Volume 22 - Novembro de 2017
Editor: Giovanni Torello

 

Maio de 2004 - Vol.9 - Nº 5

História da Psiquiatria

A Psiquiatria Brasileira e o ano de 1965

Walmor J. Piccinini

Quando penso na psiquiatria dos anos 60 tenho a nítida impressão que ela estava em grande ebulição criativa. Examinando objetivamente a produção científica daqueles anos vou tendo que repensar muitas idéias. De repente me dou conta que eu vivia uma época extremamente produtiva da minha vida pessoal e, talvez esse fato me fizesse olhar para o que acontecia à minha volta com o mesmo entusiasmo. Estudante de medicina, trabalhando na Clínica Pinel de Porto Alegre sentia muito orgulho do trabalho que era realizado sob a liderança de Marcelo Blaya. A idéia de estar revolucionando o atendimento hospitalar psiquiátrico no país aos poucos ia fazendo parte do nosso imaginário. Unidades mistas, comunidade terapêutica, equipe psiquiátrica, hospital-dia, hospital-noite, hospital de orientação psicodinâmica, grupos operativos, acompanhamento por ATs, tudo era novidade. Jovens médicos vinham de diferentes partes do país para receber essa nova formação psiquiátrica. Unidades similares eram abertas em outras partes do país. Soma-se isso o fato de estar me formando no ano de 1965 e fazendo a opção pela psiquiatria.

A democracia vivida dentro de um hospital psiquiátrico contrastava com o mundo real em que os apertos da ditadura iam progressivamente interferindo na vida dos brasileiros. As reuniões comunitárias, os grupos as discussões clínicas intra-hospital, contrastavam com as limitações associativas e as cassações de opositores. Vivíamos o segundo ano da ditadura, as publicações científicas atravessavam momentos de dificuldade. O Jornal Brasileiro de Psiquiatria publicou apenas duas revistas no ano. Volume 14; (1 e 2) e Volume 14; (3 e 4). Os artigos eram divididos, metade sobre grupoterapia analítica e a outra metade sobre novos medicamentos. No número 1 de 1965 aparecia pela primeira vez no JBP, nome de um jovem pesquisador, bolsista do CNPQ. J.Romildo Bueno, descrevendo a sua experiência com um novo neuroléptico, o Triperidol.

Além dos trabalhos que relacionaremos mais adiante, alguns acontecimentos merecem registro. Em 26 de julho de 1965 foi fundada a Associação Catarinense de Psiquiatria, filiada à do Estado da Guanabara. Seu primeiro presidente foi o Dr. José Tavares Iracema e tinha como coordenador científico o Dr. Antônio Santaella. Em 11 de setembro de 1965 foi fundada a Associação Brasileira de Medicina Psicossomática cujo primeiro presidente foi o Dr. Danilo Perestrello. Nessa associação predominavam os analistas, alguns clínicos e raros psiquiatras.

No JBP encontramos um artigo do Dr. J. Caruso Madalena que na época era o mais respeitado pesquisador no que se relacionava a novas drogas. “Considerações sobre os Ensaios Clínicos e sua situação em psiquiatria”.

Conferência do Professor José Leme Lopes sobre “A Psiquiatria e o Velho Hospício publicado no primeiro número do JBP de 1965 retrata com a verve característica desse nobre professor, que neste ano em outubro completa cem anos do seu nascimento, a história do prédio do Hospício Pedro II. Descreve desde a compra do terreno até sua construção e inauguração, os primeiros pacientes. Termina descrevendo sua deterioração, desativação e posterior restauração e reinauguração como sede da Universidade do Brasil. “Do Hospício à Universidade - uma trajetória que poderá servir de lema para outras campanhas.”

Nesse mesmo ano, Nelson Pires lançou seu livro “Clínica Psicossomática”.O Professor Luiz Cerqueira publicou “Pela Reabilitação em Psiquiatria”, um das mais interessantes contribuições desse grande propagador de uma psiquiatria social. O Dr. David Azoubel Neto defendeu doutorado em Psiquiatria na Fac. De Medicina de Ribeirão Preto com o trabalho “Contribuição ao estudo epidemiológico do alcoolismo.

Naquela época eram raras as teses de doutorado, eram mais comuns as de livre-docência.

Os gaúchos tiveram um hiato em suas revistas e publicaram seus artigos, principalmente na Revista de Neurobiologia e em O Hospital.

As publicações ficaram assim distribuídas nas principais revistas:

Jornal Brasileiro de Psiquiatria (18 artigos);.

Neurobiologia (16 artigos);.

