Volume 22 - Novembro de 2017
Editor: Giovanni Torello

 

Abril de 2003 - Vol.8 - Nº 4

No Paiz dos Yankees

Depressão e seus efeitos sobre o corpo

Dr. Erick Messias

A associação entre melancolia e maior morbidade e mortalidade tem sido notada desde épocas clássicas. Mas a hipótese principal tem sido de que a depressão seria o resultado dos problemas físicos. Nos decorrer do século XX começou a tomar forma a hipótese de que depressão talvez não seja somente o resultado final de dor crônica e de doença física, mas pode ser também um fator de risco para o desenvolvimento de certas condições clínicas, assim também como um fator de risco para uma maior mortalidade dessas mesmas condições. Num estudo de coorte finlandes, entre idosos, depressão estava associada a um maior mortalidade, mesmo depois de controlados os efeitos de uso de tabaco, problemas funcionais e doença física 1. No decorrer do século XX vários estudos mostraram uma associação particularmente forte entre depressão e doença cardio-vascular 2.

Depressão e doença cardio-vascular

A associação entre depressão e infarto é conhecida a bastante tempo. Pacientes se recuperando de infarto são vulneráveis a depressão e aqueles que a desenvolvem possuem um prognóstico pior. A grande questão que surgiu nesses estudos é se a depressão funcionava como um complicador tardio do processo patológico ou se era em si um fator de risco, potencialmente modificavel, para doença coronariana. Alguns estudos epidemiológicos iluminaram essa associação recentemente.

Essa associação tem sido notada em diversos estudos e em diferentes populações 2-5. Mais recentemente, estudos de incidencia estimaram o efeito de depressão maior sobre o risco de doença coronariana 6, 7. Uma revisão sistemática da literatura estimou que o risco relativo de doença coronariana sendo em torno de 1.64 7.

Possíveis mecanismos 8-10:

Pacientes deprimidos fumariam mais, sendo o fumo um fator de risco para doença coronariana e infarto - nesse caso a depressão seria uma variável confundidora (há de existir uma tradução melhor para confounder mas não conheço...)

Pacientes depremidos fariam menos exercício, ou seriam menos aderentes ao tratamento - aumentado assim o risco.

As possibilidades estritamente biológicas podem incluir alterações na atividade plaquetária - associada a distúrbios no sistema de coagulação. A atividade nervosa autônoma também pode estar alterado em pacientes deprimidos aumentando assim o risco de eventos cardíacos.

Depressão e risco de acidente vascular cerebral - AVC

Depressão tem sido associada também a um maior risco de AVC. Num estudo prospectivo baseado na amostra de Baltimore da Epidemiological Catchment Area (ECA) study, a presença de depressão maior DOBROU o risco de AVC no seguimento de 13 anos 11. Um estudo semelhante numa população rural de idosos no Japão, com um seguimento de 10 anos, estimou que depressão aumentava o riso de AVC isquemico em 2.7 vezes. 12. Aindo outro estudo populacional nos EUA revelou um risco relativo de AVC 1.7 vezes maior em pacientes com depressão 13. Mais interessante ainda, mudanças na sintomatologia depressiva parecem sinalizar para um risco aumentado de eventos cardiovasculares, com AVC e infarto 14.

Depressão & Diabetes

Sabemos que pacientes com diabetes tem um risco elevado de depressão 15 e aqueles com diabetes e depressão parecem ter o risco de complicações aumentado 16 assim como controle glicêmico mais difícil 17. Ainda assim há evidencia de que o caminho contrário pode existir, onde depressão aumenta o risco de diabetes 18, 19.

Alguns problemas com o estudos atuais

Inúmeras variáveis confundidoras podem ser responsáveis pela associação entre depressão e morbidade em geral. Entre esses confundidores se incluem uso de tabaco - maior em pacientes com depressão e associado a vários quadros - nível de atividade física - menor em pacientes deprimido - nível de saúde global - que pode influir no risco de depressão, assim como menor aderência ao tratamento em pacientes com depressão. Suicídio é outro fator que pesa na morbidade de pacientes com depressão. A maioria dos estudos revisados acima não controla para esses fatores, e aqueles que o fazem raramente são capazes de ajustar para os múltiplos fatores e interações propostas 20. A maioria dos estudos mostrando associações também é baseada em amostras tipo caso-controle - com todas os vícios desses estudos ( que possuem muitas virtudes também!). Em geral esses estudos são adequados para levantar hipóteses, mas são limitados pela escolha dos controles, por viés de memória (recall bias) e pelo viés de Berkson. Por tudo isso esses estudos servem para levantar hipóteses e estimar efeitos. A fim de chegarmos a um teste de causalidade o melhor método seria um estudo de coorte, mas aí os problemas são de outra ordem, particularmente devido ao tempo e difiduldade de tocar estudos de longa duração. Ainda assim esses estudos serão necessários para se entender um processo tal complicado, onde um fator (depressão) funciona com fator de risco e como resultado de processos mórbidos.

