Volume 22 - Novembro de 2017
Editor: Giovanni Torello

 

Outubro de 2004 - Vol.9 - Nº 10

France - Psy

Atualidades

Eliezer de Hollanda Cordeiro

Sumário:

  1. Intersubjetividade
  2. Pesquisa: Programa de luta contra a doença de Alzheimer
  3. Pesquisa: Olfatoterapia
  4. Reuniões e colóquios
  5. Formações
  6. Associações
  7. Revistas
  8. Seleção de sites
  9. Quem somos

1. Intersubjetividade

Editorial de Monique Bydlowski

Psychiatrie Française, Vol. XXXV 1/04, Paris, 2004,

Tradução : Eliezer de Hollanda Cordeiro

Depois da difusão dos trabalhos anglo-saxões nos anos 70 e 80, o meio pedopiquiátrico francófono começou a estudar com muito interesse o mundo psíquico neonatal e a origem do pensamento do bébé, premissas da vida psíquica. O conceito de « intersubjetividade » virou moda e os congressos profissionais sobre a psicopatologia sucederam-se a partir desse novo instrumento conceitual.

Contudo, transformado em palavra-chave da psicopatologia, o termo intersubjetivo estava até agora em concorrência com o termo intrapsíquico. Graças a « Psychiatrie Française », em seus números especiais sobre a Intersubjetividade (editados em Maio e Julho 2004),os leitores encontrarão esclarecimentos sobre esses novos conceitos a partir de trabalhos apresentados no recente colóquio da WAIMH(World Association for Infant Mental Health) na França. Desses trabalhos surge a idéia de que o pensamento psicanalítico freudiano e a intersubjetividade correspondem a categories de pensamento totalmente heterogêneas mas talvez complementares. A intersubjetividade pertence ao domínio descritivo da fenomenologia, que dá conta dos acontecimentos e das coisas tais quais eles se oferecem à nossa experiência sensível. A fenomenologia não se interessa em explicar como as coisas (por exemplo as representações mentais) surgiram no espírito nem como este vai trabalhá-las e modelá-las. Representando há mais de um século um modelo revolucionário evolutivo, a fenomenologia emite a hipótese de um tópico (lugar, espaço) inconsciente ao mesmo tempo reserva de representações, lugar dinâmico de suas disposições e alavanca terapêutica da transferência no processo da cura,

Nós conhecemos os desenvolvimentos pós-freudianos da psicanálise anglo-saxônica, especialmente as contribuições essenciais daqueles que mergulharam no universo interior do bebé após M. Klein, D. Winnicott, E.Bick, W.R. Bion e muitos outros. Contudo, estes recentes trabalhos sobre o desenvolvimento precoce do bebé -as primeiras etapas de seu pensamento e sua entrada na linguagem- não dispunham ainda de conceitos precisos. Esta lacuna foi preenchida com os desenvolvimentos da teoria do sentimento de afeição (apego) e as observações das interações mãe-bebé filmadas por Coldwyn Trevarthen. Desde 1973, Coldwyn Trevarthen propôs o termo não cartesiano de intersubjetividade, tirado do vocabulário da filosofia, para designar a atitude imediata e inata do recém-nascido a captar as intenções do outro. Seus trabalhos pioneiros deram origem aos ricos desenvolvimentos clínicos ulteriores que devemos a B. Brazelton, mas sobretudo a Daniel Stern, cuja obra está no centro desses números de Psiquiatria Francesa.

Daniel Stern é celebérrimo por causa de seus trabalhos sobre a interação mãe-bebé ; a ele devemos conceitos importantes como o de ajustamento afetivo entre a criança de peito e a pessoa que dela cuida de maneira regular. Intersubjetiva e assimétrica é esta relação entre um adulto dotado de um aparelho psíquico que podemos descrever em termos freudianos e esse pequeno ser humano receptivo aos movimentos afetivos de seu interlocutor e à espera das respostas dele para dar forma e sentido às suas próprias percepções. Recentemente, D. Stern radicalizou seu pensamento, abandonando a clínica do bebé para extrapolar suas descobertas à clínica adulta em situação de psicoterapia.

