte,Imprensa Oficial. 1928.
16. Ferreira, M. Técnica original para a implantação de eletródios corticais no cão. J.Bras.Psiquiat. 1958; 7(2):117-134.
17. Lima, Oscar Rezende de. Ética da analgotogia. J.Bras.Psiquiat. 1955; 4(2):213-224.
18. Lima, Oscar Rezende de. Peculiaridades da interpretação em psicoterapia de grupo. J.Bras.Psiquiat. 1958; 7(1):73-78.
19. Lopes, Rodrigues H. Alcoólatras nos Manicômios. In:Semana Anti-Alcoólica,Belo Horizonte,1932 e Arq.Bras.De Higiene Mental. 1933; 6(4):299-303.
20. Lopes, Rodrigues H. Da assistência hetero-familial aos insanos mentais. Anais Da Fac.De Med.De Minas Gerais,Belo Horizonte. 1929.
21. Lopes Rodrigues, H. Da etiopatogenia da demência precoce. Em torno do conceito de esquizofrenias. Tese De Cátedra - Fac.De Med.De Belo Horizonte. 1926.
22. Lopes, Rodrigues H. A demência paralítica no Estado de Minas Gerais. 2a Conferência Latino-Americana De Neurologia. 1930.
23. Lopes Rodrigues, H. Epilepsia e crime. Belo Horizonte -Imp.Oficial Do Estado De Minas Gerais. 1941.
24. Lopes, Rodrigues H. Instituto Raul Soares. Belo Horizonte. Imprensa Oficial De Minas Gerais. 1930.
25. Lopes, Rodrigues H. Juliano Moreira. Rio De Janeiro. 1929.
26. Lopes, Rodrigues H. O Doente mental no Brasil. Rio De Janeiro. Serviço Nac. De Doenças Mentais. 1958. Notes: conferencia
27. Lopes, Rodrigues H. "Primeira Memória Médico Administrativa do Serviço de Assistência aos Alienados" no Instituto Raul Soares (em1929). Belo Horizonte. Imprensa Oficial De Minas Gerais. 1930.
28. Lopes, Rodrigues H. Psicopatologia do alcoolismo. Belo Horizonte-Imprensa Oficial. 1933.
29. Paprocki, Jorge. Emprego de anestésico de ação curta em convulsoterapia por EC. Rev. Bras.Cirur. R.J. 1957; 34(3):293-296.
30. Paprocki, Jorge. Emprego de anestésico de ação curta na convulsoterapia por Cardiazol. Rev. Bras. Cirur. R.J. 1958; 35(5):501-505.
31. Peres, H.; Veloso, Fernando Megre; Ribeiro, Ivan, and Paprocki, Jorge. Assistência Hospitalar e Extra-Hospitalar. Rev. Med. Juiz De Fora. 1959; 5(17):527-542.
32. Pires, F. S. Lopes Rodrigues, "o louco". Rio De Janeiro. 1959.
33. Rabello, David. Alcoolismo como fator de depressão social e econômica. In:Semana Anti-Alcoólica De Belo Horizonte. 1932.
34. Ribeiro, I. and Silva, A. R. Terapêutica neuroléptica em psiquiatria. Publ. Med. 1957; 29(199):23-48.
35. Ribeiro, I. et al. Terapêutica reserpínica em psiquiatria. Rev. O Hospital. 1959; 55:383.
36. Rosa, Josephino Santa Rosa. Das desordens menstruais nas Psicoses e Neuroses. Doutoramento, Tese. Fac. Med. Rio De Janeiro. 1901.
37. Veloso, Galba M. Malarioterapia na moléstia de Bayle. Belo Horizonte. Tip. Brasil. 1928:1-42.

No período de 1960 a 1969 foram 56 artigos.

1. Almeida, M. J.; Oliveira, J., and Castro, A. M. Controle dos efeitos colaterais dos derivados do nitrotiazol sobre o sistema nervoso central com um novo composto do grupo das benzodiazepinas. A Folha Médica. 1967; 55(5):157-164.
2. Alvim, Clóvis F. Introdução ao estudo da deficiência mental. Sociedade Pestalozzi,Edit. 1967.
3. Alvim, Clóvis F. Tratamento Hospitalar do Paciente Psiquiátrico: Técnicas Sociais. Anais Do VIII Congresso Nacional De Neurologia, Psiquiatria e Higiene Mental. 1967.
4. Baggio, Marco Aurélio. Butirofenonas. In: Correa,AC. Ed.Psicofármacos, C.E. Galba Velloso(BH). 1969; 27-38.
5. Barros, J. M.; Lima, M. B. C.; Pereira, J. L.; Mendonça, Y.; Leite, E. V.; Luiz, A., and Gonçalves, C. A utilização da doxepina ( P 3693 A ) em pacientes ambulatoriais. Rev. AMB. 1969; 15(11):469-74.
6. Campos, C. R. Tranqüilizantes ou ansiolíticos. In: Correa, A.C., Ed. Psicofármacos. C.E.Galba Velloso,B.H. 1969; 83-96.
7. Corrêa, A. C. e col. Psicofármacos. Belo Horizonte,MG. Dep. Publicações C.E. Galba Velloso. 1969.
8. Ferreira, I. Ensaios clínicos: sua conceituação e regulamentação. A Trib.Méd. 1968.
9. Gomes, J. C. Subsídio ao tratamento da tensão pré-menstrual e do climatério com o NC-123 (mesoridazina). Rev. O Hospital. 1969; 76(2):695-705.
10. Leite, C. P. C. O enantato de flufenazina como antipsicótico de rotina em enfermaria psiquiátricas superlotadas. Rev. C.E. Galba Velloso (BH). 1969; 1(1):42-45.  Notes: Idem. Rev.C.E.Galba Velloso 1 (2)
: 82-86, 1970 11. Lima, Oscar Rezende de. Aspectos Psiquiátricos dos emigrados. J.Bras.Psiquiat. 1960; 9(3):195-203.
12. Lima, Oscar Rezende de. Interpretações Genético-Históricas em Psicoterapia de Grupo . Rev. Paul. Med. 1963; 62(5):339-341.
13. Lima, Oscar Rezende de. Sociogênese da Despersonalização - Estudo em Psicoterapia de Grupo. Rev.De Psiquiat.Dinâmica. 1964; 4(jun/set/dez.):265-266.
14. Lima, Oscar Rezende de. Técnica da Psicoterapia de Grupo. Rev. Paul. Med. 1962; 61(4):260-264.
15. Lippi, José R. S. Dinâmica de uma enfermaria de crianças com emprego predominante de técnicas Socioterápicas. Rev. Do C.E. Galba Veloso, Minas Gerais. 1969; 1(1):33-42.
16. Miranda, Ruy. Tensão pré-menstrual e criminalidade. Arq.De Neuro-Psiquiatria. 1966; 24(2):118-121.
17. Moretzsohn, J. Affonso. Conceito de depressão:tratamento dos estados depressivos pelo tofranil. Rev. O Hospital. 1961; 59:13.
18. Moretzsohn, J. Affonso. Diagnóstico dos estados depressivos pelo Psicodiagnóstico de Rorschach. Pub. Méd. S.P. 1961; 210:91-92.
19. Moretzsohn, J. Affonso. O Teste de Rorschach na epilepsia tálamo-hipotalâmica. Rev. AMG. 1969; 3:207-208.
20. Murad, J. E. A Psicofarmacologia abre novas esperanças no combate aos distúrbios mentais. Rev. Univ. M. Gerais. 1964; 12:197-225.
21. Murad, J. E. Psicometamórficos, classificação química e farmacológica dos psicotrópicos. Anais Hosp.Galba Velloso,Belo Horizonte. 1963; 1:65-120.
Notes: Idem Rev.AMMG, 21 (2,4) 85-100 e 233-248: 1970
22. Naves, Armando L. Tratamento das síndromes depressivas com a clorimipramina. Rev. o Hospital. 1969; 76(1):113-119.
23. Paprocki, Jorge. Assistência psiquiátrica pública hospitalar no Brasil. O Hospital R.J. 1965; 68(4):167-176.
24. Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um novo anti-depressivo do grupo das iminodibenzilas; desipramina (G.35020). Rev. O Hospital. 1965; 68:691.
25. Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um novo antidepressivo indólico: Iprindol (WY-32-63). A Folha Médica. 1966; 53(3):145-152.
26. Paprocki, Jorge. Fenotiazínicos de ação prolongada. A Folha Médica. 1968; 57(5):773-781.
Notes: Idem Rev. C.E.Galba Velloso, 1970 1(2);74-80
27. Paprocki, Jorge. O IV Congresso Mundial de Psiquiatria- Madrid. A Tribuna Médica. 1966; 320:42-43.
28. Paprocki, Jorge. Psicofármacos e terapêuticas biológicas. Rev.Bras.Med. 1965; 22(7):414-415.
29. Paprocki, Jorge. Tratamentos biológicos em ambulatórios psiquiátricos. Rev. O Hospital. 1963; 64(5):163-201.
30. Paprocki, Jorge. Tratamento da depressão com drogas. J.Bras.Psiquiat. 1969; 18(3/4):241-245.
31. Paprocki, Jorge. Tratamento de Doentes Mentais em Ambulatório. Livre-Docência, Tese. Fac. Med. Da UFMG. 1961.
32. Paprocki, Jorge. Tratamento Hospitalar do Paciente Psiquiátrico: Terapêuticas Farmacológicas e Biológicas. Anais Do VIII Congresso Nacional De Neurologia, Psiquiatria e Higiene Mental. 1967; 103-127.
