Volume 22 - Novembro de 2017
Editor: Giovanni Torello

 

Março de 2005 - Vol.10 - Nº 3

História da Psiquiatria

A Psiquiatria Brasileira: 1966

Walmor J. Piccinini

A história da psiquiatria consiste essencialmente de avaliações dos tratamentos psiquiátricos ao longo do tempo e da apresentação da vida e obra de psiquiatras do passado. Isso não é suficiente para preencher os requisitos da moderna historiografia. É necessário considerar as informações dentro do contexto histórico e das idéias prevalentes. Por ex. no final do século XIX o racismo científico, o darwinismo social, em oposição ao individualismo extremo de Nietzche e Wagner. As guerras mundiais, as ditaduras, o comunismo e as conseqüências na maneira de encarar a história.

Joseph Agassi em seu capítulo “Towards an Historigraphy of Sccience (Suppl.2. History and Theory. The Hague: Morton, (1963), discute se a história da ciência deve ser escrita do ponto de vista “Indutivista” ou pelo método “Convencionalista”.

O “Indutivista” considera os eventos do passado sob o ponto de vista do nosso conhecimento atual. Tendem a escrever a história da ciência, não da maneira que ela é, mas pelo o que ela deveria ter sido, dando ênfase aos erros e descobrimentos em termos de claro ou escuro, desta forma tendem a desconsiderar o momento e as influências culturais e seu autolimite pela seqüência do desenvolvimento científico que são apresentados da mesma forma acrítica. Esse tipo de visão encontrou inesperado apoio nos marxistas, para os quais os interesses sociais e econômicos são sempre a causa.

Artigos publicados em Psiquiatria on-line sobre a psiquiatria brasileira tomando por base as publicações em revistas científicas nacionais e comparando-as com artigos do American Journal of Psychiatry e nos Archives of General Psychiatry.

Psiquiatria Brasileira na década de 60 (I)
http://www.polbr.med.br/arquivo/wal1001.htm

A Psiquiatria brasileira na década de 60 (II)
http://www.polbr.med.br/arquivo/wal1101.htm

Psiquiatria Brasileira: 1960
http://www.polbr.med.br/arquivo/wal0903.htm

Psiquiatria Brasileira: 1961
http://www.polbr.med.br/arquivo/wal1003.htm

Psiquiatria Brasileira: 1962
http://www.polbr.med.br/arquivo/wal1103.htm

O ano de 1963 e a psiquiatria brasileira
http://www.polbr.med.br/arquivo/wal1203.htm

A psiquiatria brasileira em 1964
http://www.polbr.med.br/arquivo/wal0104.htm

A psiquiatria brasileira e o ano de 1965
http://www.polbr.med.br/arquivo/wal0504.htm

Do Índice Bibliográfico Brasileiro de Psiquiatria extraí 117 publicações psiquiátricas no ano de 1966. As Revistas mais importantes em termos de publicações foram:

  1. J. Bras. Psiquiat. 27 artigos
  2. Revista Psiquiatria Dinâmica. 18
  3. Revista de Psiquiatria (C.E. Eiras-RJ) 15
  4. A Folha Médica. 10
  5. Revista Neurobiologia, Recife. 08
  6. A Tribuna Médica. 05

Entre as 117 publicações, apenas três o foram em revistas internacionais. Uma delas era do então jovem pesquisador João Romildo Vieira. O Dr. João Caruso Madalena, com 12 artigos foi o psiquiatra que mais publicou no ano. Registro a tese de Livre-docência da Professora Helena Calil sobre a Psicobiologia das depressões e abordava as doenças sazonais.

Num apanhado geral sobre as publicações podemos deduzir que a psiquiatria brasileira em 1966 era grandemente influenciada pelo pensamento psicanalítico, as idéias de Comunidade Terapêutica introduzidas em Porto Alegre em 1960, espalhava-se pelo país e começavam a surgir trabalhos de reabilitação de pacientes cronificados residentes em macro-hospitais. Isaías Paim iniciava um trabalho de coleta bibliográfica que teve em mim um seguidor com mais recursos. Ele conseguia reunir trezentas e poucas citações, nós temos 14 mil. Dois trabalhos sobre enantato de flufenazina referiam a esperança de um tratamento, a longo prazo, com adesão, de pacientes cronificados.

