Volume 11 - Marηo de 2006
Editor: Giovanni Torello


Abril de 2000 - Vol.5 - NΊ 4

MISCELÂNEA

1) O PSICANALISTA VAI AO CINEMA;
2)
O PSICANALISTA LÊ O JORNAL

Dr. Sérgio Telles

1) O PSICANALISTA VAI AO CINEMA

TODOS QUEREM SER JOHN MALKOVICH - Questões ligadas à identidade

É interessante comparar "Quero ser John Malkovich", "Meninos não choram" e "Tudo sobre minha mãe". Em registros narrativos e enfoques diferentes, abordam o tema da identidade e seus percalços, especialmente os de gênero sexual.

O tom leve, de inteligente comicidade de "Quero ser John Malkovich" ou a estreita linha que Almodovar consegue manter entre a tragédia e o melodrama se contrapõe o clima "dark" de "Boys don’t cry", a história verídica de Teena Brandon, a adolescente que se fazia passar por rapaz, sonhando com a operação que lhe mudaria o sexo.

Como vimos em "Tudo sobre minha mãe" nesta coluna há dois meses, ali é possível seguir o modelo proposto por Stoller sobre a etiopatogenia mais genérica do transexualismo: " mãe demais e pai de menos = feminilização; pai demais e mãe de menos = masculinização".

O texto completo encontra-se no livro: "O psicanalista vai ao cinema" - EdUFSCar / Casa do Psicσlogo, 2004 .

A) NICÉIA PITA, O ESCÂNDALO DA PREFEITURA (todos os jornais)

As declarações de Nicéia Pitta, ou Nicéia Puta – como um vereador a chamou numa sessão na Câmara, num chiste proposital consciente ou num ato falho inconsciente – permitem algumas reflexões.

Na esfera pessoal, vemos Nicéia tomada pelo ódio vingativo, cegamente determinada a destruir o marido. Talvez não tenha percebido que, ao destruí-lo, destrói-se junto, assim como a sua família.

O teor das denúncias de Nicéia não surpreende a ninguém. Ela simplesmente diz o que todos suspeitam de longa data. Tentar desacreditá-la como "louca" é apenas mais uma das tentativas de afastar o óbvio. Tentar fazê-la uma heroína nesta história é uma manipulação com fins políticos, pois ela era até bem recentemente conivente com as práticas que no momento resolve "denunciar", esquecendo que delas até então era cúmplice e beneficiária.

Seu discurso expõe mais uma vez o mundo corrupto e amoral habitado pela grande maioria de nossos políticos, nossos homens públicos. Depois de tantas evidências neste sentido, se é tentado a elaborar um ainda que superficial "perfil psicanalítico" do político em geral e em especial dos nossos políticos, ressalvando as honrosas excessões de praxe.

O que é um "político" ? À primeira vista, é um homem que se julga capaz de representar determinados grupos e defender seus interesses. Para convencer os outros da capacidade da qual se julga possuidor, joga mão de vários artifícios, entre eles a retórica sedutora, aquela que diz tudo o que o interlocutor quer ouvir, sem ter nenhum compromisso efetivo com a realização de tais promessas, que são esquecidas tão logo obtido o desejado, que é a eleição. Em termos de Brasil, essa retórica chega a níveis inacreditáveis, merecedoras de processos semelhantes àqueles sofridos pelas "propagandas enganosas" veiculadas pela publicidade.

Poderiamos levantar a hipótese de que o político é um perverso que usurpa um papel paterno. Ele perverte totalmente a autoridade e o exercício do poder, usando-o em benefício próprio, ignorando qualquer compromisso anterior, manipulando a lei a seu bel-prazer, na verdade transformando em leis seus desmandos e abusos. Ele é quem faz a lei, e esta é para os outros, nunca para si mesmo.

Psicológicamente podemos imaginar que à identificação megalomaniaca do político com uma figura onipotente paterna corresponde o complementar desejo infantil de ser protegido e guardado por pais que a grande massa apresenta, sendo este o substrato que mantem a estabilidade deste arranjo perverso.

Esse pacto perverso entre político e seus eleitores é tanto mais profundo quanto mais despreparado é seu eleitorado, que é o que acontece em nosso país.

Travestidos de "defensores do povo" (ACM após fracassar no seu empenho demagógico quanto ao salário mínimo, disse estar "do lado do povo") nossos políticos estão em seus postos defendendo os interesses da plutocracia. Se a ela já se venderam no atacado, não hesitam em se vender no varejo, ao sabor das circunstâncias momentâneas, aproveitando as volúveis correntes de ar do acontecer político.

É uma prova da infantilidade da humanidade a crença confiante nos "pais" políticos que ela não cessa de escolher e delegar amplos, irrestritos poderes, sem se sentir obrigada ou desejosa de controlar e cobrar esse poder por ela mesmo delegado.