33. Paprocki, Jorge; Seabra, F.; Clark, M., and Andrés, A. C. Emprego de anestesia e curarizante sintético em convulsoterapia por Eletrochoque. Rev. Med. Juiz De Fora. 1960:603-609.
34. Paprocki, Jorge; Xavier, G.; Dutra, E.; Fonseca, J.; Tollendal, J.; Pinto, M.; Guimarães, M. C.; Barreto, F. P., and Xavier, F. Ensaios clínicos com um neuroléptico fenotiazínico: enantato de flufenazina (SQ 16,144) . A Folha Médica. 1966; 52(4):85-96.
Notes: (Tratamento de 40 pacientes esquizofrênicos durante um período de 7 meses)
35. Pimenta, A. C. Antidepressivos não IMAO. In Correa AC., Ed. Psicofármacos. C.E.Galba Velloso,,B.H. 1969; 107-118.
36. Pimenta, A. C.. Ensaios clínicos com um novo antidepressivo do grupo das iminodibenzilas; clorimipramina (G-34586) Anafranil. Rev. O Hospital. 1969; 75(5):1673-1677.
37. Pinheiro, Marcio V. Impressões de 3 anos de residência num hospital universitário norte-americano. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2-3):251-253.
38. Portela, Jarbas Moacir. Síndrome de Associação Psicótica (reação psicótica ante a presença de um psicótico no grupo familiar). Doutorado, Tese. Belo Horizonte. Ed. Do Autor. 1962.
39. Portela, Jarbas Moacir; Arruda, J. M., and Magalhães, N. C. Ensaio clínico com a trifluorpromazina (Siquil) em psicóticos. Arq.De Neuro Psiquiatria. 1961; 19(4):321-326.
40. Portela, Jarbas Moacir; Silva, A. R.; Magalhães, N. C., and Batista, E. N. Algumas implicações da terapêutica farmacológica da ansiedade ( Nota sôbre o uso da flufenazina). Rev. O Hospital. 1962; 61:551.
41. Portela, Jarbas Moacir et al. Implicações teórico-práticas da farmacoterapia em psicóticos (Observação clínica com proclorpromazina e placebo). Publicações Médicas. 1962; 33(1).
42. Porto, C. C. and Porto, C. Síndrome pescoço-face por derivado da fenotiazina. Rev. Bras. Med. 1963; 20(9):571-572.
43. Rennó, V. B. Antidepressivos; inibidores da monoaminoxidase (IMAO). In: Psicofármacos, Ed. C.E. Galba Velloso, BH. 1969; 101-118.
44. Ribeiro, I. and Silva, A. R. Psicofármacos. Rev. AMMG. 1963; 14(1):2-6.
45. Saraiva, Paulo. Esquizofrenia Infantil. Minas Gerais,Ed.Soc.Pestalozzi De Belo Horizonte. 1964:1-159.
46. Saraiva, Paulo. O teste de Rorschach em psiquiatria infantil . Livre Docência, Tese. UFMG. 1961.
47. Silva, A. R.; Portela, Jarbas Moacir, and Ribeiro, I. Ensaio clínico com novo antidepressivo. (Fenelzina). Rev. O Hospital. 1960; 57(1):1-96.
48. Silva, A. R. ; Ribeiro, I.; Portela, Jarbas Moacir.; Ribeiro, M. S., and Cruz, J. S. Tiotixene em esquizofrenia. Rev. Brasileira De Psiquiatria. 1969; 3(3):160-170.
49. Silva, A. R. et al. Flufenazina em esquizofrenia. Rev.Bras.De Medicina. 1962; 19:528.
50. Veloso, Fernando Megre. Assistência a Psicopatas. Anais Do C.E. Galba Veloso, Minas Gerais. 1963; único:138-147.
51. Veloso, Fernando Megre and Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um neuroléptico fenotiazínico de açao prolongada: enantato de flufenazina (SQ 16,144). Rev. O Hospital. 1965; 68(1):71-81.
Notes: Idem. Rev. C.E. Galba Veloso (BH), 1(2): 33-34,1970
52. Veloso, Fernando Megre and Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um novo neuroléptico do grupo das Butirofenonas (Haloperidol). Rev. O Hospital. 1963; 63(6):1427-1434.
53. Veloso, Fernando Megre and Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um novo neuroléptico do grupo das butirofenonas: Triperidol. Rev. O Hospital. 1965; 68( 1):63-71.
54. Veloso, Fernando Megre and Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um novo tensiolítico do grupo das benzodiazepinas (WY 3498). Sao Paulo, Ed. Publ. F.Wyeth. 1965.
55. Veloso, Fernando Megre and Paprocki, Jorge. Reduction of treatment obstructivity anxiety Oxazepam. A Folha Médica. 1967; 54(6):103-109.
56. Veloso, Fernando Megre; Paprocki, Jorge, and Boechat, P. Metrazolterapia sob proteção de narcose e curarizante sintético. Rev. O Hospital. 1963; 63(4):153-164.

No período de 1970 a 1979 foram 55 artigos.

1. Alvim, Clóvis F. Alcoolismo no Brasil colonial. Rev. AMMG. 1975; 26:45-53.
2. ---. Aspectos antropológicos do alcoolismo. Rev. Brasileira De Psiquiatria. 1972; 6:51-61.
3. ---. Loucura "Puerperal" . Rev. Brasileira De Psiquiatria. 1971; 5(2):8-23.
4. ---. Vocabulário de Termos Psicológicos e Psiquiátricos. Ed. Part. Minas Gerais. 1972.
5. Antipoff, Daniel I. Helena Antipoff, sua vida, sua obra. Liv. José Olímpio Edit. Rio De Janeiro. 1975; 1-198.
6. Baggio, Marco Aurélio. Efeito ansiolítico do Tranxilene (4306 CB) em Psiquiatria. A Folha Médica. 1973; 67(2):281-289.
7. Barros, Adilson F. O pimozide nas esquizofrenias. A Folha Médica. 1973; 66(6):1285-1291.
8. Bustamante, Luiz S.; Paprocki, Jorge, and Traldi, S. Sobre o uso de maproptilina no tratamento das depressões graves. A Folha Médica. 1977; 74(3):311-327.
9. Bustamante, Luiz S; Peixoto, M. P. B.; Paprocki, Jorge, and Versiani, Márcio. Ensaio duplo-cego e comparativo entre amoxapina e imipramina no tratamento dos estados depresivos. A Folha Médica. 1977; 74(2199-210).
10. Campos, Rubem M. A Clorimipramina nos componentes depressivos das neuroses graves. Rev.Brasileira De Psiquiatria. 1971; 5(1):30-33.
Notes: Idem. Rev. O Hospital, 77 (3) :913-18,1970
11. Coelho, Ronaldo Simões. "Clóvis de Faria Alvim". Rev. C.E.Galba Velloso. 1979; 5:36.
12. Coelho, Ronaldo Simões. Primeira Unidade Psiquiátrica em Hospital Geral no Brasil. Revista De Psiquiatria. 1972; 14(22):17-26. Notes: idem Arq. da Coordenadoria de Saúde Mental do Estado de Sao Paulo. 1972 número único
13. Correa, A. C. O. and Bastos, I. J. Ensaios clínicos com a lenperona, novo neuroléptico do grupo das butirofenonas . Rev. Bras. Clin. Terap. 1976; 5(7):285-290.
14. Correa, A. C. O. and Traldi, S. Emprego da monocloroimipramina no tratamento da ejaculação precoce. A Folha Médica. 1977; 75(1):57-60.
15. Diniz, H. B. Novo medicamento ansiolítico e antidistônico no tratamento das neuroses resistentes às terapêuticas clássicas. Rev. Bras. Clin.Terap. 1973; 2(3):101-104.
16. Ferreira, I. Medidas da ação ansiolítica: análise das escalas. A Folha Médica. 1975; 71(1):93-96.
17. Guimarães, M. C. e col. Ensaios clínicos com um novo neuroléptico de ação prolongada: Fluspirilene (R 6218). A Folha Médica. 1971; 62(2):211-220.
18. Heckert, Uriel. Distúrbios psíquicos na vigência de hipertireoidismo. J.Bras.Psiquiat. 1971; 20(1-2):135-138.
19. Henriques, W. L. M. and Coutinho, S. A. Q. Contribuição ao estudo clínico-terapêutico de um novo antipsicótico nas esquizofrenias: sulpiride. Rev. Bras. Clin Terap. 1974; 3(10):375-384.
20. Lima, Oscar Rezende de. Ciência e Consciência: Visão Psicanalítica. Rev. Psiquiat. Clin. São Paulo. 1977; 6(2):29-38.
21. Lima, Oscar Rezende de. Correlações entre intensidades de instintos e psicoses esquizofrênicas, maníaco-depressivas e epilépticas: hipótes inspirada na compreensão da gênese psicológica de manifestações clínicas ... Tese,Livre-Docência-Fac.Med.USP. 1974:1-270.