No JBT encontramos o discurso de posse de José Leme Lopes na direção da Faculdade de Medicina da UFRJ. (1.04.1966) As preocupações eram a pressão dos excedentes por mais vagas, a ausência de um hospital-escola. Havia referências a possibilidade de conclusão do HC na Ilha do Fundão, para tal tinham refeito o projeto de um hospital para dois mil leitos, para um de 600 leitos. Quem lê hoje o discurso nem imagina que foi feito em plena ditadura, não há referência ao governo federal.

Nesse mesmo ano de 1966 foi fundada a Associação Brasileira de Psiquiatria tendo o Professor Leme Lopes escolhido como seu primeiro presidente. Vida associativa e abp http://www.polbr.med.br/arquivo/wal0101.htm e A Fundação da Associação Brasileira de psiquiatria: Ata de fundação http://www.polbr.med.br/arquivo/wal1002.htm

É significativa a diferença de ações da psiquiatria brasileira se comparada com a americana. Os psiquiatras brasileiros começavam a entrar nos macro-hospitais para transforma-los. Os psiquiatras americanos saíam dos os hospitais e iam para a comunidade. Do American Journal of Psychiatry de 1966 extraímos do discurso do novo presidente da APA, Dr. Howard P. Rome, alguns pontos de vista. O título do discurso é Psiquiatria e Mudança Social um subtítulo seria “A Psiquiatria agora está na Comunidade”. Comenta que gerações anteriores construíram asilos, manicômios e retiros para os alienados e isso foi uma solução ilusória, não conseguiram ser, nem escudo, nem obtiveram sucesso no trato dos doentes mentais. Todo homem tem direito, a igualdade e a dignidade. Para o melhor ou para o pior, a psiquiatria escolheu defender os direitos dos despossuídos.

Dos inúmeros trabalhos do AJP selecionei dois assuntos interessantes e até surpreendentes: Em 1966 Schalgenhauf,G e Tupia, J. publicaram “O uso do Carbonato de Lítio no Tratamento das Psicoses Maníacas”. (pág.201-207). Foi numa comunicação breve apoiada pelo Dr. Lawrence Kolb nos comentários. Desde 1949 depois do primeiro trabalho de Cade e inúmeros trabalhos na Europa, os americanos começaram a pensar a utilizar o Lítio.

Num editorial assinado por Ruth Fox, o AJP apresenta a mensagem do Pres. L.Johnson ao Congresso Americano (Health and Education Message to Congress) onde o alcoolismo passa a ser considerado doença. Trechos da mensagem:

“O alcoolista sofre de uma doença que deverá ser detida pelo adequado tratamento e pela pesquisa científica. Mesmo em nosso atual limitado conhecimento, muito pode ser feito para reduzir o sofrimento e perda causada por essa aflição”.

Eu instruo o Secretário da Saúde, Educação e Bem Estar para:

  1. Estabelecer no Serviço Público de Saúde um Centro para pesquisar as causas, prevenção, controle e tratamento do alcoolismo.
  2. Desenvolver um programa educacional de forma a fornecer ao público a compreensão baseada em fatos científicos e;
  3. Colaborar com agências públicas e privadas para incluir essa doença nos programas de saúde.

Nesse mesmo ano de 1966 a Associação Psiquiátrica Americana teve que tomar posição pública em relação ao LSD e a “Narcotic Addiction” que começavam a escapar do controle.