B) PAPA PEDE PERDÃO

Papa pede exame de consciência por erros – (OESP– 13/03/00 – pg A9)

João Paulo II é o papa que mais pediu perdão – (OESP – 12/3/00 – A 16)

Maioria dos israelenses aguarda visita de João Paulo II com expectativa favorável (OESP– 16/3/00 – pg A21)

João Paulo II inicia sua viagem mais difícil – (OESP– 20/03/00 – pg A11))

João Paulo II inicia peregrinação à Terra Santa – (OESP – 21/3/00 – pg A10)

João Paulo II beija e abençoa a terra de Israel – (OESP – 22/3/00 – pg A11)

Papa encerra peregrinação à Terra Santa – (OESP – 27/3/00 – pgA14)

A notícia referente aos pedidos de perdão do Papa e a subsequênte visita à Terra Santa têm uma dimensão e uma amplitude que é necessário ressaltar.

A Igreja Católica de há muito vem sendo acossada pela "inteligentzia" internacional , que censura como inadmissíveis e intoleráveis várias de suas posições no correr da História. A violência das Cruzadas, os desmandos loucos que levaram à Reforma, a brutalidade da Inquisição, a perseguição a Galileo, o extermínio das culturas autóctones do Novo Mundo sob a égide da catequese e da colonização e, mais recentemente, o silêncio frente ao nazismo e ao Holocausto (Shoa), sem mencionar que durante séculos o preconceito contra os judeus foi uma tônica de sua política, assim como a sistemática aliança com as piores ditaduras da América Latina. Todos estes episódios são indefensáveis para a mentalidade moderna.

Apesar dos protestos, a Igreja mantinha-se impassível até este gesto de João Paulo II, que reconhece os erros e abusos e pede perdão.

Porque a Igreja demorou tanto a reconhecer o que para qualquer um é uma evidência? A demora se explica quando nos lembramos que tudo isso coloca em questão o dogma da infalibilidade do Papa. Sendo o representante de Deus e chefe da Igreja, ele não pode errar, é infalível. Consequentemente, a Igreja não podia reconhecer erros, mantinha-se em embaraçoso silêncio.

Claro que João Paulo II, como não poderia deixar de ser, propõe uma solução de compromisso. Tenta dissociar o Estado do Vaticano da Igreja Católica, da Santa Sé. Mas, mesmo assim,dá um grande passo.

A importância disso está no abalo que a noção de "dogma" não deixa de receber. Como sabemos, o dogma é aquela verdade absoluta e inquestionável revelada por Deus e por isso mesmo inacessível à compreensão humana. "Credo quia absurdo" – creio porque é absurdo, ensina a Igreja.

Não devemos esquecer que a religião é um poderosíssimo enclave do pensamento mágico infantil na cultura. E o dogma é uma eficiente arma para a manutenção deste enclave, organizando um reduto de autoritarismo absoluto da Igreja, colocando seus súditos em papel de crianças submissas, que não sabem o que os adultos falam e têm que aceitar o que lhes é dito.

Assim, podemos saudar este evento como mais um pequeno passo na longa estrada que a humanidade caminha para sair do pensamente mágico-religioso rumo a um pensamento mais adulto, racional e realistico. Neste trajeto, é fundamental a perda da onipotência narcísica, o tolerar o desconhecimento, o erro, o aprender com a experiência.

Isso que todos nós tivemos de fazer individualmente, permitimos que se refugie nas instituições religiosas. Nós abdicamos da onipotência e a delegamos para uma figura idealizada paterna, no caso, o Papa. Ele é onipotente e sabe do que fala. Se permitimos isso é porque é duro perder a figura do pai poderoso (o Papa) e ter de enfrentar as incertezas, o desconhecido e a morte sem a defesa onipotente narcísica.

C) FILHO-FALO

Mulher passa por cesareana mas não havia bebê – (OESP– 14/03/00 pg A13) –

Essa notícia proporciona duas evidências.

A primeira expõe a qualidade da medicina exercida nesta situação.Como é possível a indicação de cesária sem o conhecimento do estado do feto e da mãe?

A segunda mostra como a gestação de um filho provoca profundas alterações psíquicas tanto no pai como na mãe, proporcionando revivescencia de antigos conflitos pré-edípicos e edípicos. É o que teria ocorrido como esta pobre senhora, a se acreditar que, de fato, foi uma pseudociese e não uma fraude do hospital para ocultar a morte do feto, como querem os familiares da "mãe".

A equação simbólica pênis-bebê, ou seja, a equivalência do filho com o desejado falo, símbolo da onipotência narcísica, provavelmente joga papel determinante em situações como esta.

Ter um filho, ter um falo.

C) APEDREJANDO O DIABO

Mais de dois milhões de peregrinos refazem o caminho de Maomé – (OESP– 15/3/00 – pg A 25)

Peregrinação chega ao clímax – (O Estado de São Paulo – 16/3/00 – pg A27)

Seria um grosseiro erro considerar um exotismo oriental as impressionante imagens do "hajj", a sagrada peregrinação à Meca que todo muçulmano deve fazer pelo menos uma vez na vida.