22. Lippi, José R. S. Avaliação de psicofármacos em crianças. A Folha Médica. 1975; 71(4):466-471.
23. ---. O paciente difícil em Psiquiatria Infantil. J.Bras.Psiquiat. 1976; 25(1):49-60.
24. ---. Posição atual das terapêuticas nas síndromes de disfunções cerebrasi mínimas. Rev. C.E. Galba Velloso (BH). 1971; 2(4):69-92.
Notes: Idem Rev. Bras. Def. mental, 8(1)69-86,1971
25. Lippi, José R. S; Martins, José C. L.; Alvares, Maria A. Mendes, and Rosane V. F. O Processo Diagnóstico em Psiquiatria Infantil. Rev. Arq. Clin. Pinel . 1979; 5(2):109-114.
26. Lippi, José R. S. and Traldi, S. Emprego da benzoctamina em distúrbios do comportamento na infância e adolescência. A Folha Médica. 1976; 73(1):57-60.
27. Moretzsohn, J. Affonso. O Hospital Psiquiátrico e a Psiquiatria. Rev.AMMG. 1974; 25:146-148.
28. Murad, J. E. Drug abuse among students in the state of Minas Gerais-Brazil. Bull.Narc. 1979; 31:49.
29. ---. Os riscos do uso crônico da maconha sobre a imunidade e a ação reprodutora. Rev.AMB. 1980; ..(1):5-5.
30. Naves, Armando L. Ensaio com o G-34856 ( clorimipramina ) na Clínica Boa Esperança. Rev.Brasileira De Psiquiatria. 1971; 5(1):11-13.
31. Oliveira, W. A. A propósito de um diagnóstico de "Epilóia". J.Bras.Psiquiat. 1971; 20(1-2):55-66.
32. Paprocki, Jorge. Alguns fatores inespecíficos na avaliação clínica de psicofármacos. A Folha Médica. 1975; 71(2):214-21.
33. ---. Comparative study of a combination pf benzodiazepine with an antidepressive agent and each of the two drugs. A Folha Médica. 1971; 63(1):137-149.
34. ---. A eficácia e tolerância de loxapine parenteral (IM). Estudo Piloto. A Folha Médica. 1976; 73(1):37-55.
35. Paprocki, Jorge. Ensaios Clínicos com um novo antidepressivo: Clomipramina (G-34.586) - Anafranil. Rev. Brasileira De Psiquiatria. 1971; 5(1):1-5.
36. ---. Espectro de psicofármacos - campo e intensidade de ação de psicotrópicos correntes sobre alguns "sintomas alvos"de entidades psiquiátricas. São Paulo, Ed. Prog.Nac.Atual. F.Wyeth. 1971.
37. ---. Esquizofrenia e neurolépticos ressocializantes. Rev. Neur. Psiq. e Neurocirurg. 1976; 39(Supl.):167-176.
38. Paprocki, Jorge. Perspectivas da psicofarmacologia do ponto de vista do clínico. A Folha Médica. 1971; 62( 5):635-65.
39. Paprocki, Jorge. Poluição e Saúde Mental. J.Bras.Psiquiat. 1978; 27(1-4):31-36.
40. Paprocki, Jorge and Carvalho, E. N. Maproptiline: short and long term therapy. A Folha Médica. 1974; 68(6):353-358.
41. Paprocki, Jorge and Passos, M. M. Clinical observations with a new anxiolytic benzodiazepine (Lorazepam). A Folha Médica. 1971; 2(4):99-104.
Notes: Idem Rev. C.E. Galba Velloso (BH) 1971; 2(4):99-104
42. Paprocki, Jorge and Peixoto, M. P. B. Double-bind, between-patient trial on the antidepressive effect of maproptiline in comparison with imipramine. A Folha Médica. 1974; 68(6):611-618.
43. Paprocki, Jorge; Peixoto, M. P. B., and Andrade, N. M. A controlled double-bind comparison between loxapine and haloperidol in acute newly hospitalized schizophrenic patients. A Folha Médica. 1975; 70(6):553-558.
44. Paprocki, Jorge; Peixoto, M. P. B.; Paula, Adelgício José Melo de; Moutinho, S. S.; Aricó, S.; Traldi, S., and Alemao, D. C. C. Tratamento dos estados fóbico-depressivos pela clorimipramina. ensaio multicêntrico não-comparativo. A Folha Médica. 1977; 74( 3):285-293.
45. Paprocki, Jorge; Rangel, E., and Ratton, A. M. L. Bibliografia Brasileira de Psicofarmacologia 1950-1970. São Paulo. Ed. Prog.Nac.Atual.F.Wyeth. 1972.
46. Paprocki Jorge and Versiani Márcio . A double-blind comparison between loxapine and haloperidol by parenteral route in acute schizophrenia. Curr Ther Res Clin Exp . 1977; 21(1):80-100.
47. Passos/Brasil. A Psiquiatria em Passos de Minas Gerais: Por que não? Passos, MG., Edit. e Tipografia Faria. 1980. Notes: Realizações e Experiências no Hospital Otto Krakauer de Passos,MG.-1975-1979
48. Paula, Adelgício José Melo de; Heckert, Uriel; Abizaid, W., and Maior, M. S. Amoxapina e amitriptilina - um estudo duplo-cego em pacientes deprimidos. A Folha Médica. 1977; 75 (2):165-169.
49. Peixoto, M. P. B. Alguns fatores inespecíficos na terapêutica psicofarmacológica. Rev. C.E. Galba Velloso,BH. 1979; 5:13-16.
50. Portela, Jarbas Moacir. Família e doente mental. Rev. Neurobiologia, Recife. 1973; 1:41-50.
Notes: Relatório X congresso, Recife,1971
51. Rocha, R. S. and Chaimowicz, T. Estudo comparativo do clobazam com o diazepam em pacientes com sintomas gastrintestinais acompanhados de ansiedade. A Folha Médica. 1976; 73(6):611-619.
52. Saraiva, Paulo. O ABC do teste de Rorschach para psiquiatras. Rev. AMG. 1972(2):81-84.
53. Silva, O. A.; Lemos, C., and Lopez, M. Alterações eletrocardiográficas ma intoxicação aguda por agentes tricíclicos. Arq. Bras. Cardiol. 1975; 28:557.
54. Velloso, E. D. "Helena Antipoff". J.Bras.Psiquiat. 1975; 24(1):121-129.
55. Veloso, Fernando Megre. Terapêutica biológica e medicamentosa das depressões endógenas e reativas. Rev.Brasileira De Os

No período de 1980-1989 foram 46 artigos

1. Barbosa, João C. Mecanismos de ação dos euhípnicos benzodiazepínicos. Psiquiatr.Rev. 1982; 2(1):17-20.
2. Barros, Adilson F. Psicoterapia de Grupo. Técnica Para a Introdução de Novos Membros. Apresentação Compromissada com o Grupo. J. Bras. Psiquiat. 1983; 32(2):121-3.
3. Cabernite, L. O Alcoolismo no Brasil e as Dificuldades na Área . Epidemiologia - Prevenção. J. Bras. Psiquiat. 1982; 31(2):89-112.
4. Calil, Luís Carlos and Calil, Francisco B. Paciente psicossomático - Negaçao da doença ou ausencia de vínculo. Rev.ABP-APAL. 1987; 9(3):81-86.
5. Costa, Delcir A. A expressão criadora como meio de atendimento a pacientes esquizofrênicos - Produções esquizofrênicas. Rev.Inform.Psiq. 1989; 8(2):56-61.
6. Costa, Delcir A. and Vilela, João Eduardo Mendonça. Tratamento dos Estados Depressivos com Associação de Clorimipramina e Maprotilina em infusão Venosa gota a gota. J. Bras. Psiquiat. 1988; 37(1):43-6.
7. Cunha, Ulisses G. V. Antidepressant therapy in non-psychiatric condition in elderly people. Rev.Bras.Med. 1989; 46(9):410-416.
8. Cunha, Ulisses G. V.; Barros Júnior, Olavo de Resende, and Siqueira, Arminda Lúcia. Levantamento Epidemiológico Psicogeriátrico em Asilos. J. Bras. Psiquiat. 1986; 35(6):383-9.
9. Cunha, Ulisses G. V. and Costa, J. L. Depressão maior em idosos hospitalizados em enfermarias gerais. Arq.Bras.Med. 1990; 64(4):239-242.
10. Cunha, Ulisses G. V.; Costa, J. L., and Carneiro Júnior, C. G. Cardiovascular effects of tryciclic antidepressants in the elderly and heart disease patients. Rev.Arq.Bras.Med. 1990; 64(6):429-434.
11. Daker, Maurício Viotti. Aspectos Gerais das Reformas Sanitárias e Psiquiátricas Italianas . J. Bras. Psiquiat. 1987; 36(1):59-63.
12. Daker, Maurício Viotti. Uma Visao das Reformas Sanitária e Psiquiátrica Italianas. J. Bras.Psiquiat. 1987; 36(1):59-63.
13. Dunningham, William; Lessa, Luís Meira; Silva, R. M. C.; Leite, E. B., and Pereira, E. B. G. Oito anos de lítio na Bahia - Avaliação crítica do seu uso e da sua eficácia. J.Bras. Psiquiat. 1984; 33(5):363-366.