Revista Psiquiatria (11);.

O Hospital (9);.

A Folha Médica (4).

Os demais artigos ficaram distribuídos na demais publicações.

No Índice Bibliográfico Brasileiros de Psiquiatria registramos 90 referências bibliográficas que colocamos a seguir

Bibliografia Brasileira de 1965

1. Alencastro, G. G. Uso clínico da benzodiazepinona - resultados observados num grupo de 50 pacientes. Vita Med (Rio De Janeiro). 1965; 12(3):73-76.

2. Andrade, Oswald M. Furto como expressão de imaturidade emocional. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(7):38-44.

3. Andrade, Oswald M. and Moraes, Talvane M. de. Incidência de alcoolismo no pronto-socorro psiquiátrico da Zona Sul (Hospital Pinel do S.N.D.M.). Rev.Bras.De Saúde Mental. 1965; 1:1-20.

4. Annes, Sérgio Paulo. Bases esquizo-paranóides de uma atuação transferencial. Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 28(3):185-208.

5. Araújo, Deusdedit. Psicologia da velhice. Rev.Bras.De Saúde Mental. 1965; 9(1):89-96.

6. Arruda, Elso. Comunidade Terapêutica do Ponto de Vista Antropológico. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(8):106-114.

7. Azoubel Neto, David. Contribuição para o estudo epidemiológico do alcoolismo. Ribeirão Preto . Tese De Doutorado-Fac.Med. Ribeirão Preto-USP. 1965.

8. Baptistete, Eneida; Eva, Antonio Carlos; Penna J.Meirelles Reis , and Arruda, Paulo Vaz. Encephalitis with initial mental symptomatology. A case presenting the clinical and
electroencephalographic characteristics of sub acute sclerosis leukoencephalitis without
corresponding anatomy and pathology. Rev Paul Med. 1965; 67(5):295-302.

9. Barbosa, Oscar; Groisman, M., and Vianna Filho, Ulysses. Notas preliminares sobre a investigação de um novo antiepiléptico (G.32883). J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):5-22.

10. Bastos, Fernando de O.; Cesarino, Antônio Carlos; Carvalho, Henrique M., and Martins, Clóvis. A tioridazina no tratamento das desordens mentais. Ensaio Terapêutico. Bol. Clin. Psiquiat. FMUSP . 1965; 4:213.
Notes: Idem Rev. O Hospital, 70 (3); 679-90, 1966

11. Blay Neto Bernardo . Alguns aspectos da contratransferência no grupo. J Bras Psiquiat. 1965; 14(3):235-243.

12. Blay Neto, Bernardo. Chegada de um novo integrante no grupo. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(3-4).

13. Blaya, Marcelo and Albuquerque Manoel A. A Residência como fator Fundamental na Formação de Psiquiatria. Rev.Neurobiologia, Recife. 1965; 28(3):208-216.

14. Braz, G. Nossa experiência com o emprego da iproniazida em psiquiatria. J. Bras. Psiquiat. 1965; 14(1,2):81-92.

15. Bueno, J. Romildo. Avaliação terapêutica do R.2498 (Triperidol) em pacientes esquizofrênicos hospitalizados. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):81-91.

16. Busnello, Ellis A. D. and Zamel, Noé. Efeito comparativo do clordiazepóxido e do cloridrato de promazina no tratamento do delirium tremens. A Folha Médica. 1965; 51(..):339-342.

17. Camargo, H. A. A flufenazina no tratamento das psicoses: resultado em 100 casos. A Folha Médica. 1965; 50(3):207-212.

18. Cardo, Walter Nelson; Carvalho, Henrique M.; Fortes, J. R. Albuquerque, and Gonçalves, Jayme. Haloperidol em doenças mentais; contribuição clínica. Arq.De Neuro Psiquiatria. 1965; 23(1):37-44.

19. Cardoso, Evandro. Como analisar esquizofrenicos diante do Teatro-Sexo-Afeto. Salvador,BA. Edit Artes Gráficas. 1965.

20. Cardoso, Evandro. Da Psicologia à Psiquiatria. Feira De Santana,BA. Ed. Radamé. 1965; 1-174.

21. Carlini, Elisaldo A. and Kramer, C. Effects of Cannabis sativa (marihuana) on the Maze Performance of the Rat. Psychopharmacologia. 1965; 7:175.

22. Carlini, Elisaldo A. et al. Potentiation of Histamine and Diamine Oxidase by Catatonic Drugs. Biochemical Pharmacology. 1965; 14(1657).