Numa série de artigos sobre a psiquiatria no mundo, Eugen Brody escreveu “On the Psychiatry of Latin America (pág. 475). O autor foi muito vago nas suas apreciações, começa salientado a diversidade cultural da América do Sul. Como digno de nota registro: “a psiquiatria latino-americana respeita a lógica, princípios básicos e história. Ela é influenciada pela contribuição de pensadores europeus. Seus professores sofreram a influência dos pensadores franceses e alemães, gigantes no nosso campo. A psiquiatria latino-americana está recém descobrindo o impacto dos fatores sociais, econômicos e políticos na conduta humana. Pesquisa epidemiológica começa a ser feita em algumas áreas e estudos fundamentais dos efeitos da migração e mudança cultural em relação aos distúrbios psiquiátricos foram publicados. A psiquiatria latino-americana descobriu sua rica herança folclórica, ritual primitivos e plantas nativas, sua importância no diagnóstico e tratamento da doença mental. Em comum com a psiquiatria dos Estados Unidos da América, ela atinge relativamente poucos dos que necessitam ajuda e, talvez, ao contrário dos EUA ainda não desenvolveu abordagem comunitária (que necessitaria de um forte desenvolvimento econômico na sua base) “.

Bibliografia 1966

  1. Andrade, Oswald M. Tentativa de Suicídio por maníaco-depressiva de forma delirante. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(9): 53-57.
  2. Araújo, Deusdedit. Psicoterapia e psicotrópicos. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(9): 36-42.
  3. Arieti, S. Transferência e Contra-transferência no tratamento de pacientes esquizofrênicos. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2-3):163-173.
  4. Arruda, Elso. Síndrome de Opressão. Rio De Janeiro, Ed. Fundação Getúlio Vargas. 1966.
  5. Asmar, William. Considerações sobre as relações objetais. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(1): 75-77.
  6. Azoubel Neto, David and Cione, V. J. Terapia Ocupacional no hospital diurno no Departamento de Psicologia Médica e Psiquiátrica na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2-3):219-230.
  7. Azulay, Jacob D. Estudo do papel do "ovelha negra" no grupo terapêutico. J Bras Psiquiat. 1966; 15(1):15-23.
  8. Azulay, Jacob D. Principles and technique of group interpretation. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2-3):145-161.
  9. Bastos, Fernando de O. Conceito, limites e conexões recíprocas da Neurologia e da Psiquiatria. Bol. Clin. Psiquiat. FMUSP . 1966; 5(2):67-76.
  10. Bastos, Othon. Comunidade Terapêutica: conceito. Rev. Neurobiologia, Recife. 1966; 29(1): 27-38. Notes: Mesa Redonda sobre Comunidade Terapêutica; congresso de Fortaleza, 1965.
  11. Bastos, Othon. Novas considerações sobre um projeto de comunidade terapêutica. Rev. Neurobiologia, Recife. 1966; 29(2): 61-73.
  12. Blaya, Marcelo. Indicações das diversas formas de psicoterapia: de apoio, sugestiva e psicanalítica. In Paiva.L.M. Psicossomática; Psicopatologia e Terapêutica. 1966.
  13. Blaya, Marcelo. O tratamento de psicóticos pela psicoterapia psicanalítica de grupo. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(1): 33-52.
  14. Blaya, Marcelo. Relação médico-paciente. Rev.Med.Porto Alegre. 1966; I(1): 11-28.
  15. Blaya, Marcelo. A Utilização de Drogas no Tratamento Psiquiátrico. Rev.De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(1):1-26.
  16. Bueno J.Romildo and Himwich HE. An EEG study of 2-phynyl-3-ethylaminobicyclo-(2,2,1)-hepatane HCl (fencamfamin hydrochloride). Life Sci. 1966; 5(4): 299-308.
  17. Busnello, Ellis A. D. Notas Sobre uma Experiência no Atendimento Hospitalar do Alcoolista. Rev.De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(4): 198-204.