Notes: Idem. Rev. ABP 6 (21)83-86,1984
14. Heckert, Uriel. Paul Tournier e a medicina da pessoa. Rev.Inform.Psiq. 1990; 9(1):17-21.
15. Lima, Oscar Rezende de. Narcisismo em psicoterapia de grupo: narcisismo de psicoterapeutas e clientes; implicações técnicas . Rev. Paul. Med. 1987; 105(4):235-237.
16. Lima, Oscar Rezende de. Psicose. São Paulo,Sarvier. 1986; 1-208.
17. Lima, Oscar Rezende de. Psiquiatria e gastroenterologia: rumos recém vistos e entrevistos. Anais Do 1o Congresso Bras.De Psiquiatria e Med.Interna-São Paulo,1987. 1988; 1(1):47-49.
18. Lippi, José R. S. and Cruz, Amadeu Roselli. Psiquiatria Infantil: Estudo multidisciplinar. Belo Horizonte;ABNEPI Ed. 1987; 1-315.
19. Lippi, José R. S.; Pereira, Ieda Marques; Soares, Karla Vanessa S., and Camargos Júnior, Walter. Suicídio na Infância e Adolescência. J. Bras.Psiquiat. 1990; 39(4):167-74.
20. Moretzsohn, J. Affonso. História da Psiquiatria Mineira. Belo Horizonte, Coopmed Editora. 1989; 1-206.
21. Murad, J. E. Drogas que provocam dependência. conceituação, terminologia, nomenclatura, classificação e tipologia. Rev. Do IMESC. 1982; 5:5-17.
22. Murad, J. E.. Epidemiologia do abuso de drogas em Belo Horizonte,MG,Brasil. Rev.De Farmácia e Bioquímica. 1983; 5(1):21-30.
23. Murad, J. E.. Farmacodependência em Minas Gerais. Rev. Do IMESC. 1982; 2(1):18-38.
24. Murari, W. F.; Tahin, O. S.; Murbach Filho, P., and Karniol, I. G. Possíveis alterações bioquímicas causadas pela administração crônica de sais de lítio. J.Bras. Psiquiat. 1984; 33(6):421-424.
25. Nero Júnior, Ermelindo del; Rodrigues, Avelino Luiz, and Lobue, Marco Antonio. Estudo de eficácia e tolerância do cloridrato de buspirona em pacientes com manifestaçöes de ansiedade em clínica cardiológica . RBM Cardiol. 1987; 6(4):135-140.
26. Oliveira, L. L. L.; Miranda, P. S. P., and Campos, S. S. J. Uso de propanolol no tratamento da ansiedade - um estudo duplo-cego. A Folha Médica. 1983; 86(1,2):83-86.
27. Paprocki, Jorge. Pharmacological treatment of the depressive states. Rev.Bras.Med. 1989; 46(5):156-161.
28. Paprocki, Jorge. Prevalência geral dos estados depressivos. Rev.Bras.Med. 1989; 46(3):80-87.
29. Paprocki, Jorge. Tratamento de depressão pelo médico geral. J.Bras.Psiquiat. 1990; 39(Supl.1):49S-59S.
30. Paprocki, Jorge. Tratamento farmacológico dos estados depressivos. Rev.Bras.Med. 1981; 46(5):156-161.
31. Paprocki, Jorge and Rocha, Fabio Lopes. Doença do Pânico ou distúrbio do pânico; uma aula destinada ao médico não psiquiatra, parte I e II. Rev.Arq.Bras.Med. 1990; 64(3,4):155-161 ; 261-264.
32. Paprocki, Jorge; Rocha, Fábio Lopes; Villela, G. F. J., and Lima, W. L. Bibliografia Brasileira de Psicofármacos - 1954/1984: glossário de psicofármacos. São Paulo: Sandoz. 1986; 1-86.
33. Pinheiro, Marcio V. U.S.A. 13 Years Later. Psychiatry. 1989; 52(4):469-474.
34. Rocha, Fábio Lopes. Antidepressants during pregnancy and nursing. Rev.Arq.Bras.Med. 1990; 64(6):429-434.
35. Rocha, Fábio Lopes. Depressão Puerperal. Rev.ABP/APAL. 1989; 11(4):165-174.
36. Rocha, Fábio Lopes. Distúrbios psiquiátricos puerperais. Psicorama. 1990; 1(3):21-24.
37. Rocha, Fábio Lopes and Passos, Elke. Dependência a Amineptina: Relato de Caso e Revisão da Literatura . J. Bras. Psiquiat. 1990; 39(3):103-8.
38. Souza, M. M. and Barros, Adilson F. Psicoterapia de grupo em população de baixa renda. HE Rev. 1983; 10(2):131-137.
39. Tavares Junior, Almir Ribeiro. Psiquiatria infantil e psiquiatria geriátrica: os extremos se aproximam.. Boletim Do Capítulo Mineiro Da Associaçao Brasileira De Neurologia e Psiquiatria Infantil. 1989; 1(2):13-16.
40. Tavares Júnior Almir Ribeiro. Clinical course differences between thw Alzheimer's and the neurocysticercosis dementias. Neurobiology of Aging. 1990; 11(3):297-298.
41. Tavares Júnior Almir Ribeiro. Doença de Alzheimer e as demências do idoso. A Folha Médica. 1985; 90(5):259-264.
42. Tavares Júnior, Almir Ribeiro. Sinais e sintomas em Psicogeriatria. In: Guimarães: "Sinais e Sintomas Em Geriatria", Ed. Revinter, Rio De Janeiro. 1989; 95-99.
43. Tavares Junior, Almir Ribeiro; Kittner, S. J.; Kay, A. D.; Cutler, N. R.; Moore, A. M., and Rapoport, S. I. Standardized assessment of a dementia clinic population: diagnosis of dementia. . The American Journal Of Alzheimer's Care And Research. 1987; 2(2):9-15.
44. Tavares Júnior, Almir Ribeiro; Neto DV ; Daker, Maurício Viotti, and Terrone LMN. Frequência da neurocisticercose no Hospital das Clínicas da UFMG confirmada por exame neuropatológico. Arq.De Neuro Psiquiatria. 1988; (Supl.75):46.
45. Tavares Junior, Almir Ribeiro and Rabins, P. V. Weight loss in Alzheimer's disease: a longitudinal study. Zeitschrift Für Älternforschung. 1987; 42( 3):165-167.
46. Veloso, Fernando Megre. Iatrogenia e Psiquiatria. Rev.AMB. 1981; 27(12):366-368.

No período de 1990-1999 foram 112 artigos

1. Baggio, Marco Aurélio. Escorço histórico da trajetória do Círculo Psicanalítico de Minas Gerais. Reverso. 1993(5).
Notes: Belo Horizonte: Círculo Psicanalítico de Minas Gerais,
2. Baggio, Marco Aurélio. Psicoterapia na prática psiquiátrica: prolegômenos à engenharia psíquica. Rev. Méd. Minas Gerais. 1994; 4(1):21-25.
3. Baggio Marco Aurélio . O Psiquismo Humano. São Paulo. Ed. Escuta. 1994. ISSN: 85-7137-081-8.
4. Barreto, Francisco Paes. Reforma psiquiátrica e movimento lacaniano. Belo Horizonte: Itatiaia. 1999.
5. Barros, Hélio Lauar de. "A psiquiatria: da causalidade à verdade como causa". Mestrado, Dissertação. UFMG. 1999. Notes: Orientador: Prof. Maria Lucia Miranda Afonso
6. Barros, Hélio Lauar de. O encontro da psiquiatria com a psicanálise. Rev.Méd.Minas Gerais. 1994; 4(1):54-55.
7. Bustamante, Luiz S.; Faria Filho, Mauro; Carvalho, Maria Inês B.; Rajab, Sabah; Abrão, Lucilene; Pereira, Maria Tereza; Souza, Lourdes P., and Faria, Maria Aparecida. Projeto de organização do setor de alcoolismo do departamento de Psiquiatria da Clínica São Camilo. Rev.Inform.Psiq. 1995; 14(4):138-140.
8 . Caffaro, S.; Rayes, A.; Tavares Junior, Almir Ribeiro, and Lambertucci, J. R. O emprego de psicoestimulantes no adulto. J. Bras. Psiquiat. 1997; 46(7):377-383.
9. Calil, Luís Carlos. Avaliação do aprendizado nos programas de residência médica em psiquiatria do Estado de São Paulo no ano de 1993. R. Temas, SP. 1996; 52:209-226.
10. Calil, Luís Carlos. Distúrbio obsessivo-compulsivo na infância. Pediatria Atual. 1995; 8(7):89-96.
11. Calil, Luís Carlos. Estudo dos programas de residência médica em psiquiatria do Estado de São Paulo no ano de 1993. Mestrado,Dissertação-FMRP_USP. 1997; 1-80.