Tal é o argumento de seu mais recente livro (O momento presente em psicoterapia), onde ele nos oferece importantes passagens nos volumes publicados por Psychiatrie Française. Ao introduzir o conceito de matriz intersubjetiva, Stern tenta explicar a divisão implícita e imediata da experiência com o outro em situações particulares : estado amoroso, emoção artística, grupos e sobretudo famílias.

Nesse número especial de Psychiatrie Française, podemos ler várias contribuições :

*Bernard Golse abordou a difícil passagem teórica entre o interpessoal e o intrapsíquico, à luz da brincadeira do bebé.

*Lisa Ouss-Ryngaert apoiou-se na clínica de pacientes com lesões cerebrais e propôs elementos para uma melhor compreensão das relações entre o cérebro (os neurônios-espelhos)e a intersubjetividade.Assim, a autora colocou a questão muito atual do dsenvolvimento de uma nova especialidade, a neuropsicanálise.

*Denis Mellier estudou as relações do bebé na relação subjetiva existente nos grupos.

*Serge Tisseron interrogou a significação dos brinquedos ofertos ao bebé pelos pais e avós, brinquedos que se tornam objetos-passadores de memória consciente e inconsciente.

*Alberto Konicheckis analisou, a partir de uma caso clínico, o trabalho de intersubjetivação nos laços precoces.

*Anick Lenestour e Gisèle Danon mostraram, partindo de uma psicoterapia pais-bebé, os impasses da construção intersubjetiva.

 

2. Programa de luta contra a doença de Alzheimer

L'Express du 20/09/2004
Artigo de Jean-Marc Biais

Tradução e resumo : Eliezer de Hollanda Cordeiro


Afim de identificar a doença o mais cedo possível, o ministro da saúde da França pretende multiplicar as consultas-memórias nos hospitais.

Mais de 800 000 Franceses sofrem atualmente da doença de Alzheimer! Dentro de alguns anos, esta inquietante doença poderia atacar um quarto das pessoas com mais de 65 ans. Perante esse desafio, o ministro da Saúde, Philippe Douste-Blazy, acabou de lançar um plano de luta. Entre as prioridades: detectar o mais cedo possivel o aparecimento de anomalias no cérebro. Na realidade, não existem medicamentos capazes de acabar com a degenerescência cerebral. E as moléculas disponíveis tratam somente os sintomas.Contudo, os tratamentos atuais podem retardar a evolução da doença se forem receitados no momento em que aparecem os primeiros sintomas. (1).

Hoje em dia, os diagnósticos são feitos a tempo somente em 50% das pessoas que sofrem dessa doença. Ora, como nos lembra o Professor Bruno Dubois, neurologista (Inserm, hospital da Pitié-Salpêtrière), «a doença pode começar muito cedo, desde os quarenta anos ». Ela evolue de modo silencioso e os primeiros sintomas só vão se manifestar entre vinte e vinte cinco anos mais tarde ». O diagnóstico dos doentes não é fácil no início da doença : ter problemas de memória na vida cotidiana não é um sinal infalivel de degenerescência cerebral. « É necessário fazer-se o diagnóstico diferencial entre simples distúrbios da atenção e a verdadeira doença da memória », ajunta o Pr Dubois. « Esta só poderá ser reconhecida por meio de testes apropriados ».As avaliações das capacidades cognitivas devem se completar por um exame IRM (imagerie par résonance magnétique). Um programa adaptado pela LENA, um laboratório de pesquisa do hospital da Pitié-Salpêtrière, permite doravante tomar-se medidas do hipocampo em alguns minutos, em vez de 10 horas antigamente. Uma atrofia dessa parte do cérebro (porta de entrada da nossa memória permanente) é com efeito um índice precoce da doença de Alzheimer. Este diagnóstico se efetua nas «consultas-memórias » dos serviços especializados funcionando em alguns hospitais franceses. O plano do Ministro da saúde Douste-Blazy prevê a criação de 100 novas consultas-memória até o ano 2007.