  18. Cabaleiro, Goas M. Sobre o "Humor e a percepção delirante". J Bras Psiquiat. 1966; 15(2): 121-143.
  19. Calil. Helena M. Psicobiologia das depressões: importância do curso longitudinal da doença e a redescoberta dos quadros sazonais. Livre-Docência. Esc. Paulista De Medicina. São Paulo. 1966; 1-169.
  20. Campinho Pereira, J. L. Nossa experiência com um derivado iminostilbenico nas manifestações críticas e intercríticas das alterações do lobo temporal. A Folha Médica. 1966; 52:67.
  21. Campos, J. S. O emprego de uma nova benzodiazepínica na clínica psiquiátrica. Rev. O Hospital. 1966; 70(1): 75-79.
  22. Canton, O. E. Enantato de flufenazina. Rev. Bras. Med. 1966; 23(9): 627-632. Notes: Idem REV.C.E. Gaba Velloso. 1(2); 43-49, 1970.
  23. Capuzzo, Nilza de S. Tentativa de Uma Experiência com Grupos de Características Operativas. Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(4): 170-172.
  24. Carpilovsky. José Carlos. Fase oral da cena primária na terapia de grupo. J Bras Psiquiat. 1966; 15(2): 211-218.
  25. Carvalhal, J. P. Fróes da Fonseca - Traços de sua personalidade. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(4): 351-356.
  26. Cerqueira, Luiz. Nosografia e Variáveis. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2):
  27. Cesare, L. C. and Carlini, Elisaldo A. Potenciação dos efeitos farmacológicos da histamina pela reserpina e tetrabenazina. Rev.Ciência e Cultura. 1966; 18:184.
  28. Chebabi, Wilson L. A study on the concept of the Paranoyd syndrome. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2-3):175-194.
  29. Cheffe, Ely A; Faria, Carlos G.; Fonseca, Paulo; Sander, Sinay, and Célia Salvador. Estruturação de Ambientoterapia em um Setor de Crônicos. Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(4): 173-178.
  30. Cheffe, Ely A.; Souza, Dursulina; Bartzch Aigil ; Candido, Ivone M., and Silva , Luiz O. T. Estatística em um Setor de Crônicos . Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(4): 184-192.
  31. Contel, José Onildo B. and Azoubel Neto, David. O uso de atividades lúdicas na formação de grupos de pacientes psicóticos crônicos. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(1): 53-61.
  32. Contini, Lásaro. Crime de Homicídio praticado por personalidade hipertímica (Supostamente Homossexual) Não incluído nas condições do art.22, nem de seu parágrafo único do Código Penal. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(9): 43-52.
  33. Contini, Lásaro. Psicose maníaco-depressiva e aplicações Forenses. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(10): 163-175.
  34. Corrêa, Flávio R; Brunstein, Sueli G.; Reckziegel, Isabel, and Cauduro, Ana Maria. Aspectos da integração do Psicólogo e do assistente Social na Equipe Psiquiátrica. Rev. Neurobiologia, Recife. 1966; 29(1): 39-43.
  35. Costa, Antonio de Souza. Modernos psicotrópicos: significação terapêutica dos modernos psicotrópicos. Rev. Neurobiologia, Recife. 1966; 29(1): 18-22.
  36. Duarte, J. Pinto. O Adolescente portador de paralisia cerebral. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(9): 19-29.
  37. Eye, Gunther V. and Pellanda Luiz E. Efeitos Colaterais com os Fenotiazínicos -Observações Iniciais do Serviço de Agudos. Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(1): 28-31.
  38. Faria, Carlos G. Agranulocitose como Efeito Colateral da Promazina. Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(1): 33-35.
  39. Fragata, Júlio. Husserl e o movimento fenomenológico. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(9): 16-18.
  40. Freitas Júnior, José Otávio. Personalidade e epilepsias. J.Bras.Psiquiat. 1966; 16(2): 129-186.