Notes: Orientador: Prof. José Onildo Betioli Contel
12. Calil, Luís Carlos. Interações entre psiquiatras e clínicos. RBM-Rev.Bras.Med. 1994; 50(5):527-533.
13. Calil, Luís Carlos. Lithium Scandal. Rev.ABP/APAL. 1993; 15(2):9.
14 Calil, Luís Carlos. Modelo de plano de curso de psiquiatria. J. Bras. Med. 2000; 78(1-2):28-35.
15. Calil, Luís Carlos. Paciente agressivo ou paciente agitado . In: Manual De Urgências Em Clínica Médica.3 Ed.Uberaba : Gráfica Do HE/FMTM. 1999.
16. Calil, Luís Carlos. Prescrição de psicofármacos por médicos clínicos. RBM - Rev Bras Med. 1996; 53(9):912-917.
17. Calil, Luís Carlos. Psicoterapia com bom senso: um descuido na formação médica . RBM Rev. Bras. Med. 1991; 48(10):663-665.
18. Calil, Luís Carlos. Refletindo sobre a educação médica, a ética e o custo da consulta médica. Rev.Méd.Minas Gerais. 1995; 5(1):50-52. 19. Calil, Luís Carlos. Tratamento em grupos de pacientes epiléticos. J. Liga Bras. Epilepsia. 1994; 7(1):31-34.
20. Calil, Luís Carlos. Tratamento farmacológico das psicoses na infância. Pediatria Atual. 1995; 9(6):9-16.
21. Calil, Luís Carlos. Verificação do cumprimento das exigências feitas pela Comissão Nacional de Residência Médica nos Programas de Residência Médica em Psiquiatria do Estado de São Paulo no ano de 1993. J.Bras. Psiquiat. 1999; 48(8):367-374.
22. Calil, Luís Carlos and Contel, José Onildo B. Estudo dos programas de residência médica em Psiquiatria do Estado de São Paulo no ano de 1993. Rev. Bras. Psiquiatr. 1999; 21(3):139-144.
23. Calil, Luís Carlos; Teixeira, V. P. A., and Figueiredo, Marco Antônio. Ferida do homem e o homem da ferida. RBM Rev Bras Med. 1994; 51(1-2):33-37.
24. Calil, Luís Carlos; Silva, Ana Angélica da, and Sakuray, Márcia. Tratamento em Grupo de Pacientes Psicóticos. J. Bras. Psiquiat. 1993; 42(10):537-40.
25. Camargos Júnior, Walter. Divulgando a Síndrome de Rett. Rev.Neuropsiq.Da Infância e Adolescencia. 1994; 2(2):20-22.
26. Camargos Júnior, Walter; Rosemberg, Raymond; Salle, Emílio; Schwartzman, José Salomao; Assumpçao Junior, Francisco Baptista, and Lippi, José R. Psicofarmacoterapia-mesa redonda. Rev. Neuropsiq.Da Infância e Adolescencia. 1995; 3(3):11-18.
27. Campolina, H. Por que reformar a lei Carlão. Jornal Mineiro De Psiquiatria. 1998; 5:5.
28. Castro, Juarez Oliveira. Estudo da atividade dopaminérgica na Esquizofrenia através do teste da apomorfina. Doutorado, Tese. IP/UFRJ. 2000:1-78.
Notes: Orientador Prof. Dr. João Romildo Bueno
29. Castro, Juarez Oliveira. Psicofarmacologia no Hospital Geral. Rev.Cadernos Do IPUB. 1997; 1(6):221-239.
30. Correa, Humberto; Duval, Fabrice; Mokrani, Marie-Claude; Bailey, Paul; Volpe, Fernando Madalena, and Macher, Jean-Paul.
Disfunçao noradrenérgica e ansiedade em pacientes com depressao maior. J. Bras. Psiquiat. 1999; 48(4):159-162.
31. Costa, Delcir A. Associação Brasileira de Psiquiatria Biológica: 15 anos. Rev. Psiquiat. Biológica. 1998; 6(2):71-72.
32. Costa, Delcir A. Exames Complementares em Psiquiatria. Rev.Psiquiat.Biológica. 1994; 2(3):44-48.
33 Costa, Delcir A.. Psicocirurgia. Rev.Psiquiat.Biológica. 1993; 1(1):15-18.
34 Costa, Delcir A. The role of psychosurgery in the treatment of selected cases of refractory schizophrenia: A reappraisal. Schizophr. Res. 1997; 28(2-3):223-230.
35 Costa, Delcir A.. Terapêuticas Psiquiátricas: Sucessos e Insucessos. Rev. Psiquiat. Biológica. 1999; 7(2):49-50. Notes: Editorial
36 Costa, Delcir A. and Costa, E. Pseudo- Percepção: Alucinações . Rev.Psiquiat. Biologica. 1995; 3(2):52-58.
37 Costa, Delcir A. and Marino Junior, Raul. Psychosurgical procedures for severe refractory depressive patients. Biological Psychiatry. 1991:231-233.
38. Costa e Silva, J. A.; Ruschel, Sandra Inês; Caetano, Dorgival; Rocha, Fábio Lopes; Lippi.José R.S.; Arruda, S., and Ozun, M. Placebo-controlled study of tianeptine in major depressive episodes.
Neuropsychobiology. 1997; 35(1):24-29.
39 Costa EC ; Malloy-Diniz ; Daker, Maurício Viotti; Miranda GCVM , and Costa DA. Avaliaçao Prospectiva de Sintomas Neuropsiquiátricos de um Paciente Portador de Transtorno Bipolar Resistente com Clozapina. Rev. Psiquiatria Biológica. 2000; 8(1 ):3-7.
40 Cunha, Ulisses G. V. Diagnóstico e Tratamento da Depressão no Paciente de Risco-Idoso e Cardiopata. J. Bras. Psiquiat. 1993; 42(supl. 1):33s.-7s.
41 Cunha, Ulisses G. V. and Rocha.Fábio Lopes. Alucinações auditivas musicais no idoso. J.Bras.Psiquiat. 1991; 40(6):287-290.
42 Cunha, Ulisses G. V.; Rocha, Fabio Lopes; Peixoto, J. M.; Motta, M. F., and Barbosa, M. T. Vitamin B12 deficiency and dementia. Int.Psychogeriatric. 1995; 70(1):85-88.
43 Dacker, Maurício Viotti. Die Problemstellung der Kontinuität de Psychosen in den Werken Griesingers, Kahlbaums und Kraepelins und die Idee der Einheitspsychose. Doutorado, Tese. Universitat Heidelberg (Ruprecht-Karls), R.K.U.H.*, Alemanha. 1995.
Notes: Orientador: Michael Schmidt-Degenhard.
44 Daker, Maurício Viotti. Demência Precoce na sexta edição de Kraepelin em 1899. Casos Clin. Psiquiat. 1999; 1(1):59-67.
45 Daker, Maurício Viotti. Ensaio crítico sobre questões classificatórias e diagnóasticas em Psiquiatria. R.Temas,SP. 1994; 24(48):213-222.
46 Daker, Maurício Viotti. Síndrome de Transição de Wieck (Durchgangssyndrom). Rev. Psiquiat. Biológica . 1998; 6(3):149-154.
47 Daker, Maurício Viotti. Estudos Psiquiátricos por Isaias Paim. Rev. Bras. Psiquiatr. 1999; 21(4):261.
Notes: Estudos Psiquiátricos Por Isaias Paim. 1998. Campo Grande: Solivros. 134 pág
48 Daker, Maurício Viotti. O Conceito de Contínuo. Rev.Psiquiatria Biológica. 1997; 5:235-240.
49. Daker, Maurício Viotti. Personalidade Antissocial. In: Dirceu De Campos Valladares Neto. (Org.). As Várias Faces Da Personalidade. 1 Ed. Belo Horizonte. 1991:247-264.
50. Daker, Maurício Viotti. Um Encontro com Heidelberg: breve introdução, a Escola de Heidelberg e nossa Psiquiatria. J. Bras. Psiquiat. 1994; 43(4):191-2.
51. Daker, Maurício Viotti and Richter P. Personalidade Pré-mórbida e Psicose Afetiva. J. Bras.Psiquiat. 1992; 41(9).
52. Galizzi, Hilbene Rodrigues. "Hospitalismo":diagnóstico psiquiátrico? J.Bras.Psiquiat. 1994; 43(7):373-376.
53 Galizzi, Hilbene Rodrigues. A Rejeição ao paciente com internações repetidas no Hospital Geral. Rev.Cadernos Do IPUB. 1997; 1(6):185-194.
54 Goyatá, Francisco José dos Reis and Lauar Hélio coord. Lei Carlão em debate: psiquiatria mineira discute a Reforma Psiquiátrica. Belo Horizonte: Associação Mineira De Psiquiatria: Secretaria Municipal De Saúde, 1995. 1995.
55 Heckert, Uriel. Desenvolvimento sexual- Modelo bio-sócio-cognitivo. Rev. Inform. Psiq. 1998; 17(3):93-97.
56 Heckert, Uriel. A interdição do doente mental. J.Bras. Psiquiat. 1996; 45(3):139-142.
57 Heckert, Uriel. Psiquiatria e populaçã de rua: epidemiologia, aspectos clínicos e propostas terapêuticas. Doutorado, Tese. I.Psiquiatria. USP. 1998:1-234.
Notes: Orientador(es): Clóvis Martins
58. Heckert, Uriel; Andrade, Laura H.; Alves, MJM., and Martins, C. Prevalência de doença mental entre moradores de rua numa cidade do Sudeste do Brasil. European-Archives-of-Psychiatry-and-Clinical-Neuroscience. 1999; 249(3):150-155.