(1) www.francealzheimer.org

 

3. O perfume das lembranças

Artigo de Louise Prothery

L'EXPRESS de 27/09/2004

Tradução e resumo : Eliezer de Hollanda Cordeiro

Graças aos aromas,a olfato-terapia ajuda pacientes saídos do coma a religar os fios da memória.

O paciente cheira a mecha perfurmada que lhe deram, fecha os olhos e, no fim de alguns segundos, diz : « Parece com relva cortada, fresca, bem graxa, isto me faz lembrar as férias nos Pireneus quando eu era menino. Coisas da infância, nunca esquecemos ».

Romain, 23 anos, foi vítima de um traumatismo craniano em desastre de automóvel ocorrido no último verão. Ele saiu do estado de coma no mês de Agosto e continuou com muitas dificuldades para falar, apezar da ajuda de uma foniatra. Portanto, quando Patty Canac, perfumadora de formação e olfato-terapeuta no hospital Raymond-Poincaré de Garches, pediu-lhe para identificar aromas, seus olhos pretos brilharam e frases começaram a surgir.

Eficiente mas ainda pouco explorada na França pelo corpo médico, esse método começou a ser aplicado há quatro anos na unidade de reeducação neurológica do Professor Bussel.

« Trata-se de um nova maneira de estudar a memória, de uma estimulação sensorial ao mesmo tempo lúdica e fiável que pode dar novamente o prazer de viver a pacientes quando não existe mais nada que os ajude, disse Patty Canac. Traumatismos cranianos, hemorragais cerebrais, comas prolongados, o despertar em todos esses casos é muito difícil. «Eu encontro a família em primeiro lugar, eles me falam do paciente, dos cheiros e dos alimentos que gostava, da profissão que exercia, de seus hábitos, e eu começo meu trabalho na cabeceira da cama, desde que ele se sinta capaz de dizer sim ou não.»

Patty Canac dispõe de mais de 250 aromas : madeira, café, biscoitos, feno... Ela trabalha no hospital duas vezes por semana. Sem ser médica, foi acolhida, aceita, e depois aplaudida pela equipe - médico,fisioterapeuta, ortofonista, nutricionista, etc. - que cuida dos pacientes. Um privilégio tanto mais raro que o olfato parce ter sido esquecido pela medicina. Considerado como primário, lembrando mais o instinto animal do que a inteligência, o olfato continua pouco estudado, embora o marketing use-o com muita frequência. Muito menos conhecido do que a audição e a vista, o olfato é portanto responsável de 90% de nossa percepção gustativa. E é tão profundamente enraizado em cada um de nós que ele parmanece mesmo quando tudo esquecemos. Fascinante, como testemunha a exposição « Perfumes ... o poder dos aromas », que começou em Chartres em 21 de setembro.

Em seu livro « O homem que compreende os perfumes » (revista Autrement), Chandler Burr conta a história verdadeira de um pesquisador em biologia, Luca Turin, atual diretor científico de uma start-up, que consagrou dez anos de sua vida tentando entender o mistério da olfação. Como explicar que o nariz, pequeno milagre da fisiologia humana, seja capaz de distinguir milhares de moléculas diferentes ? Luca Turin admite « que resta ainda muita coisa a descobrir », a condição, naturalmente, de saber onde se tem o nariz. »

 

4. Reuniões e colóquios

LA LETTRE DE PSYCHIATRIE FRANÇAISE propõe as seguintes reuniões e colóquios :

*PARIS : Conférences de L'HOTEL DE LAMAIGNON: SOMMEIL ET RÊVE :

Segunda 15 de Novembro: Pensée inconsciente et rêve  (Bernard Penot),

Segunda 17 de Janeiro 2005 : L'enfant de la nuit (Rémy Puyelo),

Segunda 21 de Março 2005 : Onirisme et peinture (Annie Gutmann),

Segunda 23 de Maio 2005 : Hypnose et rêve (Francois Roustang) (sous réserves).