  41. Garcia, J. Alves. Efeito catatonizante da mostarda nitrogenada em esquizofrênicos. Rev. Bras. Med. 1966.
  42. Garcia, J. Alves. Ensino da Psicologia no Curso Médico (Natureza e peculiaridade da relação do médico com o doente). Revista De Psiquiatria. 1966; 5(10): 103-116.
  43. Garcia, J. Alves. Síndromes pré-esquizofrênicas nos adolescentes. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(9):3-15.
  44. Goás, M. C. Sobre el "Humor y la percepción delirante". J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2-3):121-143.
  45. Góes, J. A. Terapêutica da ansiedade (novos ensaios clínicos com a flufenazina). A Folha Médica. 1966; 53(5): 817-824.
  46. Grabowski, J. R. Observações e resultados clínicos no tratamento das depressões pelo G-(35020 Desipramina). Rev. Bras. Med. 1966; 23(5): 362-365.
  47. Guedes, Paulo L. V. Ensino de Psicologia no Currículo Médico. Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(2): 65-76.
  48. Hoshino, K. and Carlini, Elisaldo A. Efeitos da administração crônica de Cannabis sativa (maconha) sobre o comportamento agressivo induzido em camundongos por isolamento. Rev.Ciência e Cultura. 1966; 19:114.
  49. Knijnik, Carlos T. Alguns aspectos psicodinâmicos de um caso de "folie a deux". Rev. Neurobiologia, Recife. 1966; 29(2): 79-86.
  50. Knijnik, Leão H. Urgências Psiquiátricas, seu Tratamento Imediato. Rev. AMRIGS. 1966; 10(2):15-25.
  51. Krynski, Stanislau. Serviços de Psiquiatria Infantil em hospital geral. Acta Psiq.Psicol. Amer. Latina. 1966; 11(77).
  52. Lacerda, Cesarina. Contribuição do Serviço Social para o reajustamento dos pacientes egressos de uma clínica psiquiátrica. Rev.Neurobiologia, Recife. 1966; 29(2): 95-108.
  53. Leme Lopes, José. Aspectos psicossomáticos do glaucoma. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(1): 5-13.
  54. Leme Lopes, José. Aula inaugural. J Bras Psiquiat. 1966; 15(1): 63-73.
  55. Leme Lopes, José. Discurso de posse na direção da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(1): 63-73.
  56. Lima, I. M. et al. Effects of Strychnine and Amphetamine on Ribonucleic Acid Content in Brain and Liver of Rats. Pharmacol.Med.Exp. 1966; 15(1).
  57. Lima, J. F. S. Envenenamento de duas pessoas pela trombeteira. Gazeta Médica Da Bahia. 1966; 1:67-68.
  58. Linardi, L. M. Contribuição ao estudo de um novo psicotrópico (Oxazepam WY-3498) como coadjuvante em psicoterapia. A Folha Médica. 1966; 53(6): 949-56.
  59. Lopes, Ernani and Elejalde, Paulo. Tipo juvenil da doença de Alzheimer. Estudo anátomo-clínico. Rev.Do Centro Psiquiátrico Nacional. 1966; 1(1): 45-66.
  60. Loreto, Galdino. Sugestões para uma revisão da atual legislação sobre assistência psiquiátrica. Rev. Neurobiologia, Recife. 1966; 29(1): 11-17. Notes: Mesa redonda: Atual Legislação sobre Assistência Psiquiátrica. Congresso de Fortaleza 1965
  61. Loyello, Washington. Síndrome de despersonalização. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2): 243-249.
  62. Madalena, J. Caruso. Associações psiquiátricas medicamentosas. Rev.Bras Med. 1966; 22(9 ):572-577.
  63. Madalena, J. Caruso. Novo euhipnico - RO 5-6901(Flurazepam); pesquisa e posologia e ensaios comparativos com o RO 4-5360. A Folha Médica. 1966; 52(6): 559-568.
  64. Madalena, J. Caruso. O aspecto atual da investigação clínica com drogas em função da investigação farmacêutica. A Tribuna Médica. 1966; 313:44.
  65. Madalena, J. Caruso. O uso do cloridrato de flufenazina em pequenas doses nos estados de tensão e ansiedade. A Folha Médica. 1966; 52(3): 181-193.
  66. Madalena, J. Caruso. Os psicotropos em gastroenterologia (I). A Tribuna Médica. 1966:318-326.