59. Magro Filho, J. B. A Tradição da Loucura. Belo Horizonte. Coopmed. 1992.
60. Maletta, Regina L. V.; Guimarães, Marli C.; Ramos, Terezinha; Reis, Terezinha, and Guimarães, Cácia. Alcoolismo: participação do Serviço Social na equipe multidisciplinar. Rev.Bras.Neurol. 1995; 31(4):197-199.
61. Mourão, Tatiana T. de Guimarães. Quadros Depressivos no Lúpus Eritematoso Sistemico. Doutorado, Tese. I.Psiquiatria. US. 2000:1-174.
Notes: Orientador(es): Mário Rodrigues Louza Neto
62. Murad, J. E. and Nascimenti, E. O perfil epidemiológico do usuário de drogas em Minas Gerais- Brasil. R.ABRAÇO- Belo Horizonte. 1994:1-23.
63. Naief, C. and Tavares Junior, Almir Ribeiro. O transtorno glutamatérgico na esquizofrenia. Revista Médica De Minas Gerais. 1997; 7(1):23-27.
64. Paprocki, Jorge. Four year's existence of the Journal of the Brazilian Society for the Prevention and treatment of Depression. Rev.Arq.Bras.Med. 1992; 66(5):389-393.
65. Paprocki, Jorge. O atendimento e a trajetória habitual do paciente deprimido. Arq.Bras.Med. 1992; 66(3):220-225.
66. Paprocki, Jorge and Rocha, Fábio Lopes. Tartamudez associada a fobia social. resultados de tratamento farmacológico. J. Bras. Psiquiat. 1999; 48(6):263-273.
Notes: Estudo Patrocinado pelo GEPC, Psiquiatra, Belo Horizonte - MG, Brazil
67. Paula, Adelgício José Melo de; Barros, Adilson F.; Moreira Filho, Alonso A.; Barreto, Jubel; Ribeiro, Mario Sérgio; Oliveira, Silvio, and Heckert, Uriel. Programa de Residência em Psiquiatria: a proposta da Universidade Federal de Juiz de Fora. Rev.H.U.(Juiz De Fora). 1991; 18(3):151-160.
68. Pinheiro, Marcio V. Newsgroup: a poderosa ferramenta da comunicação na Internet. Psychiatry On-Line Brazil. 1996; 1(3):2.
69. Pinheiro, Marcio V. The Selling of Clinical Psychiatry in America. Hospital and Community Psychiatry. 1992; 43(2):102-104.
70. Pinheiro, Márcio V. A Questão da saúde no Brasil. Psychiatry On-Line Brazil. 1997; 2(12):2.
71. Pinheiro, Marcio V. A Questão da Saúde no Brasil. Rev. Vitrô. 1998; 2(2):47-50.
72. Queiroz, E. A.; Lombardi, A. B.; Furtado, C. R. H. Santos; Peixoto, C. C. D.; Soares, T. A.; Fabre, Zalmi Luiz; Basques, J. C.; Fernandes, M. L. M., and Lippi, José R. S. Depressão em crianças, correlações bioquímicas. Arq.De Neuro Psiquiatria. 1991; 49(4):418-425.
73. Rocha, Fábio Lopes. Ansiedade e ansiolíticos na prática clínica. Rev.Arq.Bras.Med. 1992; 66(2):161-169.
74. Rocha, Fábio Lopes. Antidepressivos tricíclicos e de segunda geração: uma revisão crítica. Rev.Arq.Bras.Med. 1992; 66(5):398-406.
75. Rocha, Fábio Lopes. Depressão no Idoso. J. Bras. Psiquiat. 1993; 42(9):483-90.
76. Rocha, Fábio Lopes. Depressão puerperal: revisão e atualização. J. Bras. Psiquiat. 1999; 48(3):105-114.
77. Rocha, Fábio Lopes. Distúrbio do pânico: atendimento pelo clínico geral em serviço de urgência. A Folha Médica. 1991; 102(1/2):9-15.
78. Rocha, Fábio Lopes. Distúrbios psiquiátricos na gravidez e puerpério: atualização. Rio De Janeiro. Docuned 2. Ed.Científica Nacional. 1991; 1-26.
79. Rocha, Fábio Lopes. Eficácia e Tolerabilidade da Tianeptina no Tratamento de Episódios Depressivos Maiores: Estudo Multicêntrico, Duplo-CEgo,Controlado com Placebo. Mestrado,Dissertação-Saúde Publica,UFMG. 1995; 1-156.
80. Rocha, Fábio Lopes. A Eletroconvulsoterapia (ECT) no Tratamento da Depressão em Pacientes Portadores de Problemas Cardiovasculares: Atualização. J. Bras. Psiquiat. 1993; 42(2):89-95.
81. Rocha, Fábio Lopes. Ensaios clínicos com antidepressivos. J.Bras.Psiquiat. 1997; 46(6):309-318.
82. Rocha, Fábio Lopes. A Psiquiatria Biológica em Pauta. J. Bras. Psiquiat. 1992; 41(2):87-90.
83. Rocha, Fábio Lopes. Sono e Depressão. Rev. ABP/APAL. 1991; 13(1):11-17.
84. Rocha, Fábio Lopes. Urgências em psiquiatria devidas a efeitos colaterais dos psicofármacos. Rev.Arq.Bras.Med. 1991; 65(3):349-354.
85. Rocha, Fábio Lopes and Cunha, Juliana Rodrigues. Dosagem de Lítio em Nosso Meio: Um Alerta! J. Bras. Psiquiat. 1994; 43(2):91-2.
86. Rocha, Fábio Lopes and Cunha, Ulisses G. V. Aspectos psicológicos e psiquiátricos das quedas do idoso. Rev.Arq.Bras.Med. 1994; 68(1):9-13.
87. Rocha, Fábio Lopes and Cunha, Ulisses G. V.. A eletroconvulsoterapia no tratamento de depressão no idoso. Rev.ABP/APAL. 1992; 14(1):2-8.
88. Rocha, Fábio Lopes; Cunha, Ulisses G. V., and Giacomin, Karla Cristina. Depressão Pós Acidente Vascular Cerebral (AVC) . J. Bras. Psiquiat. 1993; 42(4):203-8.
89. Rocha, Fábio Lopes and Cunha, Ulisses G. V.. Estados depressivos Pós-Acidente Vascular Cerebral. Rev.Arq.Bras.Med. 1992; 66(5):389-393.
90. Rocha, Fábio Lopes; Paprocki, Jorge; Bustamante, Luiz S., and Ferreira Júnior, B. C. Estudo duplo-cego, randomizado, comparativo entre Zoplicone (Imovane) e flunitrazepam (Rohypnol) em pacientes portadores de insônia crônica. J.Bras.Psiquiat. 1991; 40(4):199-215.
91. Rocha, Fábio Lopes and Rocha, M. E. G. Kleptomania, mood disorder and lithium. Arq.De Neuro Psiquiatria. 1992; 50(4):543-546.
92. Rocha, Fábio Lopes and Soares, José Francisco. Estudo multicêntrico, duplo-cego, controlado com placebo sobre a eficácia e tolerabilidade da tianeptina no tratamento de episódios depressivos maiores. J. Bras. Psiquiat. 1998; 47(3):105-117.
93. Rocha, Fábio Lopes and Teixeira, J. R. C. Psicofarmacoterapia em emergências psiquiátricas. Arq. Bras. Med. 1991; 65(2):144-152.
94. Rocha, Fábio Lopes and Teixeira, J. R. C. Síndrome de abstinência de álcool. Psicorama. 1991; 2(1):6-10.
95. Sanglard, M. and Tavares Junior, Almir Ribeiro. Neuropéptide Y. J. Bras. Psiquiat. 1998; 9:1-3.
96. Silva, A. R. Avaliação da Eficácia e Segurança da Risperidona em pacientes crônicos. Rev.Psiquiat.Biológica. 1997; 5(2):99-104.
97. Stroppa, André L.; Amaral, Arlete M.; Santos, Maria P.; Araujo, Mariza; Soares, Tereza; Portilho, Fabíola; Braga, Maria H., and Heckert, Uriel. Clínica de Lítio - A proposta da Universidade Federal de Juiz de Fora(UFJF). Rev.Inform.Psiq. 1992; 11(3):98-101.
98. Tavares Junior, Almir Ribeiro. Alguns comentários sobre a história da neurocisticercose e de seus problemas neuropsiquiátricos. Revista Médica De Minas Gerais. 1995; 5(2):134-139.
99. Tavares Junior, Almir Ribeiro.. Psychiatric disorders in neurocysticercosis. British Journal of Psychiatry. 1993; 163:839.
100. Tavares Junior, Almir Ribeiro. Risperidone in Parkinson's disease. Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry. 1995; 58(4):521.
101. Tavares Júnior Almir Ribeiro. Ansiolíticos. In: Rocha MOC, Pedrosa ERP, Fonseca JGM, Silva OA. "Terapêutica Clínica". Editora Guanabara Koogan, Rio De Janeiro. 1998; 339-347.