23. Carlini Glasi, R. S. and Carlini.Elisaldo A. Effects of Strychnine and Cannabis Sativa (Marihuana) on the nucleic acid content in the brain of the rats. Med.Pharmacol.Exp. 1965; 12:21.

24. Carpilovsky, José Carlos. Fantasias sobre o ingresso do observador no Grupo terapêutico. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(3-4):277-284.

25. Carvalho, E. N. Considerações éticas sobre terapêutica experimental. Med. De Hoje. 1965; 66.

26. Cerqueira, Luiz. Pela Reabilitação em Psiquiatria. Rio De Janeiro,Ed.Ofic.Gráf.Univ.Do Brasil. 1965.

27. Chalub, Miguel. Considerações sôbre a causa das doenças mentais. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(8):128-135.

28. Di Lascio, Arnaldo and Cavalcante Cheops T. Dermatomiosite em paciente oligofrênica com surtos psicóticos. Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 281(11-32).

29. Di Lascio, Arnaldo and Sette, Paulo. Tentativa de suicídio pela Imipramina. Rev.Neurobiologia,Recife. 1965; 28:43.

30. Dutra Filho, V. Influência do meio familiar na melhora do comportamento da criança epiléptica tratada. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):39-46.

31. Faria, Carlos G.; Schreen, Hans I., and Shansis, Milton. Tratamento psiquiátrico hospitalar em pacientes de Previdência Social. Rev.Neurobiologia,Recife. 1965; 28(3):163-168.

32. Fraletti, Paulo. Uso e abuso de psicotrópicos ( leis e ética). Arq.Dep. Assit.a Psicopatas Do Estado De São Paulo. 1965; 31:5-27.

33. Garcia, J. Alves. A doença de Frederico Nietzche. Rev.Bras De Medicina. 1965; 22(10):624-630.

34. ---. Laudo Psiquiátrico para impugnação de exame baseado em teste psicológico. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(8):136-143.

35. Gonçalves Fernandes, Albino. A Qualidade da Observação e a Personalidade do Observados em Pesquisa Social. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(8):95-105.

36. Graeff, Harri V. Considerações sobre Grupos Operativos. III Jornada Bras. De Psicoterapia De Grupo Rio De Janeiro 1965. 1965.

37. Groisman, M. Aspectos psiquiátricos dos traumatismos cranio-encefálicos. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):131-139.

38. Hoshino, K and Carlini, Elisaldo A. Efeitos da Cannabis sativa (maconha)sôbre a extinção. Rev.Ciência e Cultura. 1965; 17:172.

39. Krynski, Stanislau. Erros iatrogênicos na terapêutica pelos tranquilizantes. Rev. Pediatria Prática. 1965; 36(5):154-159.

40. Leme Lopes, José. Psiquiatria e o velho hospício. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):117-130.

41. ---. Temas de Psicologia. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(3-4):285-309.

42. Lippman, Hans L. Múltiplas e complexas motivações do crime esquizofrênico. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(8):144-152 .

43. Loreto, Galdino. Contribuição do aconselhamento psicológico para a saúde mental do universitário. Rev.Neurobiologia,Recife. 1965; 28(..):283-296.

44. ---. Vocação médica- Psicologia do Estudante de Medicina. Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 28(1):7-89.

45. Lucena, José. Alguns problemas brasileiros de saúde mental. Rev.Neurobiologia,Recife. 1965; 28(3):217-254.

46. Lucena, José. Raízes e tendências da psiquiatria no Brasil. Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 41(Supl.):5-48.

47. Madalena, J. Caruso. Aspectos atuais da psicofarmacologia. Trib.Med. 1965; 321:14-16.

48. Madalena, J. Caruso. Avaliação clínica preliminar do RO 5-3608. A Folha Médica. 1965; 50:119.

49. Madalena, J. Caruso. Avaliação de efeito euhípnico de dois derivados benzodiazepínicos - RO 4-5360 e RO 4-8180 -pelo método da análise seqüencial. Rev. O Hospital. 1965; 67(2):293-298.

50. Madalena, J. Caruso. Considerações sobre os ensaios clínicos e sua situação em psiquiatria. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):47-70.

51. Madalena, J. Caruso. A Desipramina metabólito III da Imipramina no tratamento dos estados depressivos. Reista De Psiquiatria. 1965; 4(7):22-37.

52. Madalena, J. Caruso. A impressionante ação euhípnica do Ro 4-5360( Nitrazepam) em relação ao fenobarbital. Avaliada pelo método da análise sequencial. Rev. O Hospital. 1965; 67(2):293-298.