  67. Madalena, J. Caruso. Os psicotropos em gastroenterologia (II). A Tribuna Médica. 1966:319-322.
  68. Madalena, J. Caruso. A pesquisa terapêutica com drogas psicotrópicas no Brasil. A Folha Médica. 1966; 53(1): 167-173.
  69. Madalena, J. Caruso. A psicofarmacologia na terapêutica psiquiátrica. Ensaio de um confronto entre a quimioterapia e os métodos biológicos pelos períodos de remissão de esquizofrênicos re-hospitalizados. A Folha Médica. 1966; 52(1): 31-38.
  70. Madalena, J. Caruso. A Psiquiatria transcultural - à margem de uma crítica. Revista De Psiquiatria. 1966; 9:30.
  71. Madalena, J. Caruso. A quimioterapia psicossomomimética. Tribuna Médica. 1966; 311:8.
  72. Madalena, J. Caruso. A relação entre depleção catecolamínica e ação neuroléptica. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(10): 157-162.
  73. Manhães, Maria P. et al. Mania. J Bras Psiquiat. 1966; 15(4): 309-331.
  74. Martins, Clóvis and Cesarino, Antônio Carlos. Manifestações psicosensoriais na Epilepsia e na esquizofrenia (estudo sobre nove casos). Bol. Clin. Psiquiat. FMUSP. 1966; 1:3-13.
  75. Martins, Cyro. A Criação Artística e a Psicanálise. Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(2): 65-76.
  76. Medeiros, Maurício de. Conceito de erro de pessoa sob o ponto de vista psiquiátrico. Rev.Neurobiologia, Recife. 1966; 29(2): 47-60.
  77. Miranda, Ruy. Tensão pré-menstrual e criminalidade. Arq.De Neuro-Psiquiatria. 1966; 24(2): 118-121.
  78. Mostardeiro.Antônio L.B. Aspectos compreensivos do delírio de um Uxoricida. IV Jornada De Psiq. Dinâmica - Caxias Do Sul, 1966. 1966.
  79. Mostardeiro.Antônio L.B. and Guedes Paulo Sergio Rosa. Aspectos da Inter-relação agressor-vitima. IV Jornada De Psiq. Dinâmica -Caxias Do Sul, 1966. 1966.
  80. Navarro, M. P.; Assis, L. M., and Martins, Clóvis. Resultados clínicos com o Trifluoperidol em pacientes esquizofrênicos. Rev. AMB. 1966; 12(12): 497-501.
  81. Oliveira, Walderedo I. et al. Princípios e técnica da interpretação de grupo. J Bras Psiquiat. 1966; 15(2): 145-161.
  82. Paim, Isaías. Aspectos da Hebefrenia. J Bras Psiquiat. 1966; 15(1): 79-93.
  83. Paim, Isaías. Suicídio nos Epilépticos. Revista De Psiquiatria. 1966.
  84. Paim, Isaías and Madalena, J. Caruso. Bibliografia brasileira de psicofarmacologia. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(10): 201-211.
  85. Paim, Isaías. Bibliografia Brasileira de Neurose. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(9): 70-83.
  86. Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um novo antidepressivo indólico: Iprindol (WY-32-63). A Folha Médica. 1966; 53(3): 145-152.
  87. Paprocki, Jorge. O IV Congresso Mundial de Psiquiatria - Madrid. A Tribuna Médica. 1966; 320:42-43.
  88. Paprocki, Jorge; Xavier, G.;Dutra, E.; Fonseca, J.; Tollendal, J.; Pinto, M.; Guimarães, M. C.; Barreto, F. P., and Xavier, F. Ensaios clínicos com um neuroléptico fenotiazínico: enantato de flufenazina (SQ 16,144) . A Folha Médica. 1966; 52(4): 85-96. Notes: (Tratamento de 40 pacientes esquizofrênicos durante um período de sete meses)
  89. Pechansky, Isaac; Santos, Moacir G.;Zimerman, David E.; Pellanda , Luiz E., and Cheffe, Ely A. Reformulação de Atendimento e Estruturação de uma Grande Área Populacional do Hospital Psiquiátrico São Pedro . Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(4): 151-164.
  90. Penna, J. Meirelles Reis et al. Resultados clínicos do emprego do RP 8909 - Neuleptil, em psiquiatria infantil. Rev. O Hospital. 1966; 70(4): 973-9.
  91. Péres, Heitor. Tratamento Moral e Praxiterapia Integral. Rev.Bras.De Saúde Mental. 1966; 1(1): 66-69.
  92. Piccoli, Beatriz; Reckziegel Isabel, and Medeiros Álvaro. Relato de Uma Experiência num Serviço de Psiquiatria Infantil. Rev. De Psiquiat.Dinâmica. 1966; 6(4): 193-197.