102. Tavares Junior, Almir Ribeiro.. Delirium e Demência. In: Pimenta LG, Petroianu A. "Clínica e Cirurgia Geriátrica". Editora Guanabara Koogan, Rio De Janeiro. 1999; 142-152.
103. Tavares Junior, Almir Ribeiro.. Demências. In: Pedroso ERP Et Al. "Clínica Médica - Os Princípios Da Prática Ambulatorial". Editora Atheneu, Rio De Janeiro. 1993; 436-444.
104. Tavares Júnior Almir Ribeiro . Existe algum fundamento científico no uso de florais para o tratamento de distúrbios psíquicos ? Ciência Hoje. Editora Da Sociedade Brasileira Para o Progresso Da Ciência,
Rio De Janeiro, RJ. 1998; 23(137):7.
105. Tavares Junior, Almir Ribeiro.. Neurocysticercosis in the elderly. J. of the American Geriatric Society. 1993; 41(7):781.
106. Tavares Júnior Almir Ribeiro. Neurolépticos. In: Rocha MOC, Pedrosa ERP, Fonseca JGM, Silva OA. "Terapêutica Clínica". Editora Guanabara Koogan, Rio De Janeiro. 1998; 374-382.
107. Tavares Júnior. Almir Ribeiro . Transtornos do espectro obsessivo-compulsivo. Revista Aula Magna (UNIBH). 1996; 3:18-21.
108. Tavares Júnior, Almir Ribeiro and González R. Psicogeriatría. In: Vidal G, Alarcón RD, Stepke FL. "Enciclopedia Iberoamericana De Psiquiatría". Editorial Médica Panamericana S.A. Madrid. 1995; 1296-1307.
109. Tavares Júnior, Almir Ribeiro. A risperidona (um novo antipsicótico) é importante? Rev. Méd. Minas Gerais. 1995; 5(1):32-34.
110. Teixeira Junior, Antonio Lucio; Alvarengasilva, H., and Huguet, A. C. Um caso de psicose de início tardio: considerações diagnósticas. Rev. De Casos Clínicos Em Psiquiatria. 1999; 1:21-23.
111. Volpe, Fernando Madalena and Tavares Junior, Almir Ribeiro. Tratamento de estados afetivos mistos. J. Bras. Psiquiat. 1998; 47(9):457-460.
112. Volpe, Fernando Madalena; Tavares Júnior, Almir Ribeiro, and Vargas, Antônio Pedro et al. Vasculite cerebral e uso de cocaína e crack. Rev. Bras. Psiquiatr. 1999; 21(3):174-176.

No período de 2000 ma 2006 estamos com 64 artigos.

1. Abreu, Izabella Dutra de; Forlenza, Orestes Vicente, and Barros, Hélio Lauar de. Alzheimer Disease: correlation between memory and autonomy. Rev. Psiquiatr. Clín.SP. 2005; 32(3):131-136.
2. Almeida, Marcelo Machado de; Silva, Ana Raquel Correa e, and Lauar, Hélio et al. Differential diagnosis between schizophrenia, pervasive development disorders and obsessive-compulsive disorder in childhood. Rev. Psiquiatr. Clin. São Paulo. 2003; 30(5):173-176.
3. Alvarenagasilva, H. and Teixeira Júnior, Antonio Lucio. Delírios, organização semântica e vivencias de significação idiossincrática. Rev. De Psiquiatria e Psicanálise Com Crianças e Adolescentes. 2002; 9:55-62.
4. ---. Organização da memória semântica: suas possíveis relações com as vivências de significação anormal. Cadernos De Psicologia Ufmg. 2001; 11:87-92.
5. Alvarengasilva, H. and Teixeira Junior, Antonio Lucio. Depressão e esquizofrenia. 2002; 51:7-17.
6. Alvim, Clóvis F. Um precursor mineiro da psiquiatria brasileira. Rev. Neurobiologia, Recife. 2003; 66(1-4):91-96. Notes: Republicação de artigo publicado na Revista da UFMG, 1962. separata 12
7. Barros, Hélio Lauar de. "A psiquiatria: da causalidade a verdade como causa". Mestrado, Dissertação. UFMG. 2001:1-166. Notes: Orientadores: Prof. Maria Lucia Miranda Afonso.
8. Calil, Luís Carlos. Aceitação e credibilidade na eficácia das atuais normas de prescrição para psicofármacos. Rev. Psiquiat.Clin. São Paulo. 2001; 28(5):228-232.
9. Calil, Luís Carlos and Terra, João Ricardo. The De Clerambault's syndrome: a bibliographic revision. Rev. Bras. Psiquiatr. 2005; 27(2):152-156.
10. Coelho, Ronaldo Simões. Entrevista com o Dr. C Bacamarte . Rev. Méd. Minas Gerais . 2002; 12(1):57-59.
11. Correa, Humberto; Barbi, Evaristo; Neves, Fernando S.; Capellini, Giancarlo; Castro, Juarez Oliveira; Neto, Kleber P.; Nicolato, Rodrigo; Campos, Valdir R.; Santos, Valeria G., and Romano-Silva, Marco Aurélio. A neurobiologia do suicídio: evidencias do papel do sistema serotoninérgico. J. Bras. Psiquiat. 2002; 51(6):397-404.
12. Correa, Humberto; Romano-Silva, Marco Aurélio, and Staner, Luc. A impulsividade enquanto traço psicobiológico básico: evidencias nosológicas, neurobiológicas e genéticas. J. Bras. Psiquiat. 2002; 51(5):291-298.
13. Correa, Humberto; Viana, Melissa Machado; Romano-Silva, Marco Aurélio, and Duval, Fabrice. Psiconeuroendocrinologia e comportamento suicida. J. Bras. Psiquiat. 2005; 54(2):138-144.
14. Costa, Delcir A. and Costa, Erico de Castro e. Ziprasidona intramuscular (IM) na prática psiquiátrica. Psiquiatr. Biol. 2004; 12(1):11-13.
15. Costasilva, M.; Salgado, J. V., and Teixeira Junior, Antonio Lucio. Ideação paranóide após traumatismo crânio-encefálico: relato de caso e implicações na fisiopatologia da esquizofrenia. Rev. Psiquiatria Biológica. 2004; 12:45-49.
16. Cruz, Luciana Charchar Vilas Boas and Tavares Junior, Almir Ribeiro. Aspectos clínicos da demência vascular. Revista Médica De Minas Gerais, Belo Horizonte. 2003; 13(2):115-120.
17. Cunha, A. L. G.; Silva, G. S.; Teixeira Junior, Antonio Lucio; Nicolato, R.; Romanosilva, M. A., and Correa, H. Suicídio, genes e serotonina.. Neurociências, V. 2, N. 5, P. 1-6, 2005. 2005; 2(5):1-6.
18. Cunha, Ulisses G. V.; Campos, Gilberto B.; Faria, Ana Carolina N. Borges de; Alves, Viviane Xavier de Faria; Carvalho, Silvia Pimenta de, and Valadão, Maristane M. Leucoencefalopatia multifocal progressiva e Aids no idoso. Jornal Brasileiro De Neuropsiquiatria Geriátrica. 2001; 2(1):32-35.
Notes: Relato de caso
19. Cunha, Ulisses G. V.; Faria, Ana Carolina N. Borges de; Alves, Viviane Xavier de Faria, and Paula, Wladimir K. de. Eletroconvulsoterapia no tratamento da depressão e da doença de Parkinson terminal: relato de caso. Rev. Psiquiat. Biológica. 2001; 9(2):53-57.
20. Daker, Maurício Viotti. A reforma da assistência psiquiátrica proposta por Griesinger. Arq. Bras.De Psiquiatria, Neurologia e Medicina Legal, Rio De Janeiro. 2005; 99(3 ):52-56.
21. Daker, Maurício Viotti and Nicolato R. Personalidade Dependente e Homicídio. Casos Clínicos Em Psiquiatria, Belo Horizonte. 2004; 6(1,2).
22. Daker, Mauricio Viotti and Souza, GFJ. Roteiro do Exame Psíquico I: Consciência, Atenção e Orientação. Rev. Psiquiatria Biológica. 2001; 9(2):102-112.
23. Diniz, Breno Satler de Oliveira and Tavares Junior, Almir Ribeiro. As bases biológicas da doença de Alzheimer. Revista Médica De Minas Gerais. 2001; 11(2):92-97.
24. Diniz, Breno Satler de Oliveira and Tavares Junior, Almir Ribeiro. Suicídio: fundamentos para a prática clínica. Revista Médica De Minas Gerais. 2002; 12(4):233-236.
25. Dutra E. Comportamentos autodestrutivos em crianças e adolescentes: orientações que podem ajudar a identificar e prevenir. In: Hutz CS. (Org). Situações De Risco e Vulnerabilidade Na Infância e Na Adolescência: Aspectos Teóricos e Estratégias De Intervenção. Casa Do Psicólogo, São Paulo. 2002:55-87.
26. Elkis, Helio and Daker, Mauricio Viotti. Casos Clínicos do XXI Congresso Brasileiro de Psiquiatria. Rev. Psiq. Clin. SP. 2003; 30(5):155-155.
27. Goyatá, Francisco José dos Reis. Pensamento mágico: crianças, povos primitivos e esquizofrênicos [psicopatologia do pensamento]. Rev. Bras. Psicoterapia. 2002; 4(1).