53. Madalena, J. Caruso. Oxazepan-Ensaio clínico com um novo benzodiazepínico-A significação terapêutica dos psicotrópicos miorelaxante nos estados ansiosos. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(3-4):245-275.

54. Madalena, J. Caruso. A quimioterapia de ação prolongada em psiquiatria. Rev. O Hospital. 1965; 67:43.
Notes: Rev. C.E. Galba Velloso (B.H.) 1970; 1(2)21-32

55. Madalena, J. Caruso. Um ano de uso de R 2498 (Trifluoperidol) em pacientes esquizofrênicos crônicos externos. Rev. O Hospital. 1965; 68(2):279-284.

56. Madalena, J. Caruso. Um nôvo psicotrópico anticonvulsivante - G.32.883. Rev. O Hospital. 1965; 67:731.

57. Madalena, J. Caruso and Campos, J. V. Martins. Tentativas sucessivas de suicídio com psicotrópicos; subsídios para o estudo dos efeitos de superdosagem maciça com o R-1625 ( haloperidol; apreciação de casos em personalidades psicopáticas. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(8):123-127.

58. Medeiros, Tácito. Resultados clínicos com o R 2498 (Triperidol). Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 28(1):58-65.

59. Mendonça, Rosita. Considerações sôbre metapsicologia de grupo. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(8):115-122.

60. Mercadante, Ana Eliza. Criança esquizofrênica. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):29-37.

61. Morão, Simão Pinheiro. Queixas repetidas em ecos dos arrecifes de Pernambuco contra os abusos médicos que nas suas capitanias se observam tanto em dano das vidas de seus habitantes, circa 1677. Junta De Investigações Do Ultramar, Lisboa. 1965.
Notes: Documento histórico

62. Oliveira, Walderedo I. Relações entre analistas: um estudo do grupo psicanalítico. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(3-4):159-233.

63. Oliveira Walderedo I., et al. Fantasias básicas e ansiedades no grupo terapêutico. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1):5-22.

64. Pacheco e Silva, A. C. Política e Saúde Mental. Rev.Neurobiologia,Recife. 1965; 28(3):175-184.

65. Pacheco e Silva, A. C.; Carvalho, Henrique M., and Penna, J. Meirelles Reis. Emprego do RP 8909 - Neuleptil, em terapêutica psiquiátrica. Estudo clínico. Rev. Psiquiat.Clin. São Paulo. 1965; 4(2):69-75.

66. Paim, Isaías. Bibliografia brasileira de Neuro-Sífilis e Paralisia Geral . Revista De Psiquiatria. 1965; 4(8):166-183.

67. Paiva, Luiz Miller de. A Bioquímica das psicoses. Rev.Neurobiologia, Recife. 1965; 28(3):125-162.

68. Paprocki, Jorge. Assistência psiquiátrica pública hospitalar no Brasil. O Hospital R.J. 1965; 68(4):167-176.

69. Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um novo anti-depressivo do grupo das iminodibenzilas; desipramina (G.35020). Rev. O Hospital. 1965; 68:691.

70. Paprocki, Jorge. Psicofármacos e terapêuticas biológicas. Rev.Bras.Med. 1965; 22(7):414-415.

71. Penna, J. Meirelles Reis and Fortes, J. R. Albuquerque. Ocorrência de esquizofrenia em diferentes grupos etários. Bol. Clin. Psiquiat. FMUSP . 1965; 125-127.

72. Péres, Heitor; Manfredini, Jurandyr; Araújo, Deusdedit; Veloso, M. A.; Alexandre, Humberto; Andrade, Oswald M., and Madalena, J. Caruso. Psicoterapia e Drogas Psicotrópicas. Rev.Bras.De Saúde Mental. 1965; 1:119.

73. Pinto, M. L. Fantasias e ansiedades básicas no grupo terpêutico. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):5-22.

74. Pires, Nelson. Clínica Psicossomática. Rio De Janeiro. 1965.

75. Rocha, Zaldo. Sobre a interpretação dos sonhos na infância. Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 28(4):303-314.

76. Santaella, Antonio. A terapêutica pelo Triperidol, meio de aproximação para a psicoterapia de esquizofrênicos crônicos. Fôlha Médica. 1965; 50:313.

77. Schiller, M. B. Cobre aniônico:complexo cupriacético. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14(1-2):93-104.