*PARIS (29 e 30 de Outubro) : « Medicamentos e psicoses : prioridades para o futuro ».Informações : e-mail : [email protected] Site : www.unafam.org

 

5. Formações

*A Associação Francesa dos Centros de Consultas Conjugais oraganiza diversas formações. Contacto : e-mail : [email protected]

*A Associação da Saúde Mental da XIII circunscrição (Centro Alfred Binet) organiza diversas jornadas. Informações : e-mail : [email protected] Site : www.asm13.org

*O Instituto Francês de Análise de Grupo e de Psicodrama organiza diversas formações.

Contacto : e-mail [email protected]

*O Círculo de Estudos Franceses para a Formação e a Pesquisa Picanalítica de grupo, psicodrama, instituição organiza diversas formações. Contacto : e-mail : [email protected] Site : www.ceffrap.info

*O Grupo de Pesquisas sobre Autismo organiza duas formações universitárias. Contacto : e-mail : [email protected]

*A Universidade Paris 8 organiza um diploma de Estudos Superiores de Universidade sobre PSICOSOMATICA : medicina, psicanálise e neurociências. Contacto : e-mail : [email protected]

 

6. Associações

Association Française pour l'Approche Intégrative et Eclectique en Psychothérapie (AFIEP)

Association Française de Psychiatrie et Psychologie Légales (AFPP)

Association Française de Musicothérapie (AFM)

Association Art et Thérapie

Association Française de Thérapie Comportementale et Cognitive (AFTCC)

Association Francophone de Formation et de Recherche en Thérapie Comportementale et

Cognitive (AFFORTHECC)

Association de Langue Française pour l'Etude du Stress et du Trauma (ALFEST)

Association de Formation et de Recherche des Cellules d'Urgence Médico-Psychologique (AFORCUMP)

Association Nationale des Hospitaliers Pharmaciens et Psychiatres (ANHPP)

Association Scientifique des Psychiatres de Secteur (ASPS)

Association Commission Des Hospitalisations Psychiatriques France (CDHP France)

Association Promotion Défense de la Psychiatrie à l'Hôpital Général (PSYGE)

Association Karl Popper

Association pour la Fondation Henri Ey

Association Internationale d'Ethno-Psychanalyse (AIEP)

Collectif de Recherche Analytique (CORA)

Ecole Parisienne de Gestalt

Ecole Française de Sexologie

Ecole de la Cause Freudienne www.causefreudienne.org

Groupement d'Etudes et de Prévention du Suicide (GEPS)

Groupe de Recherches sur l'Autisme et le Polyhandicap (GRAP)

Groupe de Recherches pour l'Application des Concepts Psychanalytiques à la Psychose (GRAPP)

Regroupement National en Psychiatrie Publique (RENEPP)

Société Française de Gérontologie

Société Française de Thérapie Familiale (SFTF)

Société Francophone de Médecine Psychosomatique

Société Française de Psychopathologie de l'Expression et d'Art-thérapie(SFPE)

Société Française de Recherche sur le Sommeil (SFRS)

Société Française de Relaxation Psychothérapique (SFRP)

Société Française de Sexologie Clinique (SFSC)

Société Française de Psycho-oncologie/Association psychologie et cancers

Société d'Addictologie Francophone

Société Ericksonienne

Société de Psychologie Médicale et de Psychiatrie de Liaison de Langue Française

Société Médicale Balint

Union Nationale des Associations de Formation Médicale Continue (UNAFORMEC)

Union Nationale des Amis et Familles de Malades Mentaux (UNAFAM)

Association Psychanalytique de France (APF)

Société Psychanalytique de Paris (SPP)

Ecole Freudienne de Paris

 