  93. Pinheiro, Marcio V. Impressões de 3 anos de residência num hospital universitário norte-americano. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2-3):251-253.
  94. Pires, Nelson. Fisiologia e terapêutica neuro-vegetativa em clínica psicossomática. Rio De Janeiro, Ed. Part. 1966.
  95. Pires, Nelson. Valor e limite do "compreender" em clínica psiquiátrica. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(10): 117-152.
  96. Reis, M. A. A desipramina no tratamento das depressões em regime de ambulatório e em regime hospitalar. Rev. O Hospital. 1966; 69(5): 1045-1050.
  97. Ribas, J. Carvalhal. Higiene Mental na Indústria. In: Veiga De Carvalho H Et Al. O Fator Humano Na Indústria. S.Paulo Edanee. 1966:29-88.
  98. Rocha, Frederico. Kafka e a Psicopatologia. Revista De Psiquiatria. 1966; 5(10):153-156.
  99. Salustiano, J. et al. Effects of Cannabis sativa ( Marihuana) and Chlorpromazine on Mice as Measured by two Methods Used for Evolution of Tranquilizing Agents. Pharmacol.Med.Exp. 1966; 15:153.
  100. Santos, M. et al. Effects of Cannabis sativa (Marihuana) on the Fighting Behavior of Mice. Psychopharmacologia, Berlim. 1966; 8:437.
  101. Santos, Moacir G. et al. Assistência a Psicóticos Através de Reuniões Pré-Comunitárias. Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(4): 165-169.
  102. Schiller, M. B. Difusão osmótica de soluções muito diluídas na diálise do cobre. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(1): 25-32.
  103. Schiller M.B. O cobre no líquido cerebrospinal. J Bras Psiquiat. 1966; 15(2): 204-209.
  104. Schneider, Galina. Síndrome de despersonalização. J.Bras.Psiquiat. 1966; 15(2-3):243-249.
  105. Schwartz, Curt E. As Ciências Naturais e a Teoria Freudiana dos Instintos - Segunda Parte Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(2): 77-83.
  106. Silveira, Nise da. 20 anos de terapêutica ocupacional em Engenho de Dentro(1946 -1966). Rev. Bras.De Saúde Mental. 1966; 12.
  107. Suliano Filho, Manoel. Dinâmica de um Hospital de saúde mental - tratamento global. Rev. Neurobiologia, Recife. 1966; 29(3): 117-120.
  108. Teixeira, D. and Miahira, A. R. "Double-blind test" com o RO 4-5360 (nitrazepam) e heptabarbital. Rev. O Hospital. 1966; 69:499.
  109. 109. Traldi, S. Emprego do enantato de flufenazina em esquizofrênicos crônicos. A Folha Médica. 1966; 52(2): 261-277. Notes: Idem C.E. Galba Velloso. 1(2)60-73,1970
  110. Traldi, S. Tratamento biológico e medicamentoso das neuroses. Rev. Bol.C.E. Franco Da Rocha. 1966; 2:1-9.
  111. Uchôa. Darcy M. A educação psicológica no currículo médico. J Bras Psiquiat. 1966; 15(4): 333-349.
  112. Uchôa, Darcy M. O ensino da psicologia no currículo médico. J. Bras. Psiquiat. 1966; 15(4).
  113. Vieira, Maria Inêz de M. Serviço Social num Setor de Crônicos. Rev. De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6(4):179-183.
  114. Zimmermann, David et al. Anotações sobre a equipe terapêutica de um serviço para doentes mentais agudos. Rev.De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6:123-129.
  115. Zimmermann, David et al. Anotações sobre a relação entre Psiquiatria e paciente em um serviço para tratamento de doentes mentais agudos. Rev.De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6:130-139.
  116. Zimmermann, David et al. Aspectos do atendimento de familiares de um serviço de doentes mentais agudos. Rev.De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6:140-147.
  117. Zimmermann, David et al. Funcionamento de um serviço para tratamento de doentes mentais agudos. Rev.De Psiquiat. Dinâmica. 1966; 6:130-139.

TOP