78. Silveira, Anibal. Conceito de Alcoolismo Crônico. Rev. Paul. Med. 1965; 66:221-225.

79. Silveira, Eufrides; Silveira, Marlene C.; Graeff, Harri V., and Tuma, Carmen G. Comunidade Terapêutica - Base do Tratamento psiquiátrico. Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 28(4):321-324.
Notes: Republicado em Neurobiologia 1966; 29 (1)23-26

80. Sonenreich, Carol and Góes, J. F. Delírio e Neurolépticos. Rev. O Hospital. 1965; 67:1085.

81. Uchôa, Darcy M. Importância dos mecanismos esquizóides em psicopatologia. Revista De Psiquiatria. 1965; 4(7):12-21.

82. Vasconcelos, João A.; Santos, Murilo, and Cordeiro, Eliezer H. Primeiras considerações sobre o emprego de um novo derivado iminodibenzilico no tratamento das depressões. Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 28(4):337-340.
Notes: Idem, Rev. O Hospital, 28(4):337-340,1967

83. Velloso, Fernando M. and Paprocki, Jorge. Ensaios clínicos com um neuroléptico fenotiazínico de ação prolongada: enantato de flufenazina (SQ 16,144). Rev. O Hospital. 1965; 68(1):71-81.
Notes: Idem. Rev. C.E. Galba Velloso (BH), 1(2): 33-34,1970

84. Velloso, Fernando M. and Paprocki, Jorge.. Ensaios clínicos com um novo neuroléptico do grupo das butirofenonas:Triperidol. Rev. O Hospital. 1965; 68(1):63-71.

85. Velloso, Fernando M. and Paprocki, Jorge.. Ensaios clínicos com um novo tensiolítico do grupo das benzodiazepinas (WY 3498). São Paulo, Ed. Publ. F.Wyeth. 1965.

86. Venturi, V.; Trape, Caetano, and Benfatti, W. Um novo psicotrópico. O diazepam no tratamento das depressões. Rev. Bras. Med. 1965; 23(3):181-187.

87. Vianna Filho, Ulysses et al. Notas preliminares sôbre investigação de um novo antiepiléptico - G 32.883. J.Bras.Psiquiat. 1965; 14:71.

88. Wolfenbuttel, P. O emprego associado da imipramina em depressões. Rev. Bras.Med. 1965; 22(11):699-707.

89. Zimerman, David E. and Sprinz, Isaac. Organização e estrutura dinâmica de um Hospital Psiquiátrico. Rev. Neurobiologia, Recife. 1965; 28(3):263-268.

90. Zimmermann, David et al. Observações clínicas com o Anatensol em pacientes psiquiátricos agudos. Rev.Bras.Med. 1965; 22:48.

Nós temos tentado comparar as publicações brasileiras com o american Journal e os Archives of General Psychiatry. Vamos voltar a essa comparação mais adiante, no momento apenas citaremos alguns pontos. Os Archives ainda mantinham uma linha psicodinâmica e chamam a atenção os debates entre os analistas defensores de uma posição mais clássica da psicanálise e os que defendem e aceitam a psicoterapia psicanalítica. No vol.12 (1) tem um trabalho de Roy Ginker sob o título “Identity or Regression in American Psychoanalysis”. No artigo o autor critica ponto por ponto as idéias de Maxwell Gittelson expressadas no artigo “The Identity Crisis of Psychoanalysis”. Gittelson defende uma psicanálise sem concessões. Considera a Psicoterapia Psicanalítica um erro e faz afirmações bem radicais do tipo. A psicanálise não depende do meio cultural onde está inserida ou uma mais difícil de entender a luz dos dias atuais que é a seguinte:”Psychiatry is not science - psychoanalysis is a basic science of individual psychology”.

Um outro artigo interessante foi apresentado por Franz Alexander e Sheldon T. Selesnick. “Freud-Bleuler Correspondence”. Nas cartas trocadas Freud tenta sem sucesso evitar o desligamento de Bleuler do movimento psicanalítico. Bleuler alegava que não podia pertencer a uma entidade que desligava seus membros por divergência de opinião. Freud entendia que ele não queria se indispor com psiquiatras alemães queeram muito críticos em relação a psicanálise. A oportunidade desse artigo tem relação com as críticas que Alexander vinha sofrendo por suas idéias de experiência emocional corretiva, que nada mais era que uma psicoterapia de apoio. Um artigo que depois veio a ter importância foi o de William K.Zung.”A Self-Rating Depression Scale”.

Um últimoregistro é sobre a publicidade encontrada nas páginas dos Archives: Miltown e Meprospan 400, era anunciados como importantes ansiolíticos. Pouco tempo depois,o Mebrobamato que era a substância anunciada, foi retirada do mercado pelos intensos efeitos aditivos. A Ritalina era anunciada para a fadiga crônica, ninguém pensava em distúrbios de atenção.


TOP