7. Revistas

ABSTRAC PSYCHIATRIE : www.impact-medecin.fr

LA REVUE FRANÇAISE DE PSYCHIATRIE ET DE PSYCHOLOGIE MEDICALE : www.mfgroupe.com

L'ENCEPHALE:WWW.ENCEPHALE.ORG

LES ACTUALITES EN PSYCHIATRIE: www.vivactis-media.com

NEUROPSY : WWW.NEUROPSY.FR

NERVURE : REDACTION: HOPITAL SAINTE-ANNE, 1 RUE CABANIS, 75014 PARIS. TÉLÉPHONE: 01 45 65 83 09 FAX. 01 45 65 87 40

NEURONALE (REVISTA DE NEUROLOGIA DO COMPORTAMENTO) [email protected]

PSN :(PSYCHIATRIE, SCIENCES HUMAINES, NEUROSCIENCES) : rue de la convention, 75015 paris. Fax : 0156566566

PSYCHIATRIE FRANÇAISE : [email protected]

PSYDOC-BROCA.INSERM.FR/CYBERSESSIONS/CYBER.HTML

SYNAPSE : [email protected]

EVOLUTION PSYCHIATRIQUE

8. Seleção de sites

Etnopsiquiatria : www.ethnopsychiatrie.net

Pedo-Psiquiatria

Associação HyperSupers http://membres.lycos.fr/hyperactivite/

PSICANÁLISE

www.carnetpsy.com

Association Psychanalytique de France (APF)

Collège de Psychanalyse Groupale et Familiale www.psychafamille.com

Œdipe www.oedipe.org

Quatrième Groupe http://quatrieme-groupe.org

Société Psychanalytique de Paris www.spp.asso.fr

Outros Sites

www.doctissimo.fr

ASSOCIATION FRANÇAISE DES PSYCHIATRES D'EXERCICE PRIVE:www.afpep-snpp.org

Bulletin de L'ordre des Médecins: www.conseil-national.medecin.fr

Sites Temáticos

Ansiedade

Mediagora:http://perso.wanadoo.fr/christine.couderc/

Agoraphobie.com:http://www.agoraphobie.com/

Sitesfrancophones:http://www.churouen.fr/ssf/pathol/etatanxiete.html

Depressão

Distúrbios do humor (afetivos) : www.dépression.ch

Estados limites em psiquiatria: tratamento (D. Marcelli): Suicídio Escuta - 24/24 http://suicide.ecoute.free.fr

Informações sobre o suicídio e as situações de crise: http://www.suicideinfo.org/french

Centro de Prevenção do suicídio: http://www.preventionsuicide.be

Associaçao Alta ao Suicídio: http://www.stopsuicide.ch

Suicídio : http://www.chu-rouen.fr/ssf/anthrop/suicide.html

Toxicomanias e Drogas

Drogas : http://www.drogues.gouv.fr/fr/index.html

S.O.S. RÉSEAUX : http://www.sosreseaux.com/

IREB - Instituto de pesquisas científicas sobre as bebidas: http://www.ireb.com/

ADDICA : Addictions Précarité Champagne Ardenne : http://www.addica.org/

INTERNET ADDICTION : conceito de dependência à Internete: http://www.psyweb.net/addiction.htm

Estupefiantes e conduta automobilística; as proposições da SFTA: http://www.sfta.org/commissions/
stupefiantsetconduite.htm

8. Qui sommes nous?

France-Psy est le nouvel espace virtuel de “Psychiatry on Line” offert aux internautes et aux professionnels du secteur de santé mentale au Brésil.

Notre but est de rendre plus aisé, l'accès à certaines publications en langue française concernant la psychiatrie, la psychologie et la psychanalyse.

Quem somos ?

FRANCE-PSY é o novo espaço virtual de “Psychiatry On Line” dedicado aos internautas e aos profissionais do setor da saúde mental no Brasil.

Nosso objetivo é de facilitar o acesso a certas publicações em língua francesa concernando a psiquiatria, a psicologia e a psicanálise.

O leitor é cordialmente convidado a dar a sua opinião sobre os assuntos acima tratados, propor temas ou questões para as colunas ulteriores, apresentar sugestões para melhorarmos o site, tornando-o mais convivial. A participação dos colegas seria extremamente importante para o autor desta coluna. Meus agradecimentos antecipados a todos.

Contacto: [email protected]


TOP