28. Haase, V. G. ; Lacerda, S. S.; Wood, GMO; Daker, Maurício Viotti, and Peixoto, M. A. L. Estudos Clínicos Iniciais com o Teste de Discriminação de listas (TDL-UFMG). Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre. 2001; 14(2):289-04.
29. Heckert, Uriel and Silva, Juliana de Morais Ferreira. Psicoses esquizofrênicas entre a população de rua. Rev. Psiquiat. Clin. São Paulo. 2001.
30. Jesus, Aidecivaldo Fernandes de. Ensino médico em perspectiva: a implantação da Faculdade de Medicina de Itajubá na conjuntura da reforma universitária de 1968. Mestrado, Dissertação. Pós-Grad. Em Educação. Univ. S.Francisco - Itatiba. 2005.
31. Kummer, Arthur; Maia, D. P.; Salgado, J.; Cardoso, F., and Teixeira Junior, Antonio Lucio. Dopamine dysregulation syndrome in Parkinson's disease. Arq. NeuroPsiquiatria. 2006.
32. Kummer, Arthur; Neves, M.; Caramelli, P.; Cardoso, F., and Teixeira Junior, Antonio Lucio. Alterações comportamentais graves em um caso de Síndrome de Fahr. Arq. NeuroPsiquiatria. 2005.
33. Melo, A. C. and Tavares Júnior, Almir Ribeiro. O estranho caminho de alguns esquizofrênicos: do hospital psiquiátrico para o asilo. Jornal Brasileiro De Neuropsiquiatria Geriátrica, São Paulo, SP. 2002; 3(1 ):23-28.
34. Mezzasalma, Adriana and Tavares Junior, Almir Ribeiro. A atenção como atividade da consciência. Revista Médica De Minas Gerais, Belo Horizonte, MG. 2003; 13(. ):272-275.
35. Mourão, Tatiana T. de Guimarães; Louzã Neto, Mário R., and Miguel Filho, Eurípedes Constantino. Alterações psíquicas nas vasculites. In: COSSERMELLI W. Vasculites. São Paulo. Fundação Para Desenvolvimento Da Reumatologia. 2002.
36. Nery, F. G.; Teixeira Junior, Antonio Lucio, and Daker, Mauricio Viotti. Anorexia nervosa na gravidez: relato de caso. Rev. Brasileira De Psiquiatria. 2003; 24:186-188.
37. Neves, M; Kummer, Arthur; Luciano, L.; Lauar, Hélio; Salgado, J.; Nicolato, R., and Teixeira Junior, Antonio Lucio. Hepatotoxicidade grave secundária a psicofármacos em paciente esquizofrênico e indicação de eletroconvulsoterapia. J.Bras. Psiquiat. 2005.
38. Nicolato, R. ; Correa, Humberto; Romanosilva, M. A., and Teixeira Júnior, A. L. Delusional parasitosis or Ekbom syndrome: a case series. General Hospital Psychiatry. 2006; 28(1):85-87.
39. Pinheiro, Márcio. Suicídio e erro médico. Arq. Bras. De Psiquiatria, Neurologia e Medicina Legal. 2005; 99( 2).
40. Salgado, J. V.; Teixeira Junior, Antonio Lucio, and Rego, R. R. Parafrenia fantástica é esquizofrenia?. Rev. De Casos Clínicos Em Psiquiatria. 2002; 4:27-30.
41. Tavares Junior, Almir Ribeiro. Depressive disorder x antidepressants. Heart Online, England. 2005.
42. ---. Shouldn't Galantamine be considered? British Medical Journal. 2001.
43. Tavares Junior, Almir Ribeiro org. Neuropsiquiatria Geriátrica. Rio De Janeiro: Guanabara Koogan. 2005.
44. Tavares Júnior, Almir Ribeiro and Azevedo. C. Demência com corpos de Lewy. Rev. Psiquiatr. Clin. SP. 2003; 30(1):29-34.
45. Teixeira, Antonio Lucio; Maia, D. P., and Cardoso, F. Psychosis associated with acute Sydenham´s chorea. Movement Disorders. 2005; 20 (10):s7.
46. Teixeira Junior, Antonio Lucio. Correlação entre transtornos neuropsiquiátricos e infecção estreptocócica [letter]. Rev. Bras. Psiquiatr. 2002; 24:101. Notes: letter
47. ---. Coréia de Sydenham: um modelo de transtorno neuropsiquiátrico autoimune?. Rev. Psiquiatria Biológica. 2003; 11:133-135.
48. ---. PANDAS e a hipótese imunológica no transtorno obsessivo-compulsivo [letter]. R.Psiquiatr. RS. 2004; 26:220-221. Notes: letter
49. ---. Revision de artigo: Studies characterizing 60 kDa autoantibodies in subjects with schizophrenia. Rev. Psiquiatria Biológica. 2003; 11:99-100.
50. Teixeira Junior, Antonio Lucio and Alvarangasilva, H. Transtorno obsessivo-compulsivo na infância e na adolescência.. Revista De Psiquiatria e Psicanálise Com Crianças e Adolescentes. 2004; 5(11):15-16.
51. Teixeira Junior, Antonio Lucio and Alvarengasilva, H. Clínica e terapêutica do primeiro episódio de esquizofrenia. Psiquiatria Biológica, v. 11, p. 91-97, 2003. Rev. Psiquiatria Biológica. 2003; 11:91-97.
52. Teixeira Junior, Antonio Lucio and Alvarengasilva, H. Novas Perspectivas no tratamento farmacológico da esquizofrenia: agonistas de glicina.. Rev. Psiquiatria Biológica. 2002; 10:73-80.
53. Teixeira Junior, Antonio Lucio and Cardoso, F. Demência com corpos de Lewy: clínica e terapêutica. Revista Neurociências. 2005; 13(1):28-33.
54. Teixeira Junior, Antonio Lucio and Cardoso, F. Factitious disorder in a patient with advanced Parkinson´s disease. Arq. De NeuroPsiquiatria. 2005; 63(2A):324-326.
55. Teixeira Junior, Antonio Lucio; Filgueira, P., and Correa, H. Suicídio nos transtornos ansiosos.. In: H Correa; S Perez. (Org.). Suicídio, Uma Morte Evitável. 2006.
56. Teixeira Junior, Antonio Lucio and Salgado, J. V. Sintomas psiquiátricos na doença de Parkinson. Rev. De Casos Clínicos Em Psiquiatria. 2002; 4:9-11.
57. Teixeira Junior, Antonio Lúcio and Cardoso, Francisco. Neuropsiquiatria dos núcleos da base. J. Bras. Psiquiat. 2004; 53(3):153-158.
58. Teixeira Junior, Antonio Lucio. Sintomas clínico-neurológicos inexplicáveis podem indicar síndromes depressivas. Rev. Bras. Psiquiatr. 2004; 26(4):277-278.
59. Teixeira, Antonio Lucio and Salgado, J. V. Epilepsia: uma revisão para o psiquiatra.. Rev. Psiquiatria Biológica. 2004; 12(3):107-114.
60. Tolentino, F. L. and Tavares Junior, Almir Ribeiro. Acidente vascular cerebral isquêmico: fundamentos para a intervenção clínica no paciente idoso. Jornal Brasileiro De Neuropsiquiatria Geriátrica, São Paulo, SP. 2002; 3(1):15-22.
61. Vieira, Claudia and Tavares Júnior, Almir Ribeiro . Restrição calórica e aumento da longevidade. Revista Médica De Minas Gerais, Belo Horizonte, MG. 2002; 12(02):99-103.
62. Volpe, Fernando Madalena and Tavares Júnior, Almir Ribeiro. Maniac patients receiving ECT in Brazilian sample. J. Affective Disorders. 2004; 79( 1-3):201-208.
63. Volpe, Fernando Madalena; Tavares Júnior, Almir Ribeiro, and Correa, Humberto. Naturalistic evaluation of inpatient treatment of mania in a private Brazilian psychiatric hospital. Rev. Bras. Psiquiatr. 2003; 25(2):72-77.
64. Volpe, Fernando Madaleno and Tavares Junior, Almir Ribeiro. Impact of ECT on duration of hospitalizations for mania. The Journal Of Ect, Philadelphia. 2003; 19(1):17-21.

(Anotação).
Volto a afirmar que esse registro bibliográfico é basicamente, de artigos psiquiátricos publicados em revistas indexadas. Não foram considerados os artigos publicados em revistas psicanalíticas, com algumas exceções. Excelentes contribuições publicadas no "O Risco", no "Jornal Mineiro de Psiquiatria" e outras publicações congêneres, não estão sendo relacionados, pois não obedecem o critério da indexação. Agradeço a ajuda de alguns psiquiatras mineiros, que me enviaram material, eximo-os de qualquer responsabilidade por opiniões ou seleção de material por mim realizas. Tive acesso a História da Psiquiatria Mineira de JJ Moretzsohn, graças ao Dr. Walter Camargos Jr.
O livro de Lopes Rodrigues, O Louco, chegou às minhas mãos graças ao Dr. Wagner Alves. A bibliografia de Psicofarmacologia está comigo graças ao Dr. Fábio Leite Rocha.
(continua)
:


TOP