A multidão girando em torno da Caaba; depois em Muzdalifah apedrejando os pilares onde Maomé foi tentado pelo demônio; os depoimentos de peregrinos em franco êxtase religioso. São tocantes imagens da infância mental da humanidade, evidência da impossibilidade de fazer o luto pelos pais, a permanência da necessidade da proteção que eles dispensavam, do medo da morte, do desejo narcísico de preservar o ego, da impossibilidade de aceitar sua extinção.

Aquelas imagens são tão tocantes quanto as de qualquer outra demonstração religiosa de massa. Tão tocantes quanto aquelas da Praça São Pedro lotada de fiéis aguardando a fala do Papa ou as filas em Lourdes ou Fátima.

D) PARIS E SÃO PAULO – A MESMA LAMA

Prefeito de Paris chafurda em escândalos – (OESP – 16/3/00 – pg A26)

Aqui remeto o leitor ao ítem NICÉIA.

E) O PODER DE RASPUTIN

Livro desmente versão da morte de Rasputin – (OESP – 16/3/00 – pg A25) -

Ainda hoje se especula sobre como morreu Rasputin. Este livro agora nega que tenha escapado do envenenamento realizado por nobres descontentes com seu desmedido poder frente ao Czar e a Czarina. Foi esfaqueado e jogado ainda vivo num rio.

Rasputin é apenas mais um numa estranha série: a de místicos, cartomantes, videntes, astrólogos, figuras presentes na corte de reis e poderosos desde a antiguidade até o dia de hoje. Foi noticiado, por exemplo, a influência de uma "paranormal" nos mais altos círculos de Moscou até bem recentemente. Era sabido a importância de uma astróloga nos atos de Ronald Reagan. O mesmo se dizia de Ménem, ex-presidente da Argentina.

É de se especular porque estas pessoas que estão no centro do poder se submetem a tais charlatães. Seria uma procura de aumentar ainda mais o raio de seus poderes, num desejo onipotente de controlar e prever todos os fatos? Seria a constatação que mesmo no centro do poder, talvez mais ali do que em qualquer outro lugar, tem-se consciência da fragilidade humana, da força imprevista do acaso, do incontrolável da morte? Seria a necessidade de ter um parâmetro, um saber que tem um poder superior que está além do por eles exercido e com isso precaver-se de sucumbir a uma onipotencia enlouquecida?

F) PICADINHO DE ASSASSINO

Assassino em série será cortado em cem pedaços – (OESP – 17/03/00 – pg A17)

Assassino em série paquistanês - um engenheiro químico que matou cem crianças dissolvendo seus corpos em ácido que posteriormente despejava em esgotos - terá seu corpo esquartejado em cem pedaços, uma para cada criança, além de ter sido condenado a 700 anos de prisão pela destruição das provas.

Olho por olho, dente por dente. É a aplicação da lei de Talião, aquela que rege o inconsciente e que ainda vigora em alguns lugares.

G) PORQUE BEIJA O "BEIJOQUEIRO"

"Beijoqueiro" vai ao prédio da primeira-dama – (OESP – 18/3/00 – pg C3)

Esta figura folclórica e patética, que há anos o público brasileiro conhece, vem a tona toda vez que há um grande evento envolvendo personalidades ou deixando em evidência maior alguma celebridade. Log o ele aparece para "dar beijos", trazer "mensagens de paz", "flores", qualquer coisa que o coloque em possível contato com aquele que está no centro das atenções. Ao agir assim, o "Beijoqueiro" dá mostra de graves perturbações em sua personalidade, evidenciando conflitos na área da identificação. Ao saber de alguém que está na mira da imprensa, faz uma identificação narcísica, sente-se fundido com aquela imagem e tenta compartilhar com ela daquela instante de fama.

H) SUICÍDIO COLETIVO OU MATANÇA COLETIVA – UMA LOUCURA RELIGIOSA

Dobram mortes em suicídio coletivo em Uganda – (OESP– 20/03/00 – pg A14)

Achados em Uganda mais corpos de fiéis de seita – (OESP – 21/3/00 – pg.A15)

Achados mais 74 corpos em Uganda – (OESP – 28/3/00 – pg A17)

Matança em Uganda pode ser a pior da história – (OESP – 30/3/00 – pg A27)

Mais um suicído coletivo, um deixar-se matar por líderes enlouquecidos. Mais um exemplo cabal em prática da teoria freudiana da "psicologia das massas" – a identificação com o chefe, o substituir o ideal do ego por um lider e segui-lo absolutamente de forma cega, identificando-se com os demais seguidores, abdicando de qualquer autonomia.

Como explicariam os psiquiatras neurocientistas os suicidios coletivos? Estariam todos com problemas na recaptação da serotonina? Haveria alterações bioquimicas semelhantes em todos eles? Estariam todos com falhas genéticas a serem em breve resolvidas?

Nestes exemplos de patologia radical, podemos entrever o funcionamento dito "normal".

Como falamos antes ao comentar o pedido de perdão do Papa ou as imagens do "hajj"muçulmano, o fenômeno religioso mostra os aspectos infantis da humanidade em sua busca de pais protetores a quem delega grandes poderes, com consequências muitas vezes terrorificas.


TOP