Conclusão

Muitos estudos caso-controle têm mostrado uma associação entre depressão e várias condições clínicas. Doença coronariana, diabetes, hipertensão e AVC estão entre essas condições. Poucos estudos prospectivos tem sido realizados nesse tema, mas aqueles realizados parecem confirmar a associação. Possíveis variáveis confundidoras incluem cigarro, exercício, aderencia ao tratamento e apoio social. Nenhum estudo foi capaz até agora de controlar todos esses fatores.

Ainda assim é importante ter em mente essa relação visto que caso depressão seja confirmado como fator de risco para doenças clínicas, ela deverá ser considerada um fator de risco passível de modificação e compete a nós, modifica-lo.

Bibliografia

  1. Pulska T, Pahkala K, Laippala P, Kivela SL. Follow up study of longstanding depression as predictor of mortality in elderly people living in the community. Bmj. Feb 13 1999;318(7181):432-433.
  2. Glassman AH, Shapiro PA. Depression and the course of coronary artery disease. Am J Psychiatry. 1998;155(1):4-11.
  3. Carney RM, Rich MW, Freedland KE, et al. Major depressive disorder predicts cardiac events in patients with coronary artery disease. Psychosom Med. 1988;50(6):627-633.
  4. Carney RM, Freedland KE, Rich MW, Jaffe AS. Depression as a Risk Factor for Cardiac Events in Established Coronary Heart-Disease - a Review of Possible Mechanisms. Annals of Behavioral Medicine. Spr 1995;17(2):142-149.
  5. Carney RM, Freedland KE, Eisen SA, Rich MW, Jaffe AS. Major Depression and Medication Adherence in Elderly Patients with Coronary-Artery Disease. Health Psychology. Jan 1995;14(1):88-90.
  6. Ford DE, Mead LA, Chang PP, Cooper-Patrick L, Wang NY, Klag MJ. Depression is a risk factor for coronary artery disease in men - The precursors study. Archives of Internal Medicine. Jul 13 1998;158(13):1422-1426.
  7. Rugulies R. Depression as a predictor for coronary heart disease - A review and meta-analysis. American Journal of Preventive Medicine. Jul 2002;23(1):51-61.
  8. Ziegelstein RC, Fauerbach JA, Stevens SS, Romanelli J, Richter DP, Bush DE. Patients with depression are less likely to follow recommendations to reduce cardiac risk during recovery from a myocardial infarction. Arch Intern Med. Jun 26 2000;160(12):1818-1823.
  9. Carney RM, Saunders RD, Freedland KE, Stein P, Rich MW, Jaffe AS. Association of Depression with Reduced Heart-Rate-Variability in Coronary-Artery Disease. American Journal of Cardiology. Sep 15 1995;76(8):562-564.
  10. Musselman DL, Tomer A, Manatunga AK, et al. Exaggerated platelet reactivity in major depression. American Journal of Psychiatry. Oct 1996;153(10):1313-1317.
  11. Larson SL, Owens PL, Ford D, Eaton W. Depressive disorder, dysthymia, and risk of stroke - Thirteen- year follow-up from the Baltimore Epidemiologic Catchment Area Study. Stroke. Sep 2001;32(9):1979-1983.
  12. Ohira T, Iso H, Satoh S, et al. Prospective study of depressive symptoms and risk of stroke among japanese. Stroke. 2001;32(4):903-908.
  13. Jonas BS, Mussolino ME. Symptoms of depression as a prospective risk factor for stroke. Psychosom Med. 2000;62(4):463-471.
  14. WassertheilSmoller S, Applegate WB, Berge K, et al. Change in depression as a precursor of cardiovascular events. Archives of Internal Medicine. Mar 11 1996;156(5):553-561.
  15. Anderson RJ, Freedland KE, Clouse RE, Lustman PJ. The prevalence of comorbid depression in adults with diabetes: a meta-analysis. Diabetes Care. Jun 2001;24(6):1069-1078.
  16. de Groot M, Anderson R, Freedland KE, Clouse RE, Lustman PJ. Association of depression and diabetes complications: a meta-analysis. Psychosom Med. Jul-Aug 2001;63(4):619-630.
  17. Lustman PJ, Anderson RJ, Freedland KE, de Groot M, Carney RM, Clouse RE. Depression and poor glycemic control: a meta-analytic review of the literature. Diabetes Care. Jul 2000;23(7):934-942.
  18. Eaton WW, Armenian H, Gallo J, Pratt L, Ford DE. Depression and risk for onset of type II diabetes. A prospective population-based study. Diabetes Care. 1996;19(10):1097-1102.
  19. Kawakami N, Takatsuka N, Shimizu H, Ishibashi H. Depressive symptoms and occurrence of type 2 diabetes among Japanese men. Diabetes Care. Jul 1999;22(7):1071-1076.
  20. Wulsin LR, Vaillant GE, Wells VE. A systematic review of the mortality of depression. Psychosom Med. Jan-Feb 1999;61(1):6-17